quinta-feira, 28 de maio de 2015

Praça pública para (ab)usos privados?

Joaquim Palminha Silva
O “diálogo” dos autarcas da Câmara Municipal de Évora (CME) com a Praça de Giraldo, pelo menos desde há duas décadas, pode servir para levarmos em conta ou não esquecermos os resultados práticos da sua gestão, a fim de podermos dispor de alguma luz que nos ilumine sobre o que é e como se produz a direcção política (e tutela técnica) sobre o Município de Évora. Para tudo dizer: - A Praça de Giraldo pode servir como teste, ensaio de laboratório, de forma a revelar-nos que é que a CME faz ou deixa de fazer na cidade!
Em 2000, mercê de um “programa” (subsidiado pela EU, suponho) dito de «requalificação urbana» do centro histórico, a CME levou a cabo: 1) pequenas correcções na pavimentação nas zonas das Arcadas, bem como nova figuração de calçada miúda adjacente às Arcadas; 2) «anulação» dos pavimentos decorativos defronte ao Banco de Portugal e Montepio Geral (não se explicou o porquê desta “anulação”); 3) iluminação da fonte henriquina e da fachada da igreja de Stº. Antão; 4) enterramento de cabos eléctricos, telefónicos, TV, rede de gás; 5) correcções na rede de esgotos existente na Praça de Giraldo.
Quinze anos depois, podemos constatar que ficou fora do “pacote” a limpeza e pintura exterior da Igreja de Santo Antão (é ocioso relembrar o desacerto caricato do relógio municipal, entre as duas torres da igreja)… Com descaramento provocatório (não acredito que seja manifestação de anti-clericalismo), por pura inconsciência e desmazelo, verifica-se a continuação de barracas de estaleiros municipais na fachada lateral da igreja de Stº Antão o que, queiram ou não, demonstra a enxovalhada ideia de «cidade património da humanidade» destas damas e cavalheiros da “esquerda” (PCP e PS) “profissionalizada em municípios” …
Apesar dos “cabedais” gastos nas inovações, o grande fiasco de toda a “requalificação”, resultou na iluminação “cénica” (Arcadas, Igreja de Stº. Antão e Fonte Henriquina) que se faz notar pela sua “brilhante” ausência!
Quinze anos após estas “obras”, sem ter sido feita avaliação do impacto e segurança dos edifícios e suas infraestruturas, após os enterramentos da série de cabos, a actual gestão autárquica apercebe-se da existência de ameaçadoras fendas nas Arcadas! – Que faz? Produz um especializado estudo sobre a segurança das estruturas? – Não senhor! Esconde as fendas, tapando-as com massa, pintando tudo de seguida! Isto é, encontrou uma forma vistosa para ludibriar os basbaques! - O anunciado enterramento de cabos junto às infraestruras das Arcadas não evitou a adição de mais cabos dependurados nas paredes, para novas formas de fornecimento de energia aos palcos de fim-de-semana na Praça de Giraldo.
 Entretanto, verifica-se uma total incapacidade do actual executivo da CME para fazer respeitar as regras e posturas municipais, por parte de comerciantes e restauração (ocupação não autorizada de espaço público, fachas publicitárias nas fachadas dos prédios, etc.), utilização de materiais não convencionados nos exteriores dos estabelecimentos.
De resto, a ideia que o executivo da CME tem do espaço público é qualquer coisa que, na essência, o cidadão desconhece (e também a própria CME)… A Praça de Giraldo, espaço público privilegiado da urbe, tem vindo a servir para uso privado (com montagem de tendas e outro equipamento) de publicidade a marcas de automóveis, centro da “pedincha institucionalizada”, utilização aberrativa de praticantes de ginástica “empurrada” por música de discoteca, promoção de aparelhos auditivos, concentração de motoqueiros e, por fim, exibição de espectáculos musicais do agrado do executivo municipal que, não muito democraticamente, atiram com uns quantos decibéis sobre a cabeça dos transeuntes! – O espaço público, como o nome indica, serve por natureza para o uso e a conveniência da comunidade, a CME não deveria utilizá-lo ou autorizar o seu uso para fins privados de grupos ou de “associações” e empresas (de objectivos religiosos, políticos, desportivos, musicais, de promoção de vendas e exibição de mercadorias), sem autorização/licença da polícia, estabelecimento de alternativas, vigilância da autoridade, controlo do ruído, preservação da paisagem urbana que a Praça encerra, etc... Enfim, não há “sociedade recreativa” nem promoção de vendas que não se sinta no direito de ocupar a Praça de Giraldo, acabando esta excitação pelintra e barulhenta por se transformar numa “actividade cultural” da própria CME!
Em adiantado estado de descaracterização, transformada em poluente “terminal” de autocarros, de piso arruinado, com a “plantação” de tendas dia-sim-dia-não, hoje a Praça de Giraldo é o lugar público mais barbarizado da cidade. Pode, portanto, rejubilar o executivo municipal, pois com a sua gestão (modalidade tártara?) consegue dar-nos uma “bela” imagem do que seria tudo se em tudo exercesse o seu despotismo de inspiração asiática.

17 comentários:

  1. Muito bem visto, Sr. Palminha
    A Praça do Giraldo, desde 1974 tem servido para as mais diversas situações de cunho pessoal ou partidário. A poluição constante e oportunista com cartazes ideológico/partidários é provavelmente o ato mais execrável de todos.

    A talho de foice...
    Hoje, 28 de Maio de 2015, havia MILHARES de turistas na Cidade - mais uma herança pesada que esta câmara vê cair-lhe nas mãos. Já houve aqui relatos, de que o sistema de limpeza utilizado para o solo, era SOPRAR pó e lixo para os transeuntes e não ASPIRAR o dito cujo.
    Será assim tão complicado trabalhar para adquirir sistemas (a leasing por exemplo) de limpeza mais modernos e eficientes?

    COM TANTO turista a invadir a cidade (e ainda bem) terá a Câmara e/ou a Proteção Civil, um plano de contingência devidamente aprovado e regularmente testado? DUVIDO...
    É difícil? Não sabem como começar? o que não falta por aí é gente capacitada para tal e com vontade de trabalhar. Haja uma oportunidade.

    ResponderEliminar
  2. Enfia lá uma cassete de liberdade e democracia, pela goela abaixo....

    "...Em São Bento, um jovem deputado comunista entrou no elevador com um velho deputado do PPD. Na conversa, o social-democrata fez uma previsão que o deixou fulo: um dia deixaria o PCP. Não é que acertou?"

    http://observador.pt/2015/05/27/aconteceu-ao-deputado-novo-da-constituinte/

    ResponderEliminar
  3. Esta gente, a começar pelo Sr Palminha da Silva, deviam, antes de falar, recordar-se, informar-se, e fazer um acto de contrição.
    Façam uma visita a Roma ou Veneza, por exemplo, e vejam como é que os turistas são tratados.
    Visitem a Praça de S.Marcos, plena de esplanadas. Vejam a degradação e o lixo em toda a envolvente.
    Vejam como é que as cidades italianas recebem os turistas.
    E fiquem a saber que recebem bem pior do que Évora.

    Entretanto, não aldrabem, não omitam nem desmereçam a obra da CDU, nem apaguem o retrocesso do PS/PSD.
    Sejam justos. Calem as bocarras.
    Dediquem-se ao futebol.
    Dêem voltas ao bilhar grande.
    Vão visitar o museu do "design".
    Cuspam para cima, bem na vertical.
    Vão morrer longe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nivela-se a qualidade pela mediocridade. O menos medíocre é o que ganha. É uma opção de mentalidade.

      De resto...puro veneno Estalinista o seu!

      Eliminar
    2. Faça-nos um favor: defina o que entende por "estalinista"?

      Eliminar
    3. Qual obra qual quê!

      A obra do Partido Comunista, está espelhada nos calços da escadaria que um tonto qualquer se lembrou de colocar do Rossio para o Jardim, numa de facilitar a vida a quem quer vomitar ou urinar com alguma descrição atrás dum tronco de árvore.

      Eliminar
  4. Quem diria que o Giraldo, com carros nos dois sentidos, era melhor do que após a alteração da CDU, só com um sentido?
    Quem diria que a câmara municipal é que tem a obrigação de caiar o património da igreja, nomeadamente Santo Antão?
    Quem diria que o PS acabou com o programa "casa caiada", mas que a CDU é que tem a culpa?
    Quem diria que o PS pendura cartazes eleitorais do tamanho dos prédios, no Giraldo, nas muralhas, na fonte dos Leões, em cima dos principais monumentos, e que a culpa é da CDU?
    Quem diria que o programa PROCOM foi levado a efeito pela CDU, mas que afinal foi um grande prejuízo para o Centro Histórico?

    Quem é afinal o "estalinista", alegado "especialista" em questões patrimoniais, que procura descaradamente caluniar e alterar a HISTÓRIA de Évora?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Partido Comunista é uma vergonha nacional que faz propaganda o ano todo em tudo quanto é buraco! Chama ladrão a
      estes, gatunos aos outros em tudo quanto é candeeiro ou sitio para estendal!
      Deviam ter vergonha disso, como deviam já ter vindo a publico pedir desculpas pelos crimes do Estaline no Império Soviético

      Eliminar
  5. A muito tempo já deviam ter cortado o transito automóvel e de autocarros, utilizando a velha central de camionagem da rua da Republica.
    Estes políticos não tem a mínima capacidade de gerir e qualificar a cidade, tem sido uns oportunistas o longo destes 35 anos, eles engordam a sai e os seus e a cidade fica podre e endividada falida.

    ResponderEliminar
  6. Avida é um néctar que se deve saborear, gota a gota, até à última.
    A porra é quando a senilidade ataca, sem aviso e irreversível.

    ResponderEliminar
  7. 16.52 --- 90 milhões de passivo--- ,sem existir o mínimo desde um parque desportivo de feiras e outros, olhando para toda esta divida só pergunto quando chega prisão para estes responsáveis políticos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até nisso o Partido Comunista foi incompetente. O Parque industrial de Evora, inventado basicamente pelo PCP, nunca poderia comportar investimentos como o da EMBRAER.

      Eliminar
    2. 7:54
      Vê se tratas da azia, porque ela te está a dar a volta ao miolo e te faz escrever essas asneiras.

      Eliminar
  8. Em cada 3 palavras dizes uma asneira, ou mentira, ou ofensa.
    1
    O Parque industral foi construido em boa hora pla Empresa Publica de PI.
    2
    O PI podia comportar qualquer industria desde que fosse ampliado como deve ser, em vez. de ser alienado ao desbarato pelo PS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O parque industrial - a mixordia de parques espalhados pela cidade - foi parido pelo PCP. É provavelmente o projecto mais absurdo inventado por uma câmara municipal no país inteiro

      Eliminar
    2. O partido comunista nunca tem responsabilidade nenhuma quando cheira a esturro.
      Sempre se gabaram das condições que proporcionaram no parrque industrial vomitando quilometros de propaganda pelas caixas de correio das pessoas.
      O parque industrial e os arredores da cidade são o espelho da politica de 20 e tal de comunismo: descaracterização e ilógica. Qualquer camionista que queira fazer uma entrega em Évora, sem GPS perde-se.
      Foi o que a burrice comunista deixou para o futuro e venha quem vier, o mal está feito.

      Eliminar
  9. a propósito de EMBRAER e da CME.

    http://diap-evora.ministeriopublico.pt/destaque/crimes-de-peculato-de-titular-de-cargo-politico-abuso-de-poder-e-violacao-de-normas-de

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.