terça-feira, 3 de junho de 2014

Junho religioso, popular, cultural

Junho é o mês dos Santos populares, os da casa, que saem para a rua com o chegar do calor. Diferentes e os mesmos nas diversas zonas do nosso país, da aldeia mais interior à capital e arredores, do bairro à avenida, onde há um deles sempre com festa mais rija, às vezes por razões que se perderam no tempo.
Cá para mim, tem a ver com este jeitinho humano de que sempre que haja uma boa desculpa, com a bênção do santo, se possa arejar do “ram-ram” dos dias, de preferência aqui ao pé de nós mas também com o argumento de dar uma espreitadela na festa da vizinhança. O assunto prolonga-se Verão adentro, com a desculpa do santo, da padroeira ou da tradição que alarga o altar até ao adro e o transforma em recinto de festas com bailarico, febras e sardinhas.
Mais recentemente também os festivais de música começam logo em pré-Verão, tão em catadupa vão sendo que reclamam este espaço extra no calendário. Nestes mandam as tábuas onde se inscrevem as leis do negócio, porque se o entendimento do mundo se pode explicar com o divino, mantê-lo a rodar com as leis da natureza, mantermo-nos nele implica esforço humano.
Todas elas são festas que são trabalho para muitos e inegável ócio para muitos mais. Uma indústria de lazer, de espetáculo, mas também de tradição que ou é mesmo, ou se vai fabricando rezando aos santinhos todos para que pegue a moda e fique o gosto, e os euros possam continuar a chover como fogo-de-artifício no céu, velinhas que se acendem para haver motivo de voltar-se para o ano, promessa cumprida e a repetir.
O assunto, a par de uma leitura apaixonante que tenho estado a fazer de um jovem autor, Afonso Cruz, fez-me refletir sobre o conceito de cultura. Um conceito de definição tão extensa, abrangente e vária que, quem a quer hierarquizar, com critérios de geometria variável apesar da intenção científica e precisa, distingue a cultura, num lugar cimeiro de um escala difusa e ligada ainda assim a vários saberes específicos, de um outro substantivo plural, mais coletivo, culturas, saco grande para arrumar tudo o resto em aparente igualdade de oportunidades. Há ainda uma expressão “de cariz cultural”, ou equivalente, que deixa ao gosto do utilizador desse bem assim classificado meter no saco ou elevar ao nível singular. Para mim, a noção de cultura que melhor serve a fluidez do conceito, disse-o Pessoa, como outros o disseram de outras formas: «Cultura não é ler muito, nem saber muito; é conhecer muito.» Ou seja, para mim, as pessoas cultas não se medem todas pela mesma escala. Ao que diz Pessoa acrescentaria a partilha, mas isso sou eu que não sou poeta.
Ao Afonso Cruz enquanto escritor (como ilustrador já o conhecia), tive o privilégio de o ler em “manuscrito” na sua primeira obra premiada, já que fiz, com o António Torrado, parte do júri em que atribuímos o primeiro lugar unanimemente e com muita satisfação, em 2009, ao Os livros que devoraram o meu pai. Cumpriu-se o que já ali prometia e temos hoje um escritor, para além de um ilustrador e de um músico, porque o Afonso Cruz é também membro da banda Soaked Lamb que Évora já teve a oportunidade de ouvir na Feira do Livro de 2010.
Mas o que importou para esta crónica é que o último livro por ele publicado e premiado, Para onde vão os guarda-chuvas, uma metáfora da morte, nos fala dela e da vida, e das diferentes culturas de as ligar à existência humana, isto é, a religião. Um ecumenismo que é também literário, quase me atrevia a dizer, até porque o próprio livro enquanto objeto é todo ele um lugar de confluência e convocação de várias artes que ali caibam. Desconheço, e não é uma condicionante, a fé do autor, mas parece-me que o que ali temos, para além do prazer da leitura, ajuda qualquer leitor a crescer na sua própria cultura religiosa, para além da literária, claro. Mais do que as diferenças nas devoções, uma cultura religiosa nunca o é se não se confrontar, com a devida tolerância civilizacional que se espera de quem é culto, com outras, conhecendo-as. Aconselho vivamente.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

5 comentários:

  1. lANCEMOS UM MOVIMENTO
    Paulo Morais á presidência da República em 2016, se Marinho Pinto conseguiu 7% não chegando aos calcanhares de Paulo Morais. Este é um modelo de coragem e denuncia da corrupção em POrtugal.
    Ele diz e com razão eu como o sistema está montado á assembleia da República é a verdadeira sede da corrupção, a raposa a tomar conta das galinhas.
    O ex- chefe de gabinete da ministra da justiça engendrou uma lei para punir o enriquecimento ilicito, mas confessou-me ser contra a ela, onde isto chegou. A Politica é um faz de conta, á mulher de Cesar não basta ser séria, mudemos senão acabamos na mais abjeta miséria e eles engordando á nossa custa

    ResponderEliminar
  2. Blogue de apoiantes de António Costa,comparam Seguro a Hitler.

    ResponderEliminar
  3. PODEMOS

    Todos aqueles que não querem uma "DITADURA do BLOCO CENTRAL",devem Unir Forças para impedir a nova Legislação que está a ser preparada pelo partido Socialista,a ser concretizada PS/PSD terão SEMPRE MAIORIA absoluta,tudo o resto desaparece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oxalá desapareça o PCP . isso já ajudava a democracia.

      Eliminar
  4. Francisco Louçã perante as eleições europeias de 25 de maio, já concorda com o PCP. vamos ter que sair do Euro e talvez da des-União europeia. Temso uma dívida de 225 mil milhões de euros que a Alemanha nunca vai querer mutuallizar, muito menos reestruturar. Só temos uma saída do euro senão a divida vai aumentando a austeridade nem daqui a 80 anos vai terminar, hipotecamos o nosso futuro e das gerações vindouras. O arco da governação gorverna para os credores, são funcionários do FMI, Do Goldman Sachs mesmo enquanto ministros, são a esses que eles obedecem. Deixem a merda do mundial isso não dá comer aos vosso filhos, nem lhes vai arranjar emprego, nem todos podem ser Cristianos Ronaldos.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.