sábado, 4 de abril de 2015

Silêncio

Joaquim Palminha Silva

«Comunhão

Falo do sacramento do silêncio.
Da muda eucaristia
Da vida,
Quando no mundo não havia ainda
Palavras
E ninguém profanava
A terra que pisava.

- Miguel Torga, in Orfeu Rebelde, 1970.

*
            Não se saberia o ritmo da vida sem o espaço que o silêncio preenche… Não haveria música sem a organização sistemática e imaginativa da pausa…
            Silêncio nas povoações, pelos caminhos, nos campos. Silêncio que é apenas interrompido pelo ruído de cor trigueira da labuta e, passando o tempo desta, lá volta ele, solene e reconfortantes, apenas entrecortado pelo som da Natureza a germinar…
            Entre nós, sociedade humana, há silêncios que descem pelas conversas e, convictos da importância do seu papel proporcionador de reflexão, nos tocam como em instrumentos de corda para nos provocarem harmonias de lógica e razão sempre diferentes…
            Num passado não muito distante, o silêncio ocupava o espaço da vida completando-a. Voava então de dentro de cada um para a circunvizinhança, a matar a sede de meditação à borda de uma decisão, de uma dor, de um breve momento de felicidade. Dizia-se então, «Bom silêncio vale mais que uma pergunta». 
            Em tempos que já lá vão houve silêncios irreverentes, condenados pela moral em nome dos “bons costumes”… Silêncios que golpeavam o meio ambiente com a eloquência de um discurso subversivo. Silêncios que povoaram, no decurso de milénios, o tumulto da vida humana, e que foram companheiros do avisado pensamento revolucionário.
            Houve um tempo em que o mundo (o nosso pequeno mundo) foi uma sinfonia, funcionando o silêncio como indício dos seus andamentos e indicando, como um traço, os tempos propícios para a percussão dos sentidos. O silêncio servia então de encosto ao Homem… E neste sentido, abriu-se-lhe em inúmeras expedições, acompanhando-o pelo mundo e escutando-o, tal a voz de Deus!
            Desde a segunda metade do século XIX que o silêncio, ensurdecido pelo Homem, abandonou o planeta, emigrando para o Cosmos…
            As arrojadas concepções da vida moderna, a repartição do tempo através de várias espécies de ruídos, cuja suposta finalidade seria possibilitar maior qualidade de bem-estar, progredindo e diversificando-se foram, assim, colonizando os espaços livres para a existência do silêncio. Aos poucos, o silêncio, como um novo e desconhecido continente, viu invadido e explorado o seu território por bárbaros pioneiros sem escrúpulos. Paulatinamente, o silêncio foi sendo empurrado para “reservas” cada vez mais cercadas e limitadas, como se fosse periclitante tribo de índios navajos, em nome das carências de espaço para expansão da soberba “civilização material”: - Com a brutalidade do colonizador “armado até aos dentes”, o cruel despotismo do ruído foi ocupando território, expulsando o manso silêncio, espadanado pelos rodízios metálicos do “progresso”…
            Entretanto, o Homem passou a considerar o silêncio retrógrado e a sua “arcaica” bondade, a sua fala providencial, as suas maneiras de patriarca denso e lento no passar do tempo, algo de obsoleto, museológico. O destronar do silêncio foi tal e tanto que o Homem já só concebe o acasalamento da sua vida com o “bem-estar” material e espiritual através do brocar ininterrupto de milhares de formas de ruído.
            Além dos favores do Estado, o ruído “democratizou-se” como se fosse uma lógica de convívio, um estímulo para trocar o silêncio pela sociabilidade, atingindo assim, recuperado e travestido pelo consumismo, o “self-service” dos barulhos! 
            O mundo crepita e estala, assobia e explode, bufa e range com fragor, impaciente por descarregar, além de todas as estereofonias, os sons especiais da “idade electrónica”. Enfim, o silêncio passou a ser visto como prejudicial para o desenvolvimento da personalidade… Na realidade, o Homem levou séculos e séculos a desembaraçar-se do silêncio, recorreu mesmo à guerra para produzir bombásticos barulhos: - E conseguiu afastar o silêncio da “civilização”!
            Pobre silêncio! Nem no imenso Saara, seu derradeiro refúgio no planeta, se consegue proteger, perseguido pelos ruídos das provas “milionárias” do desporto motorizado…
            Os mais lúcidos dos finais do século XX e princípio do XXI protestam. Recorre-se à maça da Lei. – Decretam-se sancções contra a «poluição sonora»!...
            Demasiado tarde… A voz do grande espírito não volta por decreto! – O Homem foi-se despojando do silêncio e, assim, perdeu a capacidade para escutar a voz da sua consciência…
            Se falasse, o silêncio diria: - «Não tenho pena nenhuma do Homem, pois além de ignorante é soberbo. Procurou humilhar-me e ofendeu-me na minha dignidade, sem eu lhe ter feito mal. Chamou-me parvo e retrógrado… Parvo e energúmeno é ele que não soube o que fez!».

            Capturado por fragores violentos, prisioneiro do ruído, completamente alienado, o Homem treme a todo o instante, se por acaso um pedaço de silêncio, pairando na atmosfera, tomba de mansinho sobre a sua cabeça, para o acariciar: - O Homem passou a ter medo dos «anjos»!

34 comentários:

  1. O do silêncio já está! Muito bonito! Será que o próximo poderá ser sobre as borboletinhas? (Do século XIX, claro!)

    ResponderEliminar
  2. si·lên·ci·o
    (latim silentium, -ii)
    substantivo masculino
    1. Estado de quem se abstém ou pára de falar.
    2. Cessação de som ou ruído.
    3. Interrupção de correspondência ou de comunicação.
    4. Omissão de uma explicação.
    5. Sossego, quietude, calma.
    6. Segredo, sigilo.
    7. Toque nos quartéis e conventos, depois do recolher.
    interjeição
    8. Expressão usada para impedir de falar ou pedir que alguém se cale. = CALUDA

    ResponderEliminar
  3. Gosto do texto e da questão levantada pelo JPS.
    Na verdade o silêncio absoluto não existe.
    Há o "silêncio" da natureza, feito com a música do mar, do vento, dos pássaros, da respiração, do bater do coração, ruídos naturais que nos habituámos a apreciar e que desqualificámos como "ruído ambiente"; e há o ruído inútil e agressivo da humanidade, que, sem respeito pelo indivíduo, nos invade os ouvidos e o cérebro, e que temos que aturar.
    Portanto a questão não é tanto o silêncio, mas a qualidade do ruído.

    É um clamor de agressões auditivas, visuais, e falácias, com que a sociedade de consumo nos martela os sentidos e o cérebro, que nos impõe conceitos aberrantes, e que, a par e passo, vamos atirando para o lixo.

    Ainda não há muito tempo, o silencio era quebrado pelo cantar do galo, ou o zurrar do burro, a horas certas.
    Agora temos que nos contentar com os asnos ignorantes que a qualquer hora, e com as orelhas espetadas, zurram e escoiceiam nas caixas de comentários.

    ResponderEliminar
  4. Não há que preocupar! Silêncio garantido é o da tumba!

    ResponderEliminar
  5. Cada um bota a sua posta de pescada, a sua parolice, a sua totozice. Povo de borregos e de submissos odeiam quem pensa, quem lê, a ignorância gosta de se sentir acompanhada por muitos. a Maioria odeia o que JPS escreve porque não entendem e então escarnecem. Este povo está muito próximo dos povos do norte de África, não lê adora mandar bocas, adora o exercício físico abomina o mental

    ResponderEliminar
  6. Se a policia judiciaria um dia desse volta aos sindicatos comunistas ui ui ui teria de prender muito "defensor" dos trabalhadores. Aquilo é tudo feito e cozinhado á porta fechada sem nenhum tipo de fiscalizacao idonea. Porque existe um conselho fiscalizador nos sindicatos em que o pcp é que diz quem sao os seus elementos. Por isso eles fazem todas as trafulhices que querem e ainda lhes sobra tempo. Mas em nome da "liberdade sindical" sao intocaveis . Ate quando ?

    ResponderEliminar
  7. Será quer desta vez o Manoelinho do BLOG MaisÉvora, PIDESCAMENTE o meu comentário?

    "...ESTE é de todos, mesmo os do PCP, de LONGE o pior elenco Camarário de sempre.

    Nem as arcadas estão a ser reparadas, nem os buracos das vias tapados, as ruas têm mais poia de mulas e burros do que nunca e nem um posto de trabalho conseguem criar para a cidade.

    Sob o ponto de vista da produtividade do trabalho, é de todos os elencos passados, o mais miserável..."

    ResponderEliminar
  8. Quando deixará o venerável autor de acrescentar posts laudatórios aos artiguinhos que escreve? Topam-se!
    Sabe porquê Sr. autor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando é que aprendes que há quem goste dos textos do JPS?
      Quando é que ganhas consciência das tuas limitações?
      Quando é que deixas de agredir e vomitar nas caixas de comentários?
      Quando é que tratas da tua paranóia?

      Eliminar
    2. Aí está ele em versão anónima!

      Eliminar
  9. joaquim palminha silva05 abril, 2015 11:40

    É preciso ser mesmo muito limitado intelectual e eticamente para imaginar que eu, que me identifico sobremaneira, preciso de escrever notas elogiosas a mim próprio... A paciência tem limites, e este tipo de cobardes comentários anónimos, não consigo aturar por muito tempo mais... De resto, não são sequer crítica ao texto, destilam apenas um ódio primário, tradicionalmente característico da ignorância! Enfim, desmentem um pouco o cuidado que os administradores do "blogue" dizem a ter com os comentários... Embora não directamente insultuoso é completamente inútil, e ofende a dignidade de quem escreve!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixem o homem escrever. Que mal tem? Eu ate nao costumo ler, mad js li alguns por alto e acho interessante e didactico. Talvez venha aqui dizer alguma asneira...mas faz-me lembrar o Tulio Espanca. Embora, e nao estou a tirar merito ao JPS, penso que o Tulio Espanca estava uns degraus acima. Mas olhem o homem nao prejudica ninguem. Muito pior sao os comunas ( que nao gostam dele ) virem para as caixas de comentarios pregar a doutrina deles. Isso sim, é muito prejudicial a quem lê.

      Eliminar
  10. À atenção do Comissário da Policia de Évora, Câmara Municipal de Évora e Presidente da Região de Turismo do Alentejo.

    Estamos a entrar na época nobre do turismo na nossa cidade, infelizmente a nossa sala de visitas a Praça do Giraldo tem um presença assídua, um colosso doente mental que ofende quem passa e se o turista não o conhece e tem a pouca sorte de o olhar nos olhos é certo que é sovado.
    Ainda hoje á tarde ás 17.30 sovou um jovem em plena praça do giraldo e perante a intervenção duma turista inglesa na altura sentada na esplanada, por bem pouco não a sovou também.
    Chega a polícia, mas o energúmeno que se faz transportar de bicicleta a pedais já tinha-se posto a recato. Sei que não sendo em flagrante a polícia não pode atuar, aliás já presenciei este mastodonte ofender a entidade policial, só porque lhe chamou á atenção para a dita bicicleta estacionada na arcada, não respeita nada nem ninguém. Queremos cativar turistas para nos visitar, mas tenho certeza de quem presencia cenas chocantes com esta dificilmente cá volta.Urge resolver esta situação, quem não respeita minimamente as leis onde vive tem que ser reeducado, há instituições para isso

    ResponderEliminar
  11. Estive a assistir uma reportagem antiga da RTP. Imaginem...o Salazar a falar sobre o comunismo. Ele dizia que os comunistas eram contra a nacao portuguesa e como tal nao eram patriotas.Isto passou-se hà mais de quarenta anos.Actualmente, passados quarenta anos de democracia,jà tenho uma opiniao formada sobre os comunistas, e nunca me passou pela cabeça concordar com o Salazar...mas não é que o homem tinha razão? E foi preciso quarenta anos para dar razão ao Salazar. Definitivamente, o PCP tem de mudar de atitude ou então, simplesmente...deixar-se desaparecer.Um partido velho, jà com provas dadas de que nunca chegarà a ser governo,com uma doutrina mais parecida com o nazismo, não devia sequer de fazer parte de um sistema politico democràtico.A questão é : como foi possivél um partido desta natureza, chegar até aos dias de hoje? Manoelhinho apaga isto depressa senão o PCP saneia-te do mais évora, e pôe outro no teu lugar.Olha vou publicar também no acincotons eheh. Agora tens um problema...pois aí nao podes apagar. Temos pena. É a vida...

    ResponderEliminar
  12. Esta é para o nélinho do mais evora: ( que a gente sabe que vens espreitar o acincotons )
    Nelinho, gostavas de saber o que pensam de ti as pessoas que escrevem no teu blogue e tu apagas os comentarios, e fazes censura como no tempo do fascismo. Entao estàs no sitio certo. Aqui em principio, nao apagam as pessoas com um apagador. Pode ser que ao vires aqui aprendas alguma coisa e transmitas ao teu partido,ok ?

    ResponderEliminar
  13. Então se o nelinho vem aqui ler deve ser para fazer o seu papel, que quanto a mim, tem de receber a merecida medalha de melhor espião ao serviço do pcp.
    Só é de lamentar que ele ainda està no 24 de Abril. Não se apercebeu que vivemos num paìs democràtico, em que podemos exprimir o nosso descontentamento em relação ao partido dele por exemplo...mas nem ele nem o partido dele parecem ter passado da revolução de outubro da russia, quanto mais o 25 de Abril... Nelinho o vosso tempo jà passou hà mais de CEM ANOS ! Não chega jà ?

    ResponderEliminar
  14. Não é uma critica ao Carlos Júlio até porque todos nós sabemos que ele não tem vida para fazer disto profissão, mas precisamos aqui em Évora de um BLOG SÉRIO - não que o acinco tons não o seja - HONESTO e que tenha uma "gestão" mais ou menos frequente, onde possamos debater os aspetos da cidade de uma forma aberta, democrática, com nível elevado e sem ofensas pessoais.

    O único BLOG que tem uma gestão "profissional" e diária - embora covardemente clandestino e anónimo - é gerido provavelmente por funcionários do partido comunista. As noticias são sempre facciosas, tendenciosas além de cortarem Sistemática e Estalinisticamente falando, as opiniões que não lhes interessam. Eles não querem debate. Querem propaganda. Ora aquilo ali é tudo menos uma coisa séria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 22.14
      Concordo consigo. E como tal proponho que escrevamos no acincotons e nao no mais évora. Porque haveremos de estar a alimentar a maquina do PC, porque é disso que se trata o mais évora. Eles querem fazer propaganda...entao que a façam sózinhos. Se ninguém lhes passar cartao, eles ficam a falar com as paredes. E a falta de respeito pela opiniao dad pessoas ao pura e simplesmente apaga- las, não merece senao o nosso mais puro e simples desprezo. Convido todos o que se revoltam com a censura e se considerem homens e mulheres livres que adiram a este boicoite. Repassem esta idéia. Viva a liberdade de expressão !

      Eliminar
    2. Os idiotas, de modo geral, não fazem um mal por aí além, mas, se detêm poder e chegam a ser felizes em demasia podem tornar-se perigosos.
      É que um idiota, ainda por cima feliz, ainda por cima com poder, é, quase sempre, um perigo.
      Oremos. Oremos para que o idiota só muito raramente se sinta feliz.
      Também, coitado, há-de ter, volta e meia, que sentir-se qualquer coisa.


      Alexandre O'Neill, Uma coisa em forma de assim

      Eliminar
    3. VIVA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO e o RESPEITO PELAS OPINIÕES ALHEIAS!
      A começar no respeito pelos artigos do J. Palminha que não tem culpa nenhuma nem merece as indigestões e vómitos de certos 'comentadores'.

      Eliminar
    4. Viva a liberdade de Expressão mas Évora merecia muito mais. Merecíamos UM ESPAÇO apartidário onde pudéssemos propor ideias, criticar o que é criticável, etc.
      Só assim de constrói

      Eliminar
  15. Estive no youtube a ouvir o grande camarada Olavo de Carvalho do Brasil. E gostei muito do que o homem disse. Aconselho vivamente.

    ResponderEliminar
  16. Esta Câmara? Um primeiro mandato para esquecer. Nem o 1º mandato da Câmara PS foi tão mau como este do PCP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ideias velhas.
      Mesmo os Novos, são velhos e cassetes de um comité qualquer. A única coisa diferente que vieram fazer foi calar as clientelas do Teatro que neste momento é subsidiado integralmente. Não fosse alguma coisa já começada como fábricas, hotéis, parque de tecnologia que os outros tinham começado, e esta terra era deserto e tristeza. Nem uma porra de uma ideia para dinamizar o comércio. Nada. Mau demais. Até a produtividade e o laxismo parece que são mais miseráveis que nunca.

      Eliminar
  17. Ou muito me engano ou isto está a ser tomado por funcionários partidários às ordens. De várias cores e mezinhas, de pró e contra, mas funcionários! Acham que podem influenciar alguém chamando nomes feios uns aos outros, coitados!
    Amigos, não se cansem, tudo isso está visto e esse palavreado está muito usado e ferrugento, ninguém liga! Mas se querem fazer de tontos é lá convosco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 16.34
      A mim nao enganas tu cpm essa de estar a ser tomado por funcionarios de partidarios... Pensas que estàs no mais evora? Oh manuelinho, tens de ser um pouco mais inteligente. Entao vens aqui postar vàrios comentarios para pensarmos que tu...são muitos ? Tu nao consegues evitar que as pessoas escrevam aqui, e vens minar o terreno para ver se pega. Deves pensar que estàs a lidar com rapazes. Olha manuelinhp aqui dizemos o que nos vai na alma. E nao és tu que decides nada. Aqui nao pintas nada. Aqui é o Carlos Júlio que decide as coisas. Volta là para o teu blog là do teu partido que aqui nao te safas. Vens tambem sugerir que precisamos de um blog em évora apartidario. Tu dizeres ima coisa dessas! Logo tu ! Um blogue desses livre jà temos! É este ! Adeus manoelhinho.

      Eliminar
  18. Pela falta de nível de alguns dos comentários, percebo melhor as razões da câmara ter chegado ao estado de falência a que chegou.

    ResponderEliminar
  19. Há por aqui uma mistura de ressabiamento e desespero que até enjoa.
    Sinto pena pelo Palminha, que não lhes fez mal nenhum, nem merecia este tratamento.

    ResponderEliminar
  20. As bestas mudaram-se para o cincotons.
    Está na altura das pessoas mudarem para o maisevora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 19.21
      As pessoas mudam-se para onde podem escrever sem serem apagadas miseravelmente. No mais évora nem vale a pena là ir , quanto mais escrever.Aquilo é o mesmo que chegar ali ao 97 da rua de Aviz, subir as escadas,e dizer -lhes ao ouvido. O mais évora é a voz e o ouvido do PCP. Uma vergonha descarada. Parecem espioes em forma de blog. Por isso jà toda a gente os chama de pides. Tenham vergonha na cara que isso é demais e só lhes fica mal. Mas voces é que sabem...

      Eliminar
  21. Desculpa Carlos Júlio,
    O que se passa é que não há um espaço - BLOG - onde se possa "discutir" Évora Cidade, a sua organização Autárquica, as suas políticas. Tudo o que existe é a mando do partido que está no poder da câmara. Os outros partidos, como não são organizados nesta matéria - e mesmo que o fossem criticavam sob o seu próprio prisma - não existe nenhum espaço onde se possa discutir Évora Cidade e sobretudo o que está a ser feito pelo poder e as suas consequências.

    A malta vive oprimida e sem saber a quem se dirigir para desabafar, daí alguns comentários não terem nada a ver com os "Posts"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque não crias tu próprio um blogue para escreves por lá os teus desabafos?
      É assim tão difícil, ou achas melhor andar a conspurcar ou a desrespeitar outros, com comentários a despropósito?

      Eliminar
    2. 21.19
      As pessoas comecam a se sentir enganadas com esta camara que prometeu mudar tamta coisa e levou o tempo todo a difamar a outra camara antetrior, e afinal nada fazem e estao muito caladinhos a gozar o poder e os belos tachos que arranjaram uns aos outros. É por isso que existe tanta revolta nos comentarios.

      Eliminar
    3. 21.19 olà manoelhinho. Bela tentativa eheh mas fostes topado ( mais uma vez)

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.