terça-feira, 10 de junho de 2014

Cultura da solidariedade

Prosseguindo às voltas e em volta do conceito de cultura, neste dia de Portugal, falarei sobre a cultura da solidariedade, algo que podendo ser inerente à bondade quase inata das pessoas, também se pode ensinar e tornar-se uma prática civilizacional na organização de uma sociedade evoluída.
De certa forma, este cultivar da solidariedade, surgiu-me a propósito de alguns assuntos recentes, sendo um deles o facto de se terem passado e assinalado os 70 anos do desembarque na Normandia, Dia D que marca a solidariedade dos povos aliados e que queria aqui simplesmente evocar.
A solidariedade às vezes parece-se com os almoços, que nunca são de graça. E tal como a caridade está para o estado social, também o antepassado mais comum da solidariedade se pode confundir com o conceito, por exemplo, de favor. Relações que hierarquizam forças entre quem pode mais e menos, mas de forma não absoluta, isto é para sempre, mas circunstancial, ou seja, em diferentes momentos da vida. É esta declinação do conceito de solidariedade que o autor francês das fábulas La Fontaine evoca quando escreve "Há que, na medida do possível, prestar favores a toda a gente: quantas vezes não precisamos de quem é menos do que nós."
Este princípio da solidariedade que existe também entre os Estados, por exemplo da União Europeia, mesmo quando em alguns desses Estados se implementem políticas neoliberais que põem em causa o próprio papel do Estado, faz com que todos contribuam para uma espécie de conta, com quantias dependentes das diferentes situações económico-financeiras de cada um, de forma a que, quando um deles atravessa um período de crise, todos os outros contribuam para essa situação de emergência. Foi o que até Portugal fez, em relação à Grécia ou, numa escala maior que a europeia, aquando da tragédia do tsunami na Tailândia também várias nações contribuíram para ajudar aquele país. Claro está que estas doações são feitas partindo do princípio que aqueles a quem é doado se empenharão em recompor-se, até porque aquilo que damos agora pode fazer-nos falta mais tarde e devemos esperar para além da solidariedade a reciprocidade. É aqui que entra a história dos almoços que nunca são grátis…
Tudo isto parece-me simples de entender, quando o caminho é evitar que haja os cada vez mais pobres e os cada vez mais ricos. As pinturas murais do tempo do PREC eram muito claras em relação a esta espécie de justiça social, ainda que só se referissem ao primeiro movimento de dar e não ao outro de retribuir. E refiro-me em particular às frases como «os ricos que paguem a crise» da extinta UDP que têm agora um outro discurso mais elaborado, mas que todos continuamos a perceber, que é o de taxar as grandes fortunas.
Está bom de ver que quando se dá alguma coisa a alguém se investe nesse alguém ou no relacionamento que se tem com esse alguém, esperando-se a dita reciprocidade. Por isso nos indignamos quando vemos a Alemanha a indispor-se quando tem de ajudar a Grécia ou Portugal, como se nós com esse dinheiro não fossemos até comprar produtos exportados pela Alemanha. O que é estranho é ouvir da boca de certos governantes que entendem que os governos que estão mais folgados não estão naturalmente dispostos a ajudar aqueles que, por razões várias e nem sempre de responsabilidade própria, têm menos capacidade de governar para que os seus cidadãos tenham o mesmo bem-estar social que os outros. Mas aconteceu.
A Câmara de Évora esteve presente na discussão de uma proposta do Governo sobre a criação do Fundo de Apoio Municipal, um fundo que servirá para os municípios recorrerem em caso de dificuldade e para o qual contribuirão os municípios e o estado central. Na discussão, que ainda decorre, as partes ou dotações que cabiam a uns e a outro eram visivelmente desequilibradas, sobretudo quando pensamos em autarquias que se substituem ao estado central em inúmeras áreas, dada a relação de proximidade e conhecimento do território. Mas eis senão quando o que também suscitou dúvidas, imagine-se, foi o facto de as autarquias que estão em boas condições financeiras terem de dar mais do que as outras. Desta vez e neste caso, os ricos não estão para pagar a crise! Onde está então a cultura da solidariedade?
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na Rádio Diana)

2 comentários:

  1. O PCP apostou numa Margarida Machado que veio de Montemor,acabar com os Sindicatos em Évora. E já o conseguiu ! A mulher nem para dona de casa servia,quanto mais para sindicalista. Mas a estupidez do PCP,ainda não se ficou por aí...Também de Montemor,pela mão da Margarida Machado veio outra NULIDADE, Celeste Lerias.
    Ou seja: O PCP vai buscar gente de fora de Évora,que detestam a cidade,para tomarem conta,( destruirem ) do Movimento Sindical.
    Resultado disto tudo: Fizeram o que a direita NUNCA conseguiu fazer...DESTRUIR OS SINDICATOS !
    OBRIGADO PCP !

    ResponderEliminar
  2. Coitadinho do Seguro! Andou toda a vida a sonhar em ser primeiro ministro e agora que parecia tão perto... fica a chuchar no dedo!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.