quinta-feira, 30 de outubro de 2014

CENDREV ESTREIA HOJE NOVO ESPECTÁCULO


“Onde é que eu já vi isto, perguntou ele”
De Rui Pina Coelho

Dia 30 de Outubro, às 21h30
Teatro Garcia de Resende
Onde é que eu já vi isto, perguntou ele é um espectáculo sobre marxismo, sobre trabalho, sobre emigração, sobre arte e sobre resistência cívica. É um espectáculo sobre a história do teatro e sobre os seus indomáveis heróis. Onde é que eu já vi isto, perguntou ele é também uma espécie de sequela de Já passaram quantos anos, perguntou ele, um texto estreado no TEP – Teatro Experimental do Porto, em 2011. Assim, agora, em Évora, voltamos a encontrar as mesmas personagens, mas mais velhas, mais cépticas e mais cansadas. Jaime, Cláudio e Helena Carlos são, agora, actores de meia-idade, artistas que insistem numa arte que parece não ter real valor num mundo dominado pela linguagem das finanças, mas que, não obstante as brutas dificuldades, não desistem. Cruzando uma bicuda teia de citações, alusões e outras referências, que vão da peça do dramaturgo eborense Manuel Peres, O grito na charneca, aos comentários a Karl Marx dos ensaístas Terry Eagleton ou Anselm Jappe, este espectáculo tenta interrogar a opressão sistémica que as instituições do poder exercem sobre os indivíduos.
O espectáculo estreia hoje, 30 de Outubro, às 21h30 no Teatro Garcia de Resende, onde ficará em cena de quarta a sábado às 21h30 e aos domingos às 16h00, até ao dia 23 de Novembro.

6 comentários:

  1. O que o Povo precisa é de coltura.
    O PCP levou hoje a reunião de Câmara o orçamento para 2015 e o Plano Plurianual de Investimentos, onde propõe para o "Evora Tech" – programa que visa apoiar a criação de empresas que incorporem elevada tecnologia e conhecimento - 1.000 € em 2015, 1.000 € em 2016 e 1.000€ para 2017. No mesmo orçamento propõe 30.000 € para conceção e produção dum stand municipal para participação em feiras. Há grandes camaradas… é só propaganda, presumo mesmo que os 1.000€ do orçamento para o "Evora Tech" são para pagar ao Diário do Sul pela entrevista do Pinto de Sá. Estão a gozar com os eborenses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A gozar com os eborenses estás tu. Ou és mesmo ignorante?

      Então queres convencer-nos que leste o PPI da CME e não leste o Diário do Sul de ontem (nem as notícias de há uns meses atrás) que informava que a gestão operacional da incubadora vai ser feita pela CIMAC?

      Então querias que a parte do orçamento da CIMAC destinada às despesas de gestão operacional da incubadora, estivesse incluída no PPI da CME?

      Ou és ignorante ou andas a gozar com os eborenses!

      Eliminar
  2. O senhor presidente Russo da freguesia da Malagueira também entra na peça?
    Se ele entrar eu quero ir ver.
    Quero ver em acção um dos maiores vultos da dramaturgia portuguesa, da política regional e quiçá da gestão cultural.

    Ironia? Não...triste realidade.

    Emanuel

    ResponderEliminar
  3. O sr Russo vai entrar na peça a tirar umas pedras de um espaço publico,e de seguida surgem 9 barracas de plástico e uma desgraça para o actual presidente,onde aparece Eduardo com a sua tia zulmira as vassouradas o mesmo,um brilhante e genial presidente de união numa brilhante peça de incompetência e demagogia politica.

    ResponderEliminar
  4. Um ano depois e a azia ainda não passou. Chiça...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 14,48 Conhece o estado miserável e degradante que se encontra a rua das 2 arvores Malagueira,foi graças o partido comunista e seu presidente das uniões de freguesias h.figueiras Malagueira Russo que o espaço publico se tornou um deposito de tendas merd... e lixo,a minha azia como moradore é enorme e acida!

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.