quinta-feira, 22 de maio de 2014

Escolhas

Aproxima-se mais um momento em que todos somos desafiados a escolher entre diversas opções que nos são presentes para eleger representantes num fórum de decisão.
É altura de avaliarmos o que é, de facto diferente, e escolher em alternativa, sob pena de transformarmos um voto que se poderia pretender de mudança num voto inútil para esse fim.
Os dois partidos que têm ganho as eleições para o parlamento europeu, alternando os resultados, são como irmãos siameses que parecem desavindos nas campanhas eleitorais para depois passarem cinco anos a tomarem em conjunto as mesmas posições.
É preciso um grande esforço para descobrir uma qualquer votação ou posição de fundo em que PS, PSD ou CDS tenham estado em posições diferentes no parlamento europeu.
Não negam, aliás, que em matéria de União Europeia estão alinhadinhos como soldados na parada, como ainda há pouco tempo se verificou com a ratificação do tratado orçamental, instrumento de perpetuação das políticas de austeridade.
Nesta campanha eleitoral a palavra mudança tem soado estranha na boca de dirigentes e candidatos do PS pela enorme dificuldade em explicarem aos eleitores as suas diferenças do PSD e CDS em matéria de política europeia.
No próximo domingo a verdadeira escolha não pode ser entre o PS e o PSD/CDS, porque significaria escolher entre dois caminhos no mesmo sentido, porque aquilo que se exige é a mudança de rumo para um destino diferente.
Para quem procura um voto que leve a um caminho diferente para um outro fim é de uma total inutilidade a opção entre um dos dois partidos que têm dominado a representação nacional no parlamento europeu.
A solução tem que ser de ruptura com esta política e essa só pode ser garantida com o voto em quem coerentemente tem defendido os interesses dos trabalhadores e do país, com posições que em nada se comprometem com as assumidas pela maioria do tal arco da governação.
Mesmo os que pensam no voto no PS como forma de castigar o governo, deveriam ponderar se dessa forma estarão mesmo a castigar as políticas seguidas pela direita no poder.
Basta lembrar quem iniciou este caminho dos cortes e de liquidação das funções sociais do Estado, com os PEC’s, com os encerramentos de serviços públicos, com a desvalorização dos trabalhadores da função pública…
O voto para ter uma utilidade deverá ser consequente e quem pretende de facto a mudança deverá reforçar as posições dos que sempre se opuseram ao caminho do desastre e estiveram presentes em todas as lutas contra esta política que, à vez, a troika nacional nos tem imposto.
Vamos lá dar utilidade ao acto de votar para que a mudança possa mesmo acontecer.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na Rádio Diana)

9 comentários:

  1. Não votar é um dever cívico de qualquer português consciente.

    O Par(a)Lamento Europeu tem setecentos e tal deputados, dos quais vinte e pico são portugueses: logo, não têm capacidade para decidir coisa nenhuma. Até porque se ocupam em se combater uns aos outros e não em defender Portugal.

    Quem manda na Europa são os alemães, o Par(a)Lamento Europeu é uma fantochada, uma enorme despesa que não se justifica.

    Por cada voto expresso, o Estado português entrega 3,50 Euros a esse partido; o que representa uma enorme despesa; uma inútil despesa de dinheiros públicos que muita falta fazem noutros lugares.
    Logo, o nosso dever é a abstenção. Poupamos incómodos e poupamos milhões ao Estado.

    Para reflectir: alguém se lembra de alguma medida/conquista importante para Portugal que tenha sido conseguida pelos euro-deputados e que, sem eles, não tivéssemos?
    Se alguém sabe, que o diga aqui. A sério, puxem lá pela cabeça. A que conclusão chegam? Pois, eu também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este pateta acredita que se não votar o Estado português entrega 3,5 euros a causas úteis à sociedade. Pobre ingénuo! O mais provável é acabarem no bolso de algum banqueiro alemão.

      O que o patetinha pode ter a certeza é que, vote ou não vote, o que a nós tanto se nos dá, são eleitos de certeza 21 deputados. A única coisa que consegue é abdicar do direito de também escolher quais são.

      Faz lembrar as "abstenções violentas" do Seguro. Não fazem mossa a ninguém, especialmente a quem está no poder, que até agradece. É destas abstenções que a troika gosta, caladinhos não se fazem ouvir, quantas mais melhor.

      Eliminar
    2. E a si alguém o ofendeu? Porque tem de descer o nível? Não sabe fazer melhor?
      Patetinha foi a sua mãe, que podia ter estado a ler um livro (saberia fazê-lo?) enquanto esteve a fazer a asneira da qual você nasceu uns meses mais tarde.
      Pois fique sabendo que, se houver milhões de votos, o Estado entregará milhões de euros aos partidos (está na lei!). E depois, para repôr esse dinheiro, vão cortar mais nas reformas e nos ordenados ou aumentar mais ainda os impostos. Percebeu agora ou precisa de um desenho?

      Eliminar
    3. E se esses milhões de votos diminuíssem , como parece ser a sua vontade, o Estado não corta mais nas reformas e nos ordenados ? Faça-me lá esse desenho!

      Eliminar
  2. Ai Eduardo Eduardo só falas falas e não dizes nada a não ser enganar alguns com pouca cultura que é o que o PCP mais deseja.
    No Domingo Portugal irá virar à esquerda como o PCP tanto deseja.
    Mas vejamos enquanto viramos a esquerda a Europa vira à direita como se explica isto?
    Isto irá ter consequências uma vez que assim Portugal não terá qualquer hipótese de pressionar a Europa.
    Alguma coisa está mal em Portugal uma vez que anda sempre com a direção desalinhada. Puxa sempre para o lado errado e anda sempre em contra mão.
    Vamos ver o que vai acontecer.

    ResponderEliminar
  3. O parque de estacionamento em frente ao lar Barahona encontra-se quase sempre lotado,o movimento é grande,a situação Agravou-se com a remodelação da única saída do parque(junto a antiga Albergaria vitória),não se entende que a cãmara(aprovado na gestão PS) permita a redução da faixa de rodagem,tornando Caótica a saída do parque.

    Mais uma prova de favorecimento a um militante do ps,a ocupação do espaço publico ,prejudicando dezenas de moradores e frequentadores dos estabelecimentos comerciais.

    ResponderEliminar
  4. Isso do PCP e dos VERDES.....é a maior treta....para fingirem que sao 2 partidos,fica a parecer que sao DEMOCRATICOS,quando na verdade,É APENAS PCP. Depois chamam-lhe CDU ahahhah

    NAO VOTEM NESTA CANALHA.

    ResponderEliminar
  5. Realmente, o PCP foi sempre um partido de enganos,conspirações e truques e traições. Eles são falsos. Batem-te nas costas e até te abraçam...para logo depois se reunirem em segredo,para te fazerem a "folha". Quem lida ou já lidou com esta gente,sabe bem que não são de confiança,e que não defendem os trabalhadores,e muito menos o Povo. Conheçam-nos de perto,de modo que eles falem e actuem abertamente...depois,tirem as conclusões. Na Televisão,são uma simpatia,parecem tão boas pessoas...eheh.
    São tal e qual os mafiosos.
    E ainda conseguem iludir muita gente.Ainda têem 10 % de votos.
    Não estou a defender os fascistas,nem Bloquistas,nem nenhum outro partido. Apenas denuncio estes FALSOS DEFENSORES DO POVO !
    Conheço-os "infelizmente" demasiado bem.

    ResponderEliminar
  6. Realmente, o PCP foi sempre um partido de enganos,conspirações e truques e traições. Eles são falsos. Batem-te nas costas e até te abraçam...para logo depois se reunirem em segredo,para te fazerem a "folha". Quem lida ou já lidou com esta gente,sabe bem que não são de confiança,e que não defendem os trabalhadores,e muito menos o Povo. Conheçam-nos de perto,de modo que eles falem e actuem abertamente...depois,tirem as conclusões. Na Televisão,são uma simpatia,parecem tão boas pessoas...eheh.
    São tal e qual os mafiosos.
    E ainda conseguem iludir muita gente.Ainda têem 10 % de votos.
    Não estou a defender os fascistas,nem Bloquistas,nem nenhum outro partido. Apenas denuncio estes FALSOS DEFENSORES DO POVO !
    Conheço-os "infelizmente" demasiado bem.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.