quinta-feira, 14 de agosto de 2014

“VOX POP”: O SENSOR E O CENSOR


Não é nada comigo. Faço-o por simpatia para com quem entende não dever fazê-lo e motivado por um sentido básico de cumplicidade solidária e um misto de desapontamento e mágoa.

Explico.

Em boa hora, está na rua o «Cenas ao Sul», programa de animação da cidade que promete – e tem cumprido – contribuir para o resgate de Évora ao abandono cultural a que a anterior gestão autárquica a tinha votado, envolvendo nesse desamparo os agentes culturais do concelho.
Não sei como outros a viram mas eu senti esta iniciativa como o indício de uma vontade de reconciliar a cidade com os criadores de cultura e entretenimento, pondo fim ao incompreensível (mas imerecido) castigo infligido aos eborenses.
Como tal, a decisão de fazer o «Cenas ao Sul», contra os ventos da inércia e as marés da adversidade, configura um acto de liberdade em que se adivinha o propósito inclusivo e agregador, o esforço de apaziguamento e harmonização de entidades desavindas, feito com a prudência adequada ao intento de sarar chagas ainda vivas.
Postos os ovos, a galinha canta. E o «Cenas ao Sul» é amplificado – legitimamente – com a publicação periódica de uma brochura que vai dando conta do já feito e do ainda a fazer, enquanto ausculta e dá voz ao testemunho popular, uma espécie de sensor do impacto da iniciativa, sempre tão útil a quem promove, com atenção e respeito pelos destinatários.
A folha inclui, assim, uma secção denominada «Vox Pop» onde são vertidas as opiniões sobre os eventos incluídos no programa, recolhidas por entrevista a pessoas seleccionadas de entre os seus frequentadores habituais.
O segundo número da dita brochura, agora dado à estampa, incluiria (entre outras) a opinião – muito favorável e lisonjeira para com o programa, sublinhe-se – de Maria Helena Figueiredo, cidadã de Évora e ex-candidata autárquica, pelo Bloco de Esquerda, ao município de Évora, de cuja inclusão havia notícia por contactos ocorridos entre os editores do caderno e a própria, tendo a impressão do seu testemunho chegado à fase final do processo de maquetagem mas, assombrosamente, erradicado da publicação. “In extremis”.
Pergunto: é lícito questionar a oportunidade (política, pois claro) para dar visibilidade à opinião (favorável!) de uma cidadã, em razão do seu público estatuto de opositora política? Nesta sede? Neste contexto? Neste veículo? Qual é a natureza do código deontológico aqui praticado? Política? Jornalística? Nenhuma? Que finalidade persegue esta lógica sectária, tacticamente mais interessada na qualidade de quem opina do que na substância da opinião? Ademais, misturando grosseiramente o que não é miscível.
Cabe aqui reafirmar o carácter autónomo deste depoimento que, apesar de feito com informação privilegiada, me responsabiliza exclusivamente e à minha condição de espectador atento e interessado, não sendo legítimo assacar à visada qualquer comprometimento com uma situação a que a própria, aliás, deu elegantemente o seu acordo, após ser confrontada com o insólito incómodo editorial. A propósito de incómodo, é justo exonerar os obreiros da edição, cujo papel não invejo.
No rescaldo deste infeliz episódio, com mera relevância simbólica, proponho uma reflexão sobre o eterno regresso a estes velhos métodos e práticas, ciclicamente e com redobrado vigor, quando menos se espera e mais razões há a temer do efeito devastador que têm sobre os processos unitários e de convergência.
Acabados de sair de um ambiente de grande hostilidade local para com a cultura e os agentes culturais, num momento em que a prioridade deveria ser a reconciliação de contendores e a minimização de divergências, parece perigosamente negligente o cuidado com que se gere este frágil ressurgimento. Ou não será assim?


* José Elizeu Pinto, cidadão eborense. (aqui)

15 comentários:

  1. Dizer a verdade com critica é parte de uma democracia madura a quem não gostar ponha a borda do prato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me parece. Mas agora inventou-se esta modernice de iludir as coisas que se passam. E não é que parece mesmo não terem acontecido?!

      Eliminar
  2. Amancebamento sensor & censor devaneia ascensor.
    Segundo a Porto Editora: Aparelho mecânico que estabelece comunicação vertical entre dois planos.

    Pois, Zé!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, compadre! Temos pena que a magana da imagem não caiba, inteirinha, no ecrã; ou que a gente não seja capaz de afastar-se o suficiente para metermos a cena toda na mesma fotografia.
      Vejo isto muito encabranado, amigo. E não há meio de se desenlear o estojo.

      Eliminar
  3. Pois eu entendo o Jose Eliseu Pinto, mas não seria caso para percebero proprio já esperar, tudo indicava que seria ssim, então vamos falar dos factos. A informação do cenas ao sul, foi entregue a uma ex- activista do Bloco de Esquerda (2009), ex especialista em cidades educativas, ex muitas outras coisas, uma coisa já todos sabiamos a senhora em causa tem pouca imaginação para a escrita, tem mais jeito para "tirar" as ideias aos outros como parece ser o caso. É caso para dizer cada um tem o que merece uma coisa eu sei os eborenses não merecia isto....

    ResponderEliminar
  4. Do bloco de esquerda em 2009? Olhe que não. Olhe que não. Deve andar equivocado e bem equivocado...

    ResponderEliminar
  5. Apenas vos digo tenho provas do que afirmo e para que não existam duvidas irei publicar as ditas, pois é preciso que todos contribuam para adenuncia do oportunismo, quando nos convem estamos com uns quando não convem estamos com outros..chega de oportunismo.

    ResponderEliminar
  6. Admirados?
    Democratas são só os que pensam como o PCP, ou vocês não sabem isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Admirados?
      Democratas são só os que pensam como o Centrão, ou vocês não sabem isso?

      Eliminar
  7. Ok já percebi que a senhora foi candidata mas ocupa algum lugar de relevo ? Ou o estatuto advém-lhe de ter sido candidata ? Eu nem imagino quantos candidatos nas últimas eleições autárquicas são agora ex-candidatos... Só a presidente de câmara candidataram-se 1345. E porque é que a opinião de uma ex-candidata interessa mais do que a de um cidadão ? Afinal a agora a ex-candidata é apenas mais uma cidadã a quem foi pedida uma opinião . A ela e se calhar a mais não sei quantos... Quem depois edita e publica é quem seleciona o material. Isto é censura ? Não me parece e acho que este protesto/defesa não tem pés nem cabeça.

    ResponderEliminar
  8. A propósito do Califado Islâmico José Goulão no Telejornal condena os USA por quererem desmembrar o Iraque, mas não consegue condenar os do Califado, que por sua vez dizem querer afogar os USA em sangue. Vale a máxima: o inimigo do meu inimigo meu amigo é.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 21:11
      Ainda há poucos meses esses mesmos fundamentalistas do "califado" eram considerados "lutadores da liberdade" contra o "ditador da Síria".
      Agora, os tais "lutadores da liberdade", que foram armados até aos dentes pelos americanos, via arábia saudita, colocam em risco os poços de petróleo controlados pelo ocidente. Por isso passaram de bestais a bestas. De "lutadores da liberdade" a terroristas piores que a Alquaida.

      E, de facto, são grupos fundamentalistas perigosos e com práticas terroristas. Mas não o são SÓ agora. Já o eram quando os americanos os armaram até aos dentes para combater e desestabilizar a Síria.

      Será que ainda não percebeste o funcionamento das centrais de propaganda?
      Portanto vê se te enxergas e deixas de ser um mero papagaio daquilo que ouves nas TVs.

      Eliminar
    2. Porque é que será que estes inteligentes do PCP que vêem sempre o que os outros não enxergam têm sempre necessidade de insultar quem tem uma opinião diferente?


      Eliminar
    3. 10:43
      E tu ó inteligente porque insultas tu, acusando terceiros, apesar de não saberes nem conheceres quem fez o comentário?

      Sabes que, de virgens ofendidas como tu, estou eu farto até ao tutano.
      Quando não têm argumentos, armar-se em virgens ofendidas...

      Eliminar
  9. Para quando a retirada dos vergonhosos placards da Feira do Avante de Évora? Aquilo já cheira mal. Desfigura o largo da Epral,e deixa uma imagem tipo Cuba de Fidel de Castro na nossa cidade. Já nos bastou terem transformado a Feira de Sao Joao em uma festa de comunas. Agora temos de gramar aquela porcaria até quando ?
    O presidente da camara está á espera de ordens do PCP??? Estamos bem f........ com esta canalha...estamos pois!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.