terça-feira, 21 de abril de 2015

O Centro Comercial junto às Portas de Avis


Os Centros Comerciais para mim são um "Não Lugar". Não sou fã de cidades perfeitas, com temperatura perfeita, pavimento perfeito, estacionamento perfeito, com todas as lojas iguais umas às outras e onde se cruzam milhares de seres embonecados que participam na feira das vaidades, como se as suas vidas fossem também elas perfeitas! Não sendo por isso adepta de Centros comerciais (admito já que também já entrei em meia dúzia) pareceu-me que deveria assistir às reuniões à volta da construção do Centro Comercial às Portas de Avis. Estava quase certa da minha oposição a esta construção, mas pelo sim pelo não fui escutar o que tinham a dizer os autarcas, os comerciantes e os cidadãos desta cidade. Poderia ser que alguém me desse um argumento que fizesse mudar a minha opinião. 3 reuniões depois continuo a pensar o mesmo. Évora, não vai conseguir sobreviver a um Centro comercial às portas da cidade. Porque essa coisa de me dizerem que se irão fazer ligações entre o centro comercial e o centro histórico e com isso o dinamizar, não cola. Quem vai ao Centro Comercial vai passear, esgota ali as horas de passeio e terminada a visita pega no carro e vai embora, não vai depois à Praça do Giraldo. Esqueçam lá isso! Mas também, não pega a questão dos empregos que vai trazer para o concelho, também este argumento cai por terra, os centros comerciais tem emprego precário, com contratos mínimos e rodam as pessoas como se fosse um rodízio, sem horários, sem horas extras, sem direitos. Um tipo de emprego que não posso defender! A questão das lojas ancora, razão apontada por muitos para a construção do Centro Comercial, sendo a que melhor se aguenta, só o faz se der lucro. Para estas grandes cadeias o dinheiro é que manda, se um semestre for mau, fazem as malas e rumam para outro lado. Não tem ligações afectivas, nem se importam de deixar elefantes brancos para trás! Por isso também esta cai por terra! Por fim, a questão dos eborenses, esses que se existisse um referendo sobre o tema iriam em grande numero votar no Centro Comercial, por acharem que precisam dele para as suas compras, depois de construído continuariam a ir ao Montijo e a Almada, arranjando uma outra desculpa para não o fazerem na cidade, é uma questão cultural já velha e que dificilmente se resolve. É uma espécie de síndroma que afecta esta cidade em quase todas as áreas, bom mesmo é o que existe nas terras lá perto de Lisboa ou mesmo na capital. Por tudo isto e umas coisas mais, que deixarei para uma próxima altura, continuo convencida que um Centro Comercial, às portas de Avis, na Zona Industrial ou em qualquer outro lugar desta cidade é um erro grave, que nos sairá muito caro um dia mais tarde. O que posso fazer contra isso? Nada, mas aqui fica o registo de que não concordo! Só para terminar...nesta altura por toda a Europa se estão a fechar os Centros Comerciais e as lojas, as ancora e as outras, estão a regressar aos Centros das Cidades, talvez seja bom pensar um pouco nisto e deixar de pensar que o Centro Comercial é uma inevitabilidade, se calhar não é!

Lurdes Nobre (aqui)

19 comentários:

  1. joaquim palminha silva21 abril, 2015 11:16

    Comentário cheio de razão, o de Lurdes Nobre! De facto... Se os "clarividentes" autarcas têm dúvidas, façam uma visita guiada, com cicerone e tudo, a cidade de Almada, de forma a verificarem como um centro comercial pode matar" o comércio tradicional, de proximidade, numa cidade, e com essa liquidação proporcionar a desertificação da cidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muito que sou contra os Centros Comerciais
      - se forem meras empresas de especulação e construção imobiliária;
      - se não tiverem sustentação económica, nem procura, nem consumidores suficientes;
      - se não tiverem um estudo do mercado, credível;
      - se constituírem concorrência ao "centro comercial" - centro histórico;
      - por isso mesmo sou contra tais empreendimentos, desde que a SRU do PS, testa de ferro do imobiliário, nos quis impingir tal ideia, disfarçado de "plano de salvaguarda do centro histórico".

      Lamento não poder ir a estas reuniões.
      Penso que a câmara, não querendo ficar com o ónus de dizer liminarmente não, preferiu colocar a questão à discussão das forças vivas e da cidade, o que me parece muitíssimo correcto.

      Penso que a câmara não precisa fazer visitas de estudo aos maus exemplos das outras cidades.
      Basta apreciar o trabalho do PS em Évora nos últimos 15 anos.
      Basta os comentadores menos informados olharem à volta e ver os escritos nas janelas do centro histórico e nas próprias lojas dos centros comerciais.

      Eliminar
  2. Diretora de lar da Misericórdia em Reguengos de Monsaraz foi suspensa

    Os menores vítimas de maus-tratos no Lar Infantil de Nossa Senhora de Fátima, da Santa Casa da Misericórdia de Reguengos de Monsaraz, foram ouvidos por uma equipa de seis procuradores do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora no âmbito deste caso. Fonte ligada ao processo disse ao CM que foram ouvidos quase todos os jovens e crianças do lar residencial.

    A diretora técnica do lar, a psicóloga Vânia Pereira, de 34 anos, está indiciada por maus-tratos e, pelo menos, por um crime de abuso sexual de menor. Ao que apurou o CM, a responsável está também a ser investigada por alegadas irregularidades nas contas da instituição. Mas é no campo dos maus-tratos que recai a maior parte das diligências dos investigadores, sobretudo relacionadas com os castigos aplicados aos menores institucionalizados.
    Vânia Pereira foi detida na passada terça-feira, em Évora, e no mesmo dia foram feitas várias buscas, quer à residência da arguida, quer às instalações da Misericórdia, onde trabalhava desde 2008. Foi recolhida vária documentação e material informático, considerado relevante.

    A psicóloga era também a representante da Santa Casa na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Reguengos de Monsaraz, na qual já está a ser preparada a sua substituição. Ficou suspensa de todas as funções e impedida de contactar com os menores do lar. Além da direção técnica, Vânia Pereira exercia também psicologia em algumas clínicas privadas no Alentejo e em Lisboa e chegou a dar aulas na Universidade de Évora.
    No lar de Nossa Senhora de Fátima há agora um pacto de silêncio sobre o caso. Ninguém semostra disponível para comentar. As janelas do edifício, que costumavam estar abertas, estão agora encerradas e com as cortinas corridas.

    ResponderEliminar
  3. O que é que este último comentário tem a ver com o assunto do centro comercial? Porque é que não se dedica a ir fazer comentários no Correio da Manhã? Há com cada imbecil.

    ResponderEliminar
  4. Pois mas a Câmara está falida quer é dinheiro, mesmo que mata o comércio tradicional está-se nas tintas

    ResponderEliminar
  5. Assim sendo: Tchau.

    Vou ali ás compras a Badajoz e ainda almoço um bom Pata Negra com um tinto muito parecido ao alentejano.
    E quando estiver chateado, vou até ao Fórum Almada e de certeza que vejo um bom filme em estreia mundial no cinema. Aproveito e ponho em dia a minha compra de livros e música ou tecnologias na FNAC.

    Já agora...com o nível de atrativos que tenho na Praça do Giraldo e nas Arcadas, vou fazer o que habitualmente faço: é ir até ao CH, 2 vezes por mês: uma para cortar o cabelo e outra para ver se alguma coisa entretanto mudou desde a ultima vez que passeei por ali

    ResponderEliminar
  6. Então...ponham um centro comercial com cinemas - falei de cinema NÃO INTELECTUAL DE ESQUERDA - no centro histórico...

    ResponderEliminar
  7. Se calhar o centro comercial por si não faz falta, mas arranjem maneira de termos umas salas de cinema! Ir daqui ao Montijo para ver um filme fica caro, muito caro!

    ResponderEliminar
  8. Oh pá , cuidado que ela não tem cara de abusadora ... eu , se ela deixar é que abuso dela !

    Hoje em Portugal vale tudo para espatifar uma pessoa , desde espremer as mamas para ver se sai leite ou vinho , a pregar petas !

    Vai lá ver :

    https://plus.google.com/+V%C3%A2niaPereira007/photos


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  9. Que um Centro Comercial pode matar o comércio tradicional, não há dúvidas nenhumas. Basta olhar para algumas cidades e os efeitos que os CC tiveram.
    Mas também há alguns exemplos (ainda que poucos!) de CC que ajudaram a dinamizar o comércio tradicional. O caso de Aveiro é paradigmático.

    Mas a questão que não vejo ninguém falar é como será possível a uma autarquia travar a construção de Centros Comerciais que matam o comércio tradicional.
    - Desde logo porque a decisão de autorizar a abertura de um estabelecimento deste tipo é nacional/regional e não local.
    - Em segundo lugar por que já há um CC em construção, num dos piores sítios possíveis para o comércio tradicional, a zona industrial (e relativamente a este não recordo que tenha havido grandes manifestações de oposição...).
    - Em terceiro lugar, porque o Plano de Urbanização, em vigor, prevê locais onde é possível a construção de CC. Como julgo ser a zona da Porta de Aviz.
    - Em quarto lugar, porque mesmo que uma autarquia pudesse opor-se à construção de um CC, qualquer investidor poderá optar por um concelho vizinho, o que não deixa de ser lesivo para o comércio tradicional do concelho que se opôs ao CC (esta não é um mera questão retórica, havendo vários casos concretos onde os investidores exerceram chantagem entre construir num ou noutro concelho vizinho...)

    Assim sendo o que fazer, para além de piedosas e inofensivas declarações?...

    ResponderEliminar
  10. A senhora abusadora é de Évora o pai tem uma farmácia e o marido uma clínica de acústica medica,o silencio de todas as forças tem sido enorme para se fazer silencio,mas não adianta pois na praça publica é só o que se houve.

    ResponderEliminar
  11. "Matar o comercio tradicial" - o Bicho papão!!!! MAs qual comércio tradicional??? A quantidade gigantesca de lojas dos chineses que têm aberto tudo o que é canto no CH? O comércio de "souvenir"??? AH sim, porque as pessoas passariam a comprar iso no forúm. Matar que comércio? O Cunha e a Paloran? Matar a mercearia de esquia?? Sim porque, qualquer continente não oferece já grande oferta a isso. Epa não me venham com essa de Matar o Centro Histórico. Quem vai a um forum na zona industrial ou nas Portas de Aviz, apenas vão vir ao centro historico uma vez na vida. Em tanto visto tá visto, seja o Forum perto ou longe do centro historico. Eu sou um grande defensor de um centro historico com vida e era assim que o queria ver nesta minha cidade. Agora, não vai ser um forum que vai matar o centro histórico. Ele já está morto e ainda não ha forum nenhum...

    ResponderEliminar
  12. Que venha já o Centro Comercial, e já vem tarde.

    ResponderEliminar
  13. Modernizem-se, p*rr* ! Centro comercial já. Viva o movimento, a cor, a luz, a diferença, o bom ar, tudo o que as rançosas lojas da cidade não têm. Na sua maior parte não dão emprego a ninguém, vão-se governando com os donos, já reformados, que tentam, ou tentavam, vender o ''trespasse'' e encher-se de massa. Isso acabou. Já não há. Portanto, viva o centro comercial, a fast food, a street food, com licenciados ao balcão, isso tudo, numa grande festa da cidade renovada. Quem consegue parar a marcha do progresso? 'bora lá com o centro, força !!

    ResponderEliminar
  14. O cinema quando chega? Isso é que me importa!

    ResponderEliminar
  15. O cinema foi anunciado há 3 ou 4 anos, mas deve vir a pé.
    Qualquer dia chega...

    ResponderEliminar
  16. Cinema, Queremos Cinema de Massas.

    ResponderEliminar
  17. Eu estou farto de me deslocar a Lisboa ou Badajoz, para fazer compras ou para ir ao cinema, e gostava de ter aqui em Évora todas essas lojas mais populares e internacionais típicas dos centros comerciais, e também salas de cinema.
    Por isso sou a favor de um centro comercial em Évora.
    E também acho que um centro comercial e muito melhor do que andar de uma lado para o outro de loja em loja pela cidade toda.

    Eis alguns beneficiários de um centro comercial:
    - Com um centro comercial não precisamos de andar na cidade de loja em loja no verão à tarde com mais de 40ºC, ou no inverno simplesmente não poder ir ás compras por estar a chover.
    - Com um centro comercial também não precisamos de andar ás voltas de carro na cidade de loja em loja, e a gastar combustível, porque umas lojas estão no centro da cidade, outras na zona industrial, outras nos arredores da cidade, etc...
    - Com um centro comercial, por exemplo, se quiser comprar umas calças e uma camisa, posso passar em pouco tempo por todas as lojas de roupa só para ver o que têm, e no final vou comprar onde me agradou mais as calças e a camisa.
    - Com um centro comercial poupamos muito mais tempo, pois as lojas estão todas juntas e depois repartidas por zonas (roupa, calçado, alimentação, tecnologia, etc...)

    Évora já tem espalhadas por toda a cidade muitas lojas típicas dos centros comerciais, mas ainda faltam muitas lojas populares, tais como:
    - Zara (adultos)
    - Springfield
    - Breska
    - C&A
    - H&M
    - Stradivarius
    - Fnac... etc...
    (e depois também algumas lojas de marcas mais caras)
    E por fim também a falta de cinema, que é uma vergonha não haver numa cidade deste tamanho.

    Também acho que um centro comercial trás sempre mais emprego para a cidade, seja ele muito ou pouco, desde que dê mais algum emprego é sempre bom e melhor.
    E também vai trazer mais pessoas de todo o Alentejo para a cidade de Évora, porque Portalegre e Beja também não têm um centro comercial, o que vai fazer com que um centro comercial em Évora seja o mais próximo, e se virmos bem é muita gente e muitos concelhos de 3 distritos (Évora, Beja, e Portalegre).

    Alguns concelhos que ficam com o centro comercial de Évora mais próximo deles:
    - Évora
    - Beja
    - Arraiolos
    - Montemor-o-Novo
    - Viana do Alentejo
    - Portel
    - Reguengos de Monsaraz
    - Redondo
    - Moura
    - Vidigueira
    - Serpa
    - Cuba
    - Alvito
    - Sousel
    - Avis
    - Mora
    - Barrancos, etc...
    São mesmo muitas vilas e muita gente, porque depois dentro destes concelhos ainda há mais uma série de vilas, acho que toda a cidade de Évora em si de um modo geral, vai ficar a beneficiar, incluindo o centro histórico também.

    Por isso tudo, venha lá o centro comercial, seja ele onde for, faz muita falta, estamos fartos de esperar por ele, e Évora à muito que o merece, pois é uma vergonha uma cidade deste tamanho ainda não ter um centro comercial.

    ResponderEliminar
  18. évora ainda não tem um centro comercial porque a câmara municipal é comunista, senão já o tinha à muito tempo
    e bem como o centro comercial há outras coisas mais ke évora ainda não tem por causa de ser comunista porke as câmaras ke são do mesmo partido ke está a governar o país saiem sempre mais benificiadas ke as outras de partidos diferentes
    esse sempre foi um problema do alentejo ke é praticamente quase todo comunista
    e parece-me ke isso nunca vai mudar
    enquanto évora for comunista será sempre dificil o governo dar mais dinheiro à câmara ou aprovar projectos pedidos pela câmara

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.