terça-feira, 23 de setembro de 2014

Centro Histórico de Évora: placa de xisto atinge carro da PSP


Felizmente, desta vez, não houve vítimas. Ver Aqui.

11 comentários:

  1. Conselho a quem queira visitar o centro histórico em dias de chuva.
    Ir ao turismo que além dos pontos essenciais visitar, para evitar morrer debaixo duma placa, aconselhe-se capacete e botas com biqueira de aço.
    Só temos uma vida, hoje é o pára brisas do carro da policia amanhã pode ser a nossa cabeça.
    O Centro histórico está cheio de armadilhas, casas a cair, placas a desmoronar pelos anos, pela falta de manutenção, buracos no pavimento é tudo muito triste

    ResponderEliminar
  2. A autarquia naquele local pintou e arranjou a parte de baixo,para que?o resto por cima esta totalmente podre,não era mais responsável e sério a autarquia exigir as obras de conservação dos imóveis na sua totalidade os seus proprietários.
    Se a pedra cai em cima de uma pessoa queriam ver quem era responsável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se a pedra cai em cima de uma pessoa queriam ver quem era responsável?

      Naturalmente, o responsável seria o mesmo que é responsável pela conservação do prédio. Nem percebo onde está a dúvida.

      Eliminar
    2. «não era mais responsável e sério a autarquia exigir as obras de conservação dos imóveis na sua totalidade os seus proprietários...»

      É sabido que a lei atribui aos proprietários o DEVER de conservar os seus prédios.
      Acredito, que os diversos executivos das diferentes câmaras têm EXIGIDO ao longo de décadas obras aos seus proprietários. Não só em Évora, como no resto do país.
      A questão está em saber porque não funcionam essas exigências das autarquias. Só assim se compreendem as dezenas de milhares de prédios devolutos e em ruinas.

      Porque razão não são cumpridas as exigências das autarquias quando intimam os proprietários a realizar obras, é a questão?
      O que sugere o comentador?
      Que as despesas de conservação sejam suportadas pelos impostos pagos por todos nós, ou que os proprietários percam o direito de propriedade se não cumprirem o dever de conservação?
      E, se perdessem a propriedade, quem ficaria responsável pela conservação das centenas de milhares de prédios vagos e sem ninguém para meter lá dentro?...

      Talvez o comentador saiba responder ou talvez não.
      Mas a mim parece-me demasiado imberbe a sugestão apresentada...
      Ou não tem a mínima noção do que fala, ou sabe e, por alguma razão misteriosa, não quer dizer...

      Eliminar
  3. As autarquias têm uma grande quota parte do descalabro a que chegou os cascos históricos de quase todas as grandes cidades.
    Loteamentos a esmo longe dos centros das cidades, para receber o valores de siza e IMT, obstaculizando tudo que era construção nas cidades, com toda uma serie de entraves levou a ruina de quase um milhão de habitações.
    Se caísse em cima de algum autarca era o mímino que lhes podia acontecer .
    Todos os 308 municípios foram culpados mas o poder central também, ninguém fiscaliza a gestão destes , nem sei que lhes hei-se chamar nada de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então o problema reside nos autarcas ou num estado central submetido aos ditames e interesses financeiros da banca?
      A legislação alterada e criada no final da década de 80 (de que se destaca a criminosa revisão do Código de Expropriações de 1991 promovida pelo senhor Cavaco, ou os novos Regimes Jurídicos de licenciamento de obras e dos Planos de Ordenamento desse mesmo período), serviu para quê, senão para fazer ajoelhar o Estado e as autarquias perante os interesses especulativos da banca, retirando-lhe os instrumentos de que dispunham para intervir e combater a especulação urbanística (transformada em negócio financeiro)
      Como querias fazer a recuperação e aproveitamento do que existia se os interesses financeiros instalados (que, como agora se vê com mais clareza, mandavam nos governos, presidentes e em alguns partidos) apenas financiavam as operações urbanísticas associadas à transformação de uso do solo (que em muitos casos gerava mais-valias de mais de 1000 por cento), que era a mina de ouro que sustentava a especulação imobiliária.
      Como querias que os autarcas, divididos em 308 pequenos territórios, qualquer deles com orçamentos muitíssimo inferiores ao menor dos bancos, tivessem poder para se oporem a esses interesses financeiros, se os o Governos centrais, presidente da república e Assembleia da República se colocavam completamente de joelhos perante eles?
      Ou, por acasos pensas que algum loteamento, expansão urbana ou ação de especulação imobiliária podia ter sido feita sem a conivência dos diferentes (deg)Governos?

      Enfim, quando não se sabe do que se fala, mais vale ficar calado...

      Eliminar
  4. E, se perdessem a propriedade, quem ficaria responsável pela conservação das centenas de milhares de prédios vagos e sem ninguém para meter lá dentro?...
    Sabe que á falta de habitação social na nossa cidade,esses imoveis podiam ser canalizados para esse fim ou ser colocados numa bolsa de vendas não permitindo novas urbanizações etc..tem havido muita falta de intelegencia dos nossos autarcas e o resultado esta ai a vista,daqui á 10 anos o ch é uma escombreira e os visitantes só pode circular com equipamento de segurança e com um guia.

    ResponderEliminar
  5. Cá pra mim isto deve ter sido um atentado terrorrista contra a PSP.

    ResponderEliminar
  6. Encontrada numa vala comum cadáveres de civis executados no território da região de Donetsk, que era controlado pelos militares ucraniano. Foram já exumados quatro cadáveres, três dos quais de mulheres.

    Por onde andará Obama e os demais paladinos dos direitos dos "direitos humanos", que ainda não os ouvi falar do assunto?


    ResponderEliminar
  7. Se calhar caiu-lhes uma placa de xisto em cima... Não tiveram tanta sorte como os policias de Évora.

    ResponderEliminar
  8. Vai se a ver o Pinto de Sá e os seus companheiros já estão como o outro, à janela da autarquia. Vamos andando devagarinho, vamos dando trabalho e dinheiro aos amigos da cultura e o resto que se lixe.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.