quarta-feira, 30 de julho de 2014

Uma outra visão para a cultura e para a animação em Évora


Tenho uma visão diferente da cultura e diversão que devíamos ter, para animar a cidade que tão visitada é.
Primeiro que tudo a cidade de Évora tem que estar limpa, tanto por dentro como por fora: falo dos bairros e das entradas da cidade. 
Uma cidade tem que ter pessoas à frente que sejam sensíveis a coisas tão simples como estas. 
Quanto à diversão e à cultura, se sairmos daqui e formos até Espanha, país aqui tão perto, a animação da cidade é feita pelas próprias pessoas que nela vivem e por aqueles que a visitam. 
A diferença, é que Espanha tem um povo que gosta de vir para a rua conviver, beber uns copos, dar umas voltas com os amigos. Ao fazê-lo tem uma animação de cafés, restaurantes que oferecem praticamente tudo o que se quer, até quando não está na carta, e nós pedimos, eles conseguem arranjar. 
A animação das cidades espanholas, não parte das Câmaras, parte dos comerciantes, que arranjam cada uns à sua maneira formas de entreter e convidar a entrar ou a estar nas suas esplanadas, que são muitas, quem por ali passa. Como? Através de espetáculos de animação, simples mas muito convidativos. Ainda há poucos dias percorri algumas cidades de Espanha e tive oportunidade de verificar isso. Os preços são os mesmos que em Portugal, outros mais baratos. 
Aqui nem o café arcada tem uma esplanada para oferecer. Se entrar no café vou para uma fila buscar o que quero e pago ainda mais caro. Ás 22h 30min já as mesas estão a ser levantadas tudo a correr...
Mas que animação e que cultura deve a Câmara proporcionar?...
E porquê a Câmara?... 
A Câmara deveria isso sim, era obrigar a quem tem determinados espaços, fazer com que os mesmos estivesse abertos pelo menos até à meia noite. Quem não quisesse assim, não poderia abrir o estabelecimento.
O ambiente é criado também pelas pessoas, que devem sair de casa e vir até à cidade. Mas aqui em Évora as pessoas por razões culturais, acima de tudo, ficam nas suas casinhas, nos seus quintalinhos com os maridos, mulheres e família. Não saem de casa. Por todas as razões aqui apontadas e por outras tais como a prática de preços mais elevados. 
Então será justo que a Câmara abra os cordões à bolsa para pagar a génios musicais/artísticos uma pipa de massa, quando pode partir dos próprios comerciantes esta mesma animação?...
A Câmara deve eleger como prioridade isso sim, tirar as ervas e o lixo que assombram a cidade, com alguma imaginação arranjar uns vasos grandes para colocar flores nas rotundas, malvas, que são flores que aguentam o sol, pintar nem que seja com cal ou tinta da mais barata os muros ou paredes que estejam ao abandono e que estejam em locais estratégicos de imagem para a cidade.
Apesar do dinheiro ser pouco, há muita coisa que se pode fazer para melhorar e tratar do embelezamento da cidade que não fica assim tão caro...
E já agora: quando é que o estacionamento ao fundo da Rua de Avis é limpo de ervas e de lixo? Para quando mudar este estado de coisas?
O dinheiro do IMI serve para quê?...

Anónimo

7 comentários:

  1. Finalmente uma ideia válida e sincera ,é este tipo de debate que os blogues podem proporcionar,penso que todos queremos uma Cidade com uma melhor qualidade de vida e dinâmica,cuidar dos espaços dentro e fora muralhas,embelezar as praças do centro histórico,Exigir aos empresários da restauração mais limpeza e higiene nos seus espaços,não permitir que os lixos continuem a ser despejados nos contentores sem o mínimo de cuidado ,as calçadas estão uma vergonha é só gordura,o mercado mensal é uma autêntica lixeira,o mercado do Bacêlo ao sábado é outra lixeira.As rotundas é mato e pedras,o piso é terra,causador de acidentes,a sinalética desapareceu,as passadeiras mal colocadas.

    Em relação a animação cultural penso que Cenas ao Sul é uma iniciativa de Louvar já que envolve bastantes agentes culturais e a cãmara não gasta dinheiro com a iniciativa.

    ResponderEliminar
  2. Não percam amanhã entrevista de Seguro.............arrasa o PS de Costa e de Sócrates......na Visão.

    ResponderEliminar
  3. Para que serve o dinheiro do IMI??? Para entreter a malta à volta dos palcos na Praça do Geraldo sem Pavor

    ResponderEliminar
  4. A atenção da Universidade.

    Complexo desportivo do Colégio Espirito Santo,(campo de futebol,campo de basket,campo de ténis e campo de futebol de sete) ao abandono,lixeira,arvores por cuidar ,muros uma lástima.

    Junto da muralha como é possível a reitoria deixar ao abandono este espaço ?

    ResponderEliminar
  5. DESLEIXO das entidades Públicas.

    O não funcionamento dos semáforos(cruzamento bac~elo)originou o atropelamento de uma criança.


    A queda de uma pernada de um plátano do campo de jogos da Universidade(colégio do espirito santo) para a circular podia ter causando ferimento ou danificado um carro.

    ResponderEliminar
  6. esta podia ser uma boa propsota, embora esteja confusa. como é que se leva os comerciantes a "pagar" as animações se fecham logo as 22.30, como foi dito? os comerciantes de évora? têm essa visão? quanto à cme, ha muito desconhecimento (ou provocação), já que o dinheiro é do inalentejo e turismo. quanto a "animações", já estou como o outro: querem palhaços, paguem. o resto são discussões de quem tem o seu ao fim do mês garantido.

    ResponderEliminar
  7. Não pode ser a Câmara a decidir o que devem ou não fazer os hoteleiros e outros comerciantes da cidade. Claro que se todos (restaurantes, lojas, e particulares) tratassem da sua parte a cidade tinha um ambiente melhor. Não sendo cada um capaz de assegurar nas melhores condições quer a limpeza, quer a animação entre outros serviços, a câmara tem de assegurar. O dinheiro de IMI e outros que conseguir servem para isso.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.