terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Já!


Joaquim Palminha da Silva
       Já ou agora, é momento de tempo que nenhum político subscreve, da direita à esquerda. Fiquem todos sabendo que entre o e o político profissional (ou amador em formação para profissional) perfilam-se interesses de “oportunidade”, metem-se pelo meio, como travões de acaso, as “circunstâncias” naturalmente “desfavoráveis”, intrometem-se as ambições dos Partidos e, dentro destes, os multifacetados interesses pessoais de chefes, dirigentes, comandantes das hordas regionais e locais.
            (saiba-se) é a voz dos desesperados que ninguém quer ouvir (nem Estado, nem partidos, nem sindicatos). é a palavra de ordem dos que querem o futuro aqui e agora, mas têm de suportar todos os interlúdios, porque a sua urgência é inconveniente, desassossegada. , é palavra que cheira a esturro e tem sabor de sangue, suor e lágrimas!
            Com palavras que contrariam , que o travam ou imobilizam, com organismos sociais escolhidos para almofadarem de chumbo o seu andamento, tornando pesado, lento, alcançam este “milagre”: - Conseguem que o Povo espere, transformam as lágrimas em esperança e um desgraçado num eremita… da paciência!
            Que valor, que conteúdo tem , o que é então , palavra extraordinária que consegue dar movimento aos pasmados e fazer o Povo afastar, do caminho da revolução, a poeira das impossibilidades, dos medos, das manipulações? – O é o momento de tempo donde brota a vida, é um choro de criança nascendo, é um instante movimentando-se em várias direcções que conduzem à criação e ao amor!
            O é efectivamente subversivo, libertário, está para além da moral e não pode ser canalizado numa só direcção!
            No actual território português apareceu no fim da Idade Média, embandeirando o Povo. Depois, espalhou-se pelas revoluções do século XIX, tomou-se de amores pela Maria da Fonte, foi Patuleia e, em 1910, o teria sido republicano se a República dos “doutores” não houvesse espingardeado a matar o Povo do Trabalho!
            Aqui e ali apareceu em momentos breves e explodiu único, excepcional, em Abril de 1974!
                 Hoje não há mais , empalhadas as letras da palavra. Hoje existem o curto, médio e longo prazo a impossibilitarem que se faça !
             Hoje não há qualquer em actividade, trespassado (de lado a lado) pelas baionetas do fatalismo, alvejado pela sonolência provocada pelos cuidados continuados dos paliativos políticos, ministrados pelos partidos, da direita à esquerda!
          Tudo aquilo que o comunicava às multidões amarguradas, alma arrancada a esse assombroso fluido que é o sofrimento humano, ficou narcotizado com as maquinações filosóficas modernas e as habilidades mecânicas do lucro e do consumo… De rosto envelhecido, com profundos sulcos nas faces, provocados por lágrimas continuadamente amargas, a viver baixinho entre si, como quem espera que o vão levantar da casa de penhores, é uma “antiguidade” revolucionária que se estuda nas Universidades, exibindo-se a palavra e o conteúdo nos cursos de História e Sociologia, definitivamente mumificada pelos académicos e aborrecida de aturar pelos estudantes.
            Se ao menos o Povo lhe valesse… !          



7 comentários:

  1. Demissão de todas as chefias do hospital de évora.

    JÁ!


    ResponderEliminar
  2. "Já"! Sem cuidar de saber o quê, nem a quem interessa nem para quê ou como. É "Já" e pronto!
    "Já" o quê? - "Já", nada!
    Que isto até se poderia tomar como texto literário de pura retórica se acaso estivesse bem escrito, mas não: é só palavreado anacrónico, bacoco e inofensivo!
    Ficamos apenas a saber, os que o lermos, que somos todos inúteis e incapazes. Não prestamos!

    ResponderEliminar
  3. Uma sociedade carneiros, acaba gerando um governo de Lobos
    Vitor HUgo (1802-1885)

    ResponderEliminar
  4. Hospital de Èvora precisa de uma "varridela"

    ResponderEliminar
  5. "O Já é efectivamente subversivo, libertário..."
    Libertário? - Que tem o conceito libertário a ver com o "Já" esquerdalho?
    Maria da Fonte? Os mortos sepultados dentro da igrejas... "Já"?
    Grande confusão vai neste amontoado de palavras!
    É no que dá estudar história à pressa e em fascículos salteados!

    ResponderEliminar
  6. O Hospital precisa mais do que isso.
    Bons técnicos, compententes, humanos interessados pelos doentes e isso não depende só das chefias. A Incompetência a desumanidade da maioria do pessoal, já faz ter saudade do tempo que a maioria eram freiras, havia meia dúzia de cirurgiões e meia dúzia de clínicos, mas dedicados

    ResponderEliminar
  7. joaquim palminha silva15 janeiro, 2015 15:22

    Comentários do anónimo das 11.38 e 16.46: Por ser um vil e asqueroso anónimo não deveria dignar-me a dirigir-lhe a palavra. Porém, atendendo ao seu estado de saúde mental, merece-me compaixão! A sua esquizóide fixação na minha pessoa, procurando desmentir-me (pretensiosamente) escreva eu o que escrever,é francamente doentia. Não lhe pode ocorrer o ridiculo em que coloca a sua pessoa?! Evidentemente que não! O contínuo estado frustrante e de doendio ódio por uma pessoa, manifestado cobardemente, a coberto do anonimato, seria desprezível e abjecto, todavia como é de uma pessoa com problemas de saúde mental é digno de piedade... Procure tratar-se senhor ou senhora anónimo... Por mim está desculpado, mesmo quando mistura palpites sobre o que sei ou não sei de História, com pretensos reparos críticos de refutação aoque digo ou deixo de dizer...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.