terça-feira, 1 de julho de 2014

Cultura da simplicidade, essa desconhecida

Confesso que tenho muitas dificuldades em entender e encontrar definições para o conceito de simplicidade aplicado a pessoas. E sobretudo não me revejo em utilizar “simples” como um adjetivo elogioso, quando aplicado sem ser num contexto muito preciso e muito pouco possível de estender a toda uma vida.
Também é verdade que “simples” se tornou o antónimo de vaidoso, mas então se a simplicidade é uma tão grande virtude como não se ficar vaidoso quando alguém lhe aponta esta característica? É que até as situações que se dizem simples, de resolução se são um problema, me parecem sempre mais subestimadas do que integralmente resolvidas.
Ocupo-me do assunto porque tenho estado em situações que se dizem ora solenes, ora simples e não tenho conseguido entender a diferença. Uma cerimónia pode ser solene e simples, pode ser solene e complicada, mas é sempre uma cerimónia. Se não é uma cerimónia, há vários tipos de situações que também podem ser elaboradas. Elaborado é-me mais fácil de definir e classificar, sem juízos negativos ou positivos a priori. Elaborado é uma espécie de sinónimo de algo longo, que requer atenção e concentração, e em que os papéis dos diferentes intervenientes estão bem definidos e sem grande margem para improvisos.
Regressando às pessoas, não me parece que uma pessoa elaborada seja pior que uma pessoa simples. Até porque há pessoas, dizem-me nas descrições e comentários que delas se fazem, que quase poderíamos classificar de elaboradamente simples e outras de simplesmente elaboradas. As pessoas do primeiro tipo que agem de forma tão simples, ou tão aparentemente simples já que é preciso muita elaboração, que parece que estão, como diz o povo, a tentar “meter-nos Lisboa pelos olhos dentro”. Já as do outro tipo, com algum tempo e convivência, lida-se muito facilmente com algumas delas, nem que seja numa atitude de “amigo não empata amigo”.
Mas isto devo ser eu que alinho com o Paul Valéry que dizia: «O que é simples é sempre falso. O que o não é, não serve para nada.» Não sei se o Valéry aplicava a simplicidade às pessoas e o culto que se faz desta característica, para mim pseudo, nas loas que se lhes entoa. Mas é que com este aforismo de Valéry, começo a acreditar que a simplicidade, das coisas como das pessoas, tem um caráter utilitário, o que faz com que os humanos sejam recursos, para outros humanos, claro, e talvez esta taxonomia não seja mais do que uma tática de gerir o pessoal com quem vamos tendo de lidar no dia-a-dia. Tê-los como simples é sempre meio caminho andado para, das duas, pelo menos uma: ou a simplicidade dos outros nos dar menos trabalho e nos facilitar a vida; ou, talvez mais honestamente, ao etiquetar alguém de simples permitir-se que dela não se espere muito, o que a acumular com a honestidade tem muito de indecente. Enfim, Valéry faz-me acreditar que por trás de uma simplicidade está sempre muita elaboração e, como tal, há que antes de louvar ou criticar com o termo em causa, perceber o caminho percorrido para se adquirir esse estatuto tão socialmente relevante de pessoa simples.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

11 comentários:

  1. Uaaaaaaaahhhhhhhhhhh......... (enorme bocejo)

    ResponderEliminar
  2. Dr.Cláudia é pena não ter uma palavrinha para os jovens,que compraram casa na urbanização das pites.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se tivesse uma palavra seria do género "Vão-se lixar que eu quero é votos no partido chucha!".

      Eliminar
  3. DRa Cláudia também uma pessoa simples no bom sentido, acho-a pretensiosa se me engano peço desculpa

    ResponderEliminar
  4. Não faltem ao comicio,Costa vai falar do POLVO BES,das ligações aos partidos,jornalistas,Hospitais para as Misericórdias via BES,não FALTEM este HOMEM de CORAGEM vai falar do POLVO BES.

    ResponderEliminar
  5. Do POLVO ou do Robalo?

    ResponderEliminar
  6. O escândalo do BES está "queimar" muitos analistas do sistema....................................

    ResponderEliminar
  7. Finalmente ! Acabou a porcaria da feira dos comunistas.

    ResponderEliminar
  8. Agora descobriu-se que a mae do joao olivira é o gajo da azia. Agora está tudo explicado. Essa mulher é muito mal educada.

    ResponderEliminar
  9. olhando para a simplicidade da Drª Cláudia - e para o seu passivo (histórico) em termos culturais - percebe-se desta crónica que petulância e "elaboração" são, no seu caso, sinónimos de "desconhecimentos".
    Até para a semana.

    ResponderEliminar
  10. Esta mulherzinha não existe, ponto!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.