segunda-feira, 18 de maio de 2015

Se a moda pega, preparem-se ò "trabalhadoras" da Câmara de Évora para darem ao dedo e ao dedal


Separação entre Estado e Igreja? Qual quê!!! O que interessa é engalanar as janelas do edifício dos Paços do Concelho com "colchas" para a procissão de Nossa Senhora do Carmo. Câmara CDS? Não senhor: Câmara CDU. E o "desafio foi lançado pelo presidente da autarquia". E esta hein?

11 comentários:

  1. Será miopia? Astigmatismo? Ou pura e simplesmente estupidez?
    O BE quer que a camara CDU deixe de respeitar os hábitos e a cultura locais? Que ofenda os cidadãos, ofendendo os seus credos e cultura?
    Que quer o BE?
    Legalizar a droga?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde é que diz isso?
      Onde está escrito?
      Porque é que a câmara do PCP deixa os ciganos traficantes moverem-se por onde querem?

      Eliminar
  2. Concordo com o comentário acima a 100%. As crenças não tem nada a ver com os partidos há maçónicos do PCP ao CDS. Há militantes CDU católicos que tem o C. a ver com as calças senhores do cinco tons?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O caro amigo das 15:58 quer é lançar areia para os olhos do pessoal. Mas desta vez vai precisar duma camioneta muito grande, porque a verdade, verdadinha está escrita nessas linhas de jornal. Com que então, o amigo concorda que o Estado ou uma Câmara Municipal que seja, intervenha e ponha os seus edificios engalanados aquando da realização de procissões ou actos de natureza religiosos? É que se acha, acha mal. Em Portugal existe separação entre a Igreja e o Estado, sendo a religião um assunto da consciência estritamente pessoal. É um abuso que nas escolas do Estado ou nos edificios públicos - nomeadamente das autarquias locais - estejam expostos símbolos religiosos desta ou daquela religião, quanto mais engalanar as janelas de uma Câmara Municipal aquando da passagem de uma procissão. O presidente da Câmara de Moura estaria no seu direito se apelasse aos católicos do seu concelho para embelezarem as suas ruas ou porem colchas nas janelas à passagem da procissão - não pode é usar um edíficio público, como é o caso do edifico dos Paços do Concelho, para esse fim. Mas esta é uma questão pacífica. Só não vê quem quer. Eu se fosse habitante de Moura - e mesmo sendo católico - sentir-me-ia insultado pelo facto do presidente da Câmara querer misturar Estado e Igreja. Segundo a Constituição, no seu artigo 41, número 4: "As igrejas e outras comunidades religiosas estão separadas do Estado e são livres na sua organização e no exercício das suas funções e do culto.". As crenças são individuais e, como diz, não tem nada a ver com os partidos. Há de tudo em todo o lado. O Estao e as Câmaras é que têm que respeitar essa diversidade e não intervir - muito menos pondo colchas na janelas em dia de procissão - em manifestações de carácter religioso.

      Eliminar
    2. @17:29
      A obrigação da câmara é representar os munícipes.
      É defender os seus interesses.
      É respeitar as suas tradições e cultura.
      Nenhuma destas obrigações implica submeter o poder civil ao poder religioso.

      Se não sabes isto, não sabes nada.

      Eliminar
    3. Comunistas maçónicos? Sé se forem Maçons do Estalinismo/Cunhalismo ou do NorteCoreanismo.

      Eliminar
  3. Apelava ao Bloco que trasnferi-se o Outdoor da Porta de Avis para o outro lado da rotunda,está a tapar a vista ao baluarte.

    ResponderEliminar
  4. Porque é que a câmara do PCP deixa os ciganos traficantes moverem-se por onde querem?

    Mais grave acamparem vindos de outra cidade dedicarem-se o crime e um tinha um mandato de captura para cumprir pena de prisão efetiva ,durante um ano andou por a rua do rochedo montado tendas fazendo circo com uma caravana podre a frente da PSP valia tudo, até o vogal da junta Racha lhe levou comida e lhe dava toda a atenção conjuntamente com o miserável serviço de fiscalização.
    Só mesmo numa camara comunista de amadores permite estas misérias, mas claro a porta dos outro!

    ResponderEliminar
  5. E qual é o problema?! Você deve-se achar dono da razão...

    ResponderEliminar
  6. Desde que o Castro de Cuba elogiou publicamente este Papa, os comunistas de todo o mundo ficaram legitimados para fazer as pazes com a Igreja.

    Como comunistas que são e sem pensamento próprio, é necessário que um comité qualquer dê a 1ª bênção

    ResponderEliminar
  7. Que comentários tão estafurdios e ignotos!...
    E quer essa gente (os atrasados comentadores) que isto ande para frente. Com gente desta não vamos a parte nenhuma.

    A. Gomes

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.