quarta-feira, 11 de março de 2015

Évora: Taxa na fatura do gás gera descontentamento


"A cobrança da taxa de ocupação do subsolo na fatura do gás, com efeitos retroativos, está a gerar descontentamento entre os clientes da Dianagás, empresa do grupo Galp que opera em Évora.
A Associação de Defesa do Consumidor (DECO) já recebeu várias queixas, segundo a jurista Mara Constantino.
“A delegação regional de Évora tem recebidos várias reclamações de consumidores descontentes e confusos com o aumento abrupto da taxa de ocupação no subsolo, referente às faturas do gás”, disse.
De acordo com a responsável, os aumentos são superiores a “500 por cento”.
“Um consumidor pagava, por exemplo, um euro e qualquer coisas e, de repente, passou a pagar nove euros ou dez euros de taxa de ocupação do subsolo”, referiu.
Um responsável da Galp explicou que “não se trata de um aumento” da taxa de ocupação do subsolo, mas sim da cobrança de valores que não foi feita no passado, devido a “um diferendo com alguns municípios”.
Realçou que “estas taxas são da responsabilidade dos municípios", sendo que "a Galp limita-se a cobrá-las e a entregar o valor às câmaras, cumprindo as regras definidas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos”.
Já o presidente da Câmara de Évora disse ter pedido esclarecimentos à Dianagás, afirmando que a cobrança da taxa, se for feita com efeitos retroativos, "é ilegal", porque "não se podem acumular valores dessas taxas" nas faturas.
A câmara, frisou, “recomenda” e está disponível para “dar apoio" aos consumidores que apresentem reclamações.
O autarca lamentou que a Galp, em alguns casos, quando é questionada pelos clientes, "remeta [as responsabilidades] para o município" e que nem sequer tenha "avisado os consumidores e a Câmara" de que iria proceder à cobrança da taxa, com efeitos retroativos. (noticia Rádio Diana)

11 comentários:

  1. "...Já o presidente da Câmara de Évora disse ter pedido esclarecimentos à Dianagás, afirmando que a cobrança da taxa, se for feita com efeitos retroativos, "é ilegal", porque "não se podem acumular valores dessas taxas" nas faturas.
    A câmara, frisou, “recomenda” e está disponível para “dar apoio" aos consumidores que apresentem reclamações..."

    Mais conversa para boi dormir.

    Se estivessem na oposição, os Comunistas diziam que era uma roubalheira e logo logo iriam aparecer as suas associações de utentes orquestradas, com manifestações à porta da Dianagás...MAS como a câmara vai LUCRAR e muito com a "ilegalidade", deixa de ser uma roubalheira.

    ResponderEliminar
  2. Obras se santa Engrácia lá para 2020 estão prontas, vão trabalhar vagabundos


    À atenção dos serviços de água e esgotos da CME.
    Existe uma obra há mais de um mês no cruzamento da rua dos trabalhadores e azinhaga dos salesianos, fazendo enorme transtorno a uma das vias mais movimentadas do Bairro da SRª. da Glória e mesmo da cidade.
    Dificulta imenso o trânsito, desgaste de pneus, engarrafamentos em horas de ponta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 35 horas por semana....descontas o almoço, o pequeno almoço e o lanche. Descontas as pausas para tomar café no bar do serviço de pessoal da câmara ou no ponto de encontro no PITE, descontas a pausa da micose...e...o PCP pariu um rato.
      Essa e outras obras da CM de Évora fica para as calendas Gregas. O trabalho tem que esticar...

      Eliminar
  3. Tem dias que junto a essa obra não vejo ninguém e a conduta está toda estragada, ou a dão a obra a uma empresa privada ou vai acabar para o Natal não tenho a certeza de que ano?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 35 horas por semana...desconta-se a hora de almoço, dos lanches, do cigarro, da micose e dá...umas 20 horas/semana.
      São os funcionários da triste câmara de Évora, atiçados pelo PCP que tem as unhas cravadas em todos os departamentos.
      Triste sina não é?

      Isto para quem trabalhou uma vida inteira no estrangeiro, viu como funcionam os serviços públicos lá e depois observa este estado de coisas, que apetece dizer desta gente?

      Eliminar
  4. Afinal as taxas que estão a cobrar são antigas (retroactivas). Pelos vistos de tempos em que alguns palermas não se preocupavam com as "taxas de ocupação do sub solo" que as "excelências" de lá aprovaram em Lei da República e as "excelências"de cá, trataram cegamente de aplicar...

    Sem saber, começaram imediatamente a atirar pedras ao vizinho e agora sentem-se incomodados com o ricochete.
    Pobres diabos, não aprendem nada...

    ResponderEliminar
  5. O brutal aumento da taxa não se deve a cobranças retroativas, mas sim a uma aumento ilegal, porque não foi decidido pela Assembleia Municipal. Basta consultar o site da GALP, e verificar que a taxa, para consumidores domésticos, subiu 430% de 2014 para 2015.
    É esta a razão do brutal aumento.
    A questão que deve ser esclarecida pelo Presidente da Câmara é saber quem deu à empresa instruções para aumentar a taxa em 430%, sabendo-se que para a empresa, esse aumento, é indiferente pois o valor da taxa (TOS - Taxa de Ocupação do Sub-Solo) vai na totalidade para o município. Em conclusão, tudo leva a crer que a CME informou a empresa para que procedesse ao aumento, fingindo agora nada saber sobre o assunto.

    ResponderEliminar
  6. Dito de viva voz por um vice.presidente da Assembleia Municipal a lei que a ERSE e a GaLP não respeitam diz que cabe à assembleia Municipal decretar o aumento de TOS(taxa de ocupação de subsolos), ora a dita assembleia ainda não decidiu nada-
    OU seja a ERSE tal como o Banco de Portugal(carlos costa) são a voz do dono não regulam nada, deviam era ser presos como o socrates existem para lixar o povo cambada de bandidos.
    Como acreditar nos mafiosos que nos desgovernam, mas o povo em vez de os prender vai votar neles, merecem passar fome, morrer por não ter assistência na saúde, é um povo sem coluna vertebral, tal como os maricas dos governantes são submissos aos alemães nazis este povo de borregos faz jenuflexão aos néscios que fazem parte da desgovernação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. coitada da ERSE que não tem culpa nenhuma, a culpa é do Pinto de Sá que oficializou a empresa para que aumentasse a TOS sem que a Assembleia Municipal se tenha pronunciado.

      Eliminar
  7. Se O pinto de Sá sabendo que esse aumento só pode passar pela aprovação da Assembleia Municipal e sabendo que não tem maioria, fez as coisas na ilegalidade e isso é motivo de demissão ujm presidente que pratica ilegalidades, não é digno do lugar que ocupa

    ResponderEliminar
  8. Pelo o que vi hoje no Diário do Sul de Segunda feira, A Galp Energia através do seu porta voz Pedro Marques pereira, levanta o assunto que me 2013 a CME não faturou a dita taxa, SR. mesmo que isso seja verdade , Coisa que o Presidente Pinto de Sé desmente, puxe pela cabecinha acha que pode imputar custos de 2013 a clientes da Empresa que o são a partir de 2014 ou 2015.
    Devem achar os seus clientes com cara de tontos, da.lhes muito trabalho só imputar esses custos ao tempo a que os mesmo usufruem da dita TOS(taxa de ocupação de subsolos)
    Esta malta acho que o povo é parvo e se deixa roubar, sem mais, entretanto avisa o Primeiro ministro por faltas de pagamento de impostos, mas esta gente vai para o poder para se servir, não é para servir os palermas que lhe dão voto .E não me venham com a lenga lenga que são todos iguais há ladrões e outros que são impolutos

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.