sexta-feira, 23 de maio de 2014

Reunião sobre fecho de caminho público entre Évora e Valverde foi adiada


A reunião marcada para hoje, com mediação da Cãmara, entre os proprietários do terreno que fecharam o acesso ao caminho público que liga há centenas de anos Évora a Varlverde e os promotores do abaixo assinado contra esta situação, foi adiada para data a anunciar.
O "aconcotons" soube que a reunião marcada para esta tarde às 18,30H, no edíficio da Câmara Municipal, foi adiada pelo facto de "um dos proprietários do terreno não poder estar presente" pelo que foi decidido não realizar a reunião.
"Posteriormente será marcada nova data", disse uma fonte camarária ao "acincotons".

9 comentários:

  1. Aquilo que se está a passar na zona de Évora é vergonhoso, faço BTT às mas de 20 anos, e na altura percorria todos os caminhos rurais que ligavam montes e herdades, sem qualquer constrangimento, isso deu-me uma imagem da minha região que até ai não tinha. Infelizmente, pouco e pouco os caminhos foram sendo “fechados”, chegando ao ridículo de actualmente praticamente não temos nenhum caminho rural por onde se possa transitar, o que na minha opinião até em parte é ilegal, senão vejamos:
    1 – O BTTista não é nenhum criminoso, ele apenas gostar de se passear com a sua “máquina” vendo as lindas paisagens alentejanas;
    2 – Praticamente todos os caminhos rurais estão assinalados na carta militar de 1:25.000 o que só por si torna o seu fecho ilegal;
    3 – O caminho em apreço, faz parte de um circuito devidamente legalizado (o circuito do Monfurado) com início junto ao ÉvoraHotel, passando por Santo Antonico seguindo sempre em frente até Valverde, e dai até à Serra do Monfurado.
    4 – Este caminho está devidamente assinalado nos circuitos turísticos e para o efeito recebeu verbas do da União Europeia (Proder??), logo, tenho quase a certeza que se houver uma queixa junto dos Promotores que elaboram os circuitos (mapas), bem como sinaléticas que se encontram por todo o caminho, os mesmos tomarão medidas que irá contra esta irregularidade.
    Infelizmente nós alentejanos, aos longos dos séculos sempre fomos despojados dos nossos direitos, (foi assim com os nossos Pais, que foram autênticos escravos dos donos da terra “terra tenentes”), mas nós, geração da democracia do pós 25 de Abril havemos de lhes mostrar que a terra e os caminho não têm dono, e a livre circulação é um direito de todos e não apenas de alguns privilegiados. Querem grandes vacarias, tudo bem, então façam protecção quer para os animais quer para as pessoas.
    Finalmente, esta câmara parece que têm medo de enfrentar os senhores da terra. Longe vão os tempos em que era o povo quem mais ordenava.
    MdM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que sugeres? Que se ocupem a herdades e se prendam os proprietários prevaricadores?

      Eliminar
  2. A àgua da torneira está a mais de 1.5 euro o metro 3 e ainda por cima sabe a fénico.
    Ainda será herança Ernestina?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É obviamente o resultado da herança Ernestina.
      Quer pelo negócio ruinoso que fez com as Águas de Portugal, quer pela desastrosa adesão a um progama dito de apoio às economia local, também conhecido por PAEL.

      Eliminar
  3. Polémica com o parque de estacionamento junto ao Novo Hotel,utentes do parque saíram PREJUDICADOS(obra aprovada pela gestão PS),a saída do Parque é exígua,totalmente Absurdo,mais uma Obra da excelência PS.

    ResponderEliminar
  4. Só reuniões de merda e pretextos para não fazer nenhum, a comunalha.


    Algum comum na câmara estará preocupado em trazer capitais para Évora para se criar emprego???
    Estão-se é absolutamente cagando...é preciso é que os sabujos funcionários tenham emprego público à conta dos otários que andam a descontra pra cambada

    ResponderEliminar
  5. Os comunistas chamam fascistas aos outros...mas eles é que destruiram e roubaram os SINDICATOS em Portugal.
    Os trabalhadores téem de ter medo é dos comunas,que são quem mais os tem prejudicado.

    ResponderEliminar
  6. Obviamente que não pretendo que se ocupem as herdade nem se prendam os proprietários. Não estamos na Reforma Agrária. Pretendo apenas e somente que as estradas sejam abertas a toda a população. Aliás, parece que a autarquia desconhece, ou será pura IGNORÂNCIA?, é que uma estrada "desenhada" numa carta militar de 1/25 000, não pode ser fechada nem interdita seja a quem forma , é uma estrada/caminho publico, ou seja de todos, se os donos das herdades por onde a mesma passa pretendem que estas sejam protegidas por causa dos animais, nomeadamente da raça bovina, então só tem uma coisa a fazer, é colocar cerca junto às mesmas.
    MdM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos vistos tu é que desconheces as leis que têm sido congeminadas e aprovadas pelo Centrão no poder há décadas.
      Se conhecesses saberias que as cartas militares só fazem prova de alguma coisa se for confirmado por um Tribunal.

      E também saberias que esta nova lei do Centrão inverteu o ónus da prova.
      Anteriormente as Câmaras tinham capacidade para determinar o que eram caminhos públicos e de utilização pública. Se os proprietários dos terrenos não concordassem com as câmaras teriam de reclamar os seus direitos em Tribunal.
      Agora é ao contrário. Os proprietários dos terrenos podem fazer o que lhes dá na gana e terão de ser os interessados ou as câmaras a reclamar em Tribunal.

      Como se percebe esta inversão faz toda a diferença.
      Não sei se é mais justa ou injusta. Mas o que não é justo é dizer que a culpa é das câmaras, quando as culpas estão claramente no lado do legislador.

      Uma coisa é certa. Daqui a uns anos não haverá nem a décima parte dos caminhos públicos actuais.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.