terça-feira, 12 de maio de 2015

SERVIÇO PÚBLICO DE TELEVISÃO IGNORA PATRIMÓNIO IMATERIAL DA HUMANIDADE


A Televisão Pública ignorou em absoluto a Homenagem ao I Grande Encontro do Cante Alentejano que ocorreu, no passado dia 2 de maio, na grande feira do sul – a Ovibeja.
A Casa do Alentejo e outras entidades organizaram “O Comboio do Cante”, que partiu da região de Lisboa, transportando 20 grupos da diáspora.
A concentração ocorreu no palco do pavilhão multiusos de Beja, onde 100 grupos, cerca de 2 mil pessoas, homens e mulheres, entoaram, em conjunto, 5 modas do nosso cante alentejano.
A postura do Serviço Público de Televisão merece dos órgãos dirigentes da Casa do Alentejo, o mais vivo repúdio pela total ausência de transmissão dum acontecimento com esta relevância.
Tal significa um desprezo chocante pelo Património Cultural do Povo do Alentejo!
Lisboa, 4 de maio, 2015
A Direção da Casa do Alentejo

5 comentários:

  1. Onde começa e acaba o serviço público?
    Quais as diferenças entre a SIC, TVI ou RTP? Eu só consigo vislumbrar uma diferença: A SIC e a TVI não são usadas como "partido estado" como é a estação pública.
    Tirando a parte em que os amigos político/partidários ocupam lugares na estação pública, a SIC ou a TVI chegam a prestar mais e melhor serviço público do que a RTP.

    Só por isto a RTP (e já agora a TAP) se forem privatizadas já é tarde.

    ResponderEliminar
  2. Atenção a quem de direito, e que defenda os direitos dos consumidores:
    AS FACTURAS SÓ TÊM VALIDADE PARA SERVIÇOS E FORNECIMENTOS QUE TENHAM SIDO PRESTADOS NOS 6 MESES ANTERIORES
    Portanto, o que o fornecedor de gás está a cobrar a título de retractivos, por não sei quantos anos, é absolutamente ilegal.

    ResponderEliminar
  3. joaquim palminha silva14 maio, 2015 12:11

    Eis no que dá o exibicionismo patareco e provinciano: levaram o «cante» para fora do seu contexto, depois acontecem-lhe estas "tragédias".
    Vejam se aprendem a portar-se com mais dignidade! Após pedirem que "os reconhecessem", culturalmente dizendo, aos estrangeiros, que é que queriam? Que os respeitassem?! Ainda não perceberam que serviram para satisfazer o ego de uns intelectuais de "esquerda" carregados de oportunismo e à caça de lugarzinhos aqui e ali, de nichos e biscates?!
    A foto é patética! Demonstra bem o estado de inconsciência a que se pode levar uma multidão de idosos, dignos de mais consideração e respeito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto. Tudo isto é tão triste e ridículo ! Não o cante, obviamente, mas aquilo que (alguns) fizeram dele.
      Relembro o início do filme ''Alentejo, Alentejo''. Há uma ida de um grupo ( bom) de cante a Lisboa, à praça do Comércio, quando decorre ali uma festa anual de um supermercado, e o grupo não chega sequer a cantar, regressando ao autocarro, cabisbaixo e acabrunhado. Ninguém reparou, acho eu, na importância daquela mensagem. Duvido até que o realizador tivesse a intenção de ter algum sentido crítico, mas ali é bem patente que ninguém liga ao cante, abafado pelos cantores pimbas da moda, no caso o ''grande cantor '' Tony Carreira.
      Com a ''proliferação'' de grupos de idosos que ''cantam o cante'', ocorre o mesmo que com os grupos folclóricos do resto do país. Cada vez são mais, crescem que nem cogumelos. Idosos ataviados com roupas estranhíssimas, ''à antiga'', cantam e dançam um pouco por todo o lado, são felizes, envelhecem ''bem'', dizem os experts.Tudo isto ou parte disto obra das universidades e academias séniores - outra praga - que pululam por aí e dão vazão aos desígnios de uns tantos amantes de protagonismo.
      Há sempre quem se julgue capaz de ser tudo. Nada a fazer, é assim mesmo. À nossa escala miudinha. Paciência !!

      Eliminar
    2. É o que eu digo.
      Tudo onde o Partido Comunista mete a mão, fica demasiado tacanho e "pequeno"; há uma espécie de hino ou de revolta da desgraça e do "envergonhismo".
      O Comunismo de trazer por casa, é uma espécie de Salazarismo virado do avesso.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.