sexta-feira, 27 de março de 2015

Mensagem do Dia Mundial do Teatro 2015 que hoje se assinala


Os verdadeiros mestres do teatro encontram-se facilmente longe do palco. E não estão geralmente interessados no teatro que seja como uma máquina para replicar convenções e reproduzir lugares comuns. Eles procuram encontrar a fonte da palpitação, as correntes vitais que tendem a evitar as salas de espetáculo e as multidões de pessoas prontas a copiar um qualquer mundo. Copiamos, em vez de criarmos mundos focados ou mesmo dependentes do debate com o público, cultivando emoções que ultrapassam a superficialidade. É que, na realidade, nada revela melhor as paixões escondidas do que o teatro.

Sou muitas vezes levado pela prosa para refletir. Penso frequentemente nos escritores que há quase um século descreveram profeticamente, mas também com parcimónia, o declínio dos deuses europeus, o crepúsculo que mergulhou a nossa civilização numa escuridão de que ainda não recuperou. Estou a pensar em Franz Kafka, Thomas Mann e Marcel Proust. Presentemente também incluiria Maxwell Coetzee nesse grupo de profetas.

A sua visão comum do inevitável fim do mundo – não do planeta mas do modelo das relações humanas – e da ordem social e sua decadência, é hoje em dia dolorosamente sentida por todos nós. Por nós, que vivemos neste pós fim do mundo. Que vivemos em confronto com crimes e conflitos que deflagram diariamente por todo o lado com uma velocidade superior à capacidade ubíqua dos próprios meios de comunicação. Estes fogos rapidamente se esgotam e desaparecem das notícias, para sempre. E nós sentimo-nos abandonados, assustados e enclausurados. Não somos já capazes de construir torres, e os muros que esforçadamente levantámos deixam de nos proteger – pelo contrário, requerem eles próprios proteção e cuidados que consomem grande parte da nossa energia vital. Perdemos a força que nos permite vislumbrar para lá dos portões, para lá dos muros. E essa devia ser a razão de existir do teatro  e é aí que devia encontrar a sua força. O canto íntimo que é proibido devassar.

“A lenda procura explicar aquilo que não pode ser explicado. Está ancorada na verdade, e deve acabar no inexplicável” - é assim que Kafka descreveu a transformação da lenda de Prometeu. Acredito profundamente que estas mesmas palavras deviam descrever o teatro. E é este tipo de teatro, aquele que está ancorado na verdade e encontra o seu fim no inexplicável, que eu desejo a todos os que nele trabalham, os que se encontram no palco e os que constituem o público, e isto eu desejo de todo o meu coração.

Krzysztof Warlikowski, encenador polaco

1 comentário:

  1. Hoje andei a bisbilhotar os sites do PCP pela internet ( que é americana e capitalista mas que os comunas sem vergonha na cara usam e abusam),e qual nao foi o meu espanto, quando vi que ja vao no lancamento de um segundo livro em que o titulo é: "O Partido Comunista Portugues e a Luta Sindical". Acho que é este o titulo do livro. E jà vao com dois, uma vez que este é o segundo. É preciso muito descaramento! Nao só ocupam e roubam os sindicatos aos trabalhadores, como ainda teem a ousadia de fazer livros sobre isso. Comeco a pensar que eles nao regulam bem da mioleira...mas infelizmente nao se trata disso. A violacao da lei ao se ingerirem nos sindicatos é descarada mesmo. Entao nao sabem o que vem escrito na contituicao portuguesa? E nos estatutos dos sindicatos? Claro que sabem ! É que tanto na constituicao como nos estatutos sindicais, diz là que os partidos ou pessoas que facam parte dos orgaos de direcao dos partidos, nao podem fazer parte dos orgaos de direcao do sindicatos ! Acontece que eles membros do comite central do pcp e em simultaneo sao coordenadores dos sindicatos. Ora isto É PROIBIDO POR LEI !!!
    A minha pergunta é, como é isto possivel ? Porque nao actuam as policias ou ministerio publico? Mas que paìs é este? O socrates foi preso...mas entao e estes? Fazem o que querem??? Nao hà lei em portugal? Nao hà policia ou alguma entidade que veja esta vigarice toda? Mas andamos a dormir ? Os comunas gozam de impunidade em portugal ? Ainda dizem que defendem os trabalhadores....é preciso descaramento e muita desonestidade.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.