quinta-feira, 27 de novembro de 2014

E já está: o cante alentejano é Património Imaterial da Humanidade

8 comentários:

  1. Porra: um gajo até se emociona!

    ResponderEliminar
  2. joaquim palminha silva27 novembro, 2014 11:45

    Declaração
    Eu, Joaquim Palminha Silva, portador do cartão de cidadão nº 46.140, nascido na Freguesia de Stº.Antão, em Évora, a 16/10/1945, no pleno uso das minhas faculdades mentais,direitos, garantias e obrigações, venho publicamente confessar que me sinto envergonhado e humilhado com a pedincha efectuada para o «cante» alentejano ser considerado património imaterial da Humanidade pela treta da UNESCO (que às vezes nem crédito cultural nem dinheiro tem para pagar as suas contas correntes!), como se isso viesse acrescentar algum valor cultural ao «cante», parte integrante de uma Cultura (Lusíada!) milenária!
    Subdesenvolvidos economicamente, somos agora também uns "pobres diabos" culturalmente?! Pior:- Queremos um carimbo em cima da existência, de forma a que nos reconheçam, não vão pisar-nos por aí, nessa Europa que ri da nossa sorna pelintrice e alarve incompetência governamental!
    Tudo isto é triste, tudo isto é Fado?!
    P.S. - Dito isto, devo confessar que aprecio sobremaneira o «cante», o qual aprendi a amar com o grupo «Os Ceifeiros» de Cuba, vila onde trabalhei na Câmara Municipal, como funcionário e quadro técnico superior (pelouro da Cultura); vila que amo e onde conservo uma mão cheia de amigos e amizades para toda uma vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Curiosa esta necessidade do Palminha afirmar que está no uso pleno das suas faculdades mentais...

      Eliminar
    2. Olha se não estivesse.

      Eliminar
  3. Pois muito me alegro. Não que isso faça do Cante algo maior do que já é, mas porque lhe dá a garantia de visibilidade necessária para continuar a manter-se vivo, assim queiram os cantadores!
    Parabéns a todos os que durante décadas se empenharam a manter o Cante um dos nossos patrimónios!
    Lurdes

    ResponderEliminar
  4. Tudo serve ao Palminha para se pôr em bicos de pé.

    ResponderEliminar
  5. e de repente évora e o alentejo ficaram cheio de especialistas, gente que divulga o cante desde a escola primária, que o promove e que nele participa há anos, que foi a unica coisa que viveu deste sempre ahah viva os oportunistas que se vão safando entre a chuva.. de qualquer forma, parabéns a quem por ele batalhou e continua a batalhar. um bem haja a todos

    ResponderEliminar
  6. Sou contra! Metam o reconhecimento institucional no olho da parte de trás!
    A grandeza do Alentejo é o povo, é o cante, é a solidão.
    O Alentejo é forte só por si e o cante não precisa de reconhecimento institucional. Puta que os pariu!
    Desprezam o Alentejo, gozam com os alentejanos e agora vêm com tretas de reconhecimentos?
    E nós somos cãezinhos que abanam a cauda todos contentes só porque a porra da Unesco nos dá uma côdea?
    O cante sempre foi património. Mas nosso. Não é cá da Unesco nem da humanidade.
    Não precisamos desta merda para nada!

    Zéi

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.