segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Lição de Dignidade

Que belo dia de Domingo, que grande vitória do Syriza, e que sinal poder festejar num dia 25.
25 de Janeiro ficará para a história europeia como o dia em que o berço da democracia resgata, para si, o seu futuro.
O dia em que um povo se ergueu e escolheu a dignidade ou invés da chantagem, o futuro em vez do medo. Por incrível que pareça, é esta raridade que torna o dia de ontem histórico.
A comunicação social apressa-se a apelidar o Syriza de partido de esquerda radical. Em que país vivemos, quando a luta pela justiça social, pelo emprego, pelos serviços públicos, contra a austeridade e a ditadura dos mercados, é apelidada de radicalismo?! Meus senhores e minhas senhoras, isto não é radicalismo é dignidade e luta intransigente pelos valores sociais.
Não, o Syriza, como tantos outros partidos, não radicalizam, mas esclarecem, de uma forma muito firme e clara, que há uma linha que separa a vida das pessoas da vida das instituições financeiras.
Não nos iludamos, nem nos deixemos enganar, assim como não somos todos Charlie, como não somos todos Abril, não somos todos Syriza, como possa parecer. Aqueles que de forma oportunista dizem ver com bons olhos a vitória da esquerda na Grécia, que querem diluir o vermelho num branco austeritário, travestindo o vermelho em rosa, estão do outro lado. Àqueles que escrevem nas redes sociais ou afirmam perante os microfones que a vitória do Syriza é um bom sinal, há que perguntar se apoiaram ou não Martin Schulz e depois Jean-Claude Juncker para a presidência da Comissão Europeia, se continuarão ou não a política austeritária (mais ou menos fofinha), se estão dispostos a apoiar a desvinculação de Portugal do Tratado Orçamental, ou se estão dispostos a reestruturar a dívida e enfrentar claramente os mercados e as instituições financeiras.
Eu caminho, de forma solidária, com o povo grego. Que todos saibam que quando nos chamam radicais, nós respondemos com solidariedade. Para os que duvidam, deixo-vos um excerto do discurso de vitória de Alexis Tsipras: "O povo grego, soberano, hoje, deu, sem dúvida nenhuma, uma ordem clara e vira uma nova página. O país rejeita a austeridade. Deixa para trás o autoritarismo, a humilhação e dirige-se para uma Europa que muda. Com este passo histórico o povo grego vai ao encontro dos outros povos europeus. Esta vitória é a de todos os povos europeus que lutam contra a austeridade que destrói o futuro europeu.”
Os dados estão lançados, as barreiras identificadas, os desafios todos pela frente. Agora, bem… agora… está nas nossas mãos!
Até para a semana!

Bruno Martins (crónica na rádio diana)

8 comentários:

  1. É melhor não embandeirar em arco Bruno, olha que a aliança é com o ANEL, partido nacionalista da mesma direita xenófoba e homofóbica da Le Pen.

    ResponderEliminar
  2. Os Siryzas vão fazer coligação com um partido mais de direita (são anti UE, anti Troika) que o CDS. nem se deram ao trabalho de escolher para coligação um partido da mesma área politica, como os comunista do KKK. Além disso esta direita, são dissidentes do partido de direita que corrompeu e se deixou corromper, anos e anos. Tal como PASOK. e quem votou Siryza, foram os Gregos que mamaram os subsídios da união Europeia durante vinte e tal anos.
    A Sociedade Grega, no seu todo é a mais corrupta da UE

    Será esta extrema esquerda tão parecida com a Direita? Afinal que os separa?

    São todos Charlie? Evidentemente que não são. São é todos uma carrada de mamões, que ao mínimo sinal não se importam de raspar o tacho em conjunto.

    Pela parte que me toca, nenhuma solidariedade para com os corruptos

    ResponderEliminar
  3. A extrema Esquerda Portuguesa está em Choque: o Siryza aliou-se à Direita Xenófoba

    Que porra de ironia.
    É o que faz começarem a jogar foguetes antes da festa. Como se a esquerda Marxista Leninista Estalinista Maoista fosse diferente das outras ideologias.
    Só se enganam a eles mesmo...

    ResponderEliminar
  4. Ups, Syriza tem ANEL fascista...

    ResponderEliminar
  5. O Siryza aliou-se a um partido de direita anti imigração??? Vai la vai. Diz-me com quem andas...

    ResponderEliminar
  6. No século passado
    A Grécia conseguiu livrar-se dos turcos.
    A Grécia conseguiu livrar-se dos nazis fascistas alemães.
    A Grécia conseguiu livrar-se da ditadura dos coronéis.
    A Grécia conseguiu livrar-se da monarquia.
    Hoje, a Grécia conseguiu livrar-se da canalha que, em 40 anos, a conduziu à falência.
    Hoje, a Grécia mostrou-nos o que é a democracia


    É uma luz de esperança, de justiça, de humanidade.
    Não duvidemos, esta frágil luz vai ter que lutar contra os ventos poderosos das forças tenebrosas que mandam na Europa.
    Portugal e Espanha têm a obrigação e interesse, de apoiar a Grécia nesta sua luta pela liberdade, pela justiça, e pela independência.

    ResponderEliminar
  7. Este jovem fala antes do tempo e borra a pintura, a extrema esquerda foi buscar a extrema direita, belo choque de ideias contrarias.
    A UE não vai perdoar mais divida já foi perdoada quase metade á um ano, agora quero ver a demagogia versus fantasia fazer chover euros sem reformas austeridade.

    ResponderEliminar
  8. O Syriza aliou-se ao ANEL, porque a bosta retrógrada e stalinista do KKE recusou, como recusam tudo que não possam controlar, tal como cá em Portugal e depois ainda se põem a cagar postas de pescada.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.