terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Deadline

Deadline é o último prazo para a realização de uma tarefa; mas é também o horário de fecho da edição de jornais ou revistas. Quarta-feira passada, dia 7 de janeiro,deadline passou a ter mais um significado na minha gramática pessoal, resultado do massacre de Paris. Mais um episódio desta estranha terceira nova forma de guerra mundial, que conhecemos pelo nome de terrorismo.
O uso organizado do terror como recurso político existe há milénios. Foi praticado pelos governos das cidades gregas como forma de guerra psicológica contra populações inimigas; os imperadores romanos Tibério e Calígula semearam o terror, tal como os membros da Santa Inquisição. Robespierre e os seus adeptos, os encapuçados do Ku Klux Klan, as milícias nazis, exemplos entre muitos outros. Nos últimos dois séculos, os Estados foram ficando cada vez mais burocratizados e a morte apenas dos líderes não causava as mudanças políticas desejadas. Os terroristas, que até então evitavam o que nos habituámos a chamar os danos colaterais, passaram a usar os métodos que conhecemos hoje. Só em 1972, a temática do terrorismo foi incluída pela primeira vez nos debates da Assembleia Geral das Nações Unidas. Deles saíram duas posições: de um lado o bloco ocidental que advogava a repressão, com um enfoque liminarmente jurídico da questão; do outro, o Movimento dos Não-Alinhados e os Estados comunistas, que defendiam a identificação e a eliminação das suas causas, justificando um enfoque político. Em 1985, só 13 anos depois, houve a primeira condenação do terrorismo por consenso e o enfoque jurídico passou a prevalecer: o terrorismo deixou de ser legitimado por quaisquer que fossem as motivações políticas. Não há desculpas.
As linhas com que os jornalistas do Charlie Hebdo traçavam nos cartoons a sua opinião crítica política incomodavam muita gente. A uma outra escala, obviamente, como fazem todas as críticas até, por exemplo, as rubricas como as crónicas de opinião da Diana. A crítica, sobretudo em público, incomoda não apenas os que se sentem por ela atingidos, como até pela própria expressão de forma dessa crítica, mesmo quando dela não se discorda. Os cartoons, uns mais explícitos outros mais velados, quase todos metafóricos, são de leitura mais direta do que as palavras alinhadas em frases e parágrafos onde também, ainda assim, o equilíbrio entre o que é expresso e o que é subentendido, permite níveis vários de interpretação. Nenhuma dessas linhas justifica porém o crime, nem quando são provocatórias, quando se vive numa sociedade em que a liberdade é um valor e tem um sentido vivido por todos. Um sentido que não exclui a defesa de uma honra ofendida ou até só tocada, como o provam os inúmeros casos de processos na justiça, uma luta possível em que se discute, aí sim, o limite da liberdade de imprensa, ou até de expressão. E que apenas é possível quando os dois lados dão a cara, sem cobardia (que não é crime, só aleijão) acoitada em anonimatos.
As linhas do Charlie Hebdo foram linhas mortais. Deadlines. Para quem as desenhou, mas também para outros que apenas ali estavam nas suas diversas funções. Foram todos danos colaterais, porque os cartoons não morreram. Nem o Charlie. Estará até mais vivo do que nunca. E o terror, esse, caberá a cada um de nós, europeu eventualmente a sentir-se ameaçado, vencer, continuando a viver como se ele não existisse. Se lhe cedermos, o nosso deadline chegará mais cedo e deixaremos os nossos planos e as nossas vidas interromperem-se. Devemos isto às vítimas que caíram às mãos dos terroristas, sejam loucos, fanáticos, idealistas, homens de fé, de crenças, de ideias feitas. Sejam eles aquele cujo dedo prime o gatilho ou o que, à distância, lhes lê a cartilha por onde aprendem a ser assim. Não podemos tornar-nos todos, nem daqui da aparente pacatez da planície alentejana, vítimas do terrorismo. E é por isso que todos somos Charlie.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na Rádio Diana)

6 comentários:

  1. não há irreverência em relação ao judaísmo , os gozados são os Muçulmanos e Católicos. Houve um cartonista que gozou o judaísmo foi despedido. Óbvio que não se pode dizer que tiveram o que mereceram, mas gozar com aquilo que é muito querido para as pessoas, sujeita-se ás consequências.
    E Então na Nigèria mataram centenas de pessoas e não vejo ninguém preocupado, como estes 17 , 12 deles sabiam o risco que corriam.
    Boko Haram mata e rapta crianças sem terem gozado ninguém e a imprensa nem uma noticia, esta entretida á porta da cadeia de Èvora, ou a cobrir o desfile da Merkel de braço da dado com o palhaço Holande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Holland nem consegue disfarçar a felicidade que lhe vai na alma. Depois de as sondagens os darem com a pior popularidade de sempre de todos os presidentes da república francesa, precisava desta barbárie como de pão para a boca. Apostam em como a popularidade subiu em flecha? Aguardemos!

      Eliminar
    2. Holland nem consegue disfarçar a felicidade que lhe vai na alma. Depois de as sondagens os darem com a pior popularidade de sempre de todos os presidentes da república francesa, precisava desta barbárie como de pão para a boca. Apostam em como a popularidade subiu em flecha? Aguardemos!

      Eliminar
  2. Somos todos Charlie ?

    Morrem velhos nos hospitais vitimas da politica assassina do governo


    Crianças com fome

    Gente que perde as suas casas

    Gente sem dinheiro para dar de comer aos filhos

    Vivemos um autêntico massacre de uma politica que mata,por isso Não somos Todos Charlie.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. camarada cassete tem toda a razão. bora pra Cuba e Venezuela viver em liberdade total e comida à fartazana

      Eliminar
  3. Ó anónimo anterior, deves ter um previlegiado, ou és cego, o que ainda é pior. Talvez Deus te tenha castigado com essa cegueira.
    Ou vives noutro país.
    O que é que Cuba tem a ver com este Portugal real onde
    -Morrem velhos e novos nos hospitais vítima da política economicista e assassina deste governo.
    - Crianças com foma.
    - Gente que perde as casas porque perderam o emprego e sem dinheiro para dar de comer aos filhos.

    Por isso também eu digo que não sou Charlie

    António Gomes

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.