terça-feira, 21 de abril de 2015

Pergunta de algibeira (tipo 'onde está o wally?'): qual vai ser a decisão da CME? Venda ou não dos terrenos? Aceitam-se apostas!




Empreendimento Comercial na Porta de Aviz: Câmara reúne com população

A Câmara Municipal de Évora promoveu esta segunda-feira à noite, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, mais uma audição sobre a intenção de um empreendimento comercial na zona da Porta de Aviz, desta vez com a população, na sua grande maioria residentes na zona
Cerca de cinco dezenas de pessoas marcaram presença e manifestaram apreensões e concordâncias.
Durante a sua intervenção, o Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, fez uma breve explicação sobre o que estava em causa, referindo-se especificamente à parcela de terreno cuja propriedade pertence à edilidade e que a câmara terá de decidir se vende ao promotor, viabilizando ou não, a edificação neste local.
O autarca referiu, no entanto, que caso a “Câmara decida pela não venda, tal não inviabiliza a possibilidade do promotor concretizar o projeto noutro terreno”. A vantagem, esclarece o autarca, prende-se com o facto de “se vendermos poderemos impor algumas condições no caderno de encargos e a cidade tirará mais dividendos, se a decisão for no sentido contrário a câmara perde a pouca capacidade de intervenção que já tem nesta matéria”.
A decisão a tomar pela Câmara deverá ser anunciada no final do mês de Abril. (nota de imprensa da CMÉvora)

11 comentários:

  1. Parecia um comentário à situação em Évora, mas afinal era sobre Oeiras este desabafo de um cidadão no facebook esta manhã:
    "Ontem fui a uma Assembleia aberta com o Presidente da Câmara de Oeiras para falar sobre o projecto da construção de várias torres de 19 andares ali junto ao rio na estação da Cruz-quebrada. Custa ver tanta demagogia, tanta hipocrisia e tanta mentira. Porque nestas coisas o promotor, o homem do dinheiro, o que quer construir os projectos nunca está presente e acaba sempre representado pela Câmara?

    ResponderEliminar
  2. O que o presidente Pinto quer dizer é: "Estamos tesos, queremos dinheiro. Dava-nos jeito o dinheiro dos terrenos e das licenças de construção. Centro Histórico? O que é isso?". Já se abotoaram com a grossa maquia do Vila Galé e agora quanto mais construção houver, mesmo que de monstros e de coisas que nunca se irão construir, o que querem é o pilim. Em tão pouco tempo ficaram tão iguais ao Ernesto de Oliveira que até parece mentira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi o Ernesto de Oliveira que colocou aqueles terrenos no Plano de urbanização para construir um Centro Comercial. O será que estou enganado?

      Eliminar
  3. É mesmo por isso que estão tão iguais. E só passou ano e meio que o presidente Pinto está na Câmara.

    ResponderEliminar
  4. Mas afinal quem é o promotor que alegadamente está a pressionar esta questão?

    "Há muito que sou contra os Centros Comerciais
    - se forem meras empresas de especulação e construção imobiliária;
    - se não tiverem sustentação económica, nem procura, nem consumidores suficientes;
    - se não tiverem um estudo do mercado, credível;
    - se constituírem concorrência ao "centro comercial" - centro histórico;
    - por isso mesmo sou contra tais empreendimentos, desde que a SRU do PS, testa de ferro do imobiliário, nos quis impingir tal ideia, disfarçado de "plano de salvaguarda do centro histórico".

    Lamento não poder ir a estas reuniões.
    Penso que a câmara, não querendo ficar com o ónus de dizer liminarmente não, preferiu colocar a questão à discussão das forças vivas e da cidade, o que me parece muitíssimo correcto.

    Penso que a câmara não precisa fazer visitas de estudo aos maus exemplos das outras cidades.
    Basta apreciar o trabalho do PS em Évora nos últimos 15 anos.
    Basta os comentadores menos informados olharem à volta e ver os escritos nas janelas do centro histórico e nas próprias lojas dos centros comerciais."

    ResponderEliminar
  5. Porque é que esse ou esses alegados promotores não adquirem e revitalizam o centro comercial no parque industrial, que já está meio construído e onde a câmara já investiu nas infra estruturas?

    ResponderEliminar
  6. Esta hora já os tipos trabalham no valor que a CME pediu e elaboram os documentos de venda e andam aqui a cantar o Galo !

    Jorge

    (ciclista )

    ResponderEliminar
  7. Mas o investidor tem nome?

    ResponderEliminar
  8. Anonimo das 19:16
    O caso aqui é que caso não saibam alguns dos promotores são proprietários de terrenos naquele local pois para bom entendedor meia palavra basta:
    Há diheirinho dos fundos e ao mesmo tempo vendem os seus terrenos por valores astronómicos.

    ResponderEliminar
  9. È o belmiro de Azevedo esse timoneiro

    ResponderEliminar
  10. A câmara quer é descartar-se para um dia poder dizer, que "fizemos umas reuniões à população e fixou decidido entre todos que..."

    Nem o pai morre e nem agente almoço.
    Há um empreendimento já começado no parque industrial e a Câmara do PCP não está nem aí para informar decentemente os habitantes o porquê daquilo estar encerrado, quem são atualmente os donos, que pretendem fazer no futuro, etc.

    O PCP já nos habituou a não saber trabalhar quando a vaca do erário público deixa de pingar leite, por isso, outras questões tecnicamente complexas que vão além de entornar dinheiro dos meus impostos no teatro e outra iniciativas para intelectuais de esquerda, o PCP é uma coisa sem muita utilidade para os tempos que correm.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.