terça-feira, 27 de maio de 2014

Atos únicos, fenómenos de massas

Votar, para mim, é um ato solene. Faço-o com a mesma comoção com que oiço o hino. É o meu gesto mínimo e fundamental para honrar a liberdade que outros conquistaram, essa em que vivo há 40 anos e que me dá a honra da participação, pelo menos através do voto, ao eleger quem me represente na gestão do país, nem que seja, como nas eleições de domingo passado, num espaço alargado europeu.
Trata-se, intimamente, de um ato institucional muito meu. Quase me apetece estrear uma roupinha nova. Eis se não quando, na minha procura de citações sobre liberdade, respiguei a seguinte frase: "Ser-se livre não é nada fazer, é ser-se o único árbitro daquilo que se faz ou daquilo que se não faz."O autor é um francês (hélas!), filósofo e moralista, do século XVII, Jean de La Bruyère que ficou para a história com apenas uma obra a considerar, mas que acertava aqui em cheio no tema que queria aflorar nesta crónica pós-eleitoral que espelha como o meu dia de reflexão foi muito mais o dia seguinte do que a véspera: poder votar e não o fazer quando já se quis e não se podia.
O número dos que não votam é um fenómeno que começo a considerar de massas. Uma multidão que, a juntar-se aos que nasceram já com a liberdade de voto, não lhe dá o valor que já deram os que sabem o que é não poder votar e que ao fim de 40 anos desistem. Isto em Portugal, que na mais velha democracia do mundo, os EUA a abstenção é há muito um sucesso eleitoral. Um fenómeno que engrossa as massas, pois então… Impossível não o achar, quando a vitória é a abstenção e a população está tão envelhecida. Ora eu que dedico uma parte do meu interesse profissional à literatura e cultura de massas, o que me faz conhecer, no meio do que tem interesse, do piorzinho que por ali anda e que desperta paixões e seguidores aos magotes, até tenho uma visão minimamente compreensiva de quem não vai às urnas, como sói dizer-se. A única coisa que posso fazer é, na minha atividade e nos meus relacionamentos pessoais e sociais, tentar alertar essas pessoas para os benefícios de mudarem essa atitude. Como quando encontro quem sendo um leitor apaixonado de um determinado autor fraquito ou de um tipo de livro insonso, tento, dentro do género e da temática, dar-lhe a experimentar algo melhor, sem que essa experiência lhes destrua nunca o prazer de ler.
É o que parece estar a acontecer com estes não-eleitores. Partindo do princípio que os que são hoje não-eleitores já foram eleitores minimamente convictos, e que o assunto da gestão do bem público por determinadas pessoas em quem a delegamos os desiludiu, deixando-os em casa, é o mesmo que perdermos um bom leitor ainda que de um género de livros que, em termos literários e querendo ser literatura, deixam um bocadito a desejar. Estaria, quem como professor de literatura tem a missão de angariar mais e melhores leitores, a prestar um péssimo serviço à sua profissão e havia que melhorar o estado das coisas para reverter a situação. Felizmente, uma nova geração de excelentes autores (em Portugal mas não só, e alguns dos mais velhos também, não sejamos injustos) vai conseguindo ganhar recém-leitores e inverter esta tendência.
O que parece transparecer deste fenómeno de massas, agora aplicado assim à abstenção, é que ao invés de se pensar em melhorar a imagem, e o conteúdo já agora, da representação que os eleitos significam para os eleitores, o que é função não apenas dos políticos como dos que fazem opinião, haverá uma meia-dúzia a quem interessa que uma imensa maioria fique em casa em dia de eleições. Parece, digo eu.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na Rádio Diana)

18 comentários:

  1. Pedro Passos Coelho versus Miguel de Vasconcelos e Brito (c. 1590 1 — 1 de Dezembro de 1640 2 ), político português, desempenhou no Reino de Portugal os cargos de de escrivão da Fazenda3 e de secretário de Estado (primeiro-ministro) da duquesa de Mântua, vice-Rainha de Portugal, em nome do Rei Filipe IV de Espanha (Filipe III de Portugal) e valido do conde duque de Olivares4 . Era odiado pelo povo por, sendo português, colaborar com a representante da dominação filipina(alemã). Tinha alcançado da corte castelhana de Madrid plenos poderes para aplicar em Portugal pesados impostos em nome da troika, os quais deram origem à revolta das Alterações de Évora (Manuelinho) e a motins em outras terras do Alentejo. Foi a primeira vítima do golpe de estado do 1º de Dezembro de 1640. Depois de morto, foi arremessado da janela do Paço Real de Lisboa para o Terreiro do Paço, pelos conjurados.

    ResponderEliminar
  2. Nigel Farage luta como bom Inglês
    com eles no sitio contra o poderio alemão.
    Passos e Portas ajoelham-se quando Vêm Merkel a patroa.
    A UE europeia foi criada para evitar o poderio alemão que ocasionou um desastre terrivel na Europa, porque carga de água hoje nos ajelhamos perante os nosso carrascos isso é de cobarde Miguel de Vasconcelos e Brito(passos coelho/Portas)
    Digamos basta de uma vez fora com os traidores este país tem quase 9 séculos, não é do cavaco, do barroso, do portas do passsos coelho é nosso, acordai povo manso.
    Só temos é tomates para sovar as companheiras somos incapazes da insubmissão, somos cobardolas povo medroso sempre de cócóras.
    Isso é uma posição para parir ou ser sodomizado, bom povo pensai com as vossas cabecinhas os poucos neurónios que tendes usaios

    ResponderEliminar
  3. Os partidos socialistas europeus chegaram ao fim da picada, e nada têm para dar ao povo trabalhador nos países onde ainda subsistem, a não ser a exploração e miséria que lhes reservam os partidos do grande capital.

    O partido socialista grego – o Pasok – depois de andar durante dois anos a trair o povo grego em conúbio com a Alemanha e a Tróica, quase desapareceu de circulação, remetendo-se hoje a um quarto lugar no espectro político helénico, atrás do próprio partido nazi, sempre em aliança com os partidos de direita.

    O mesmo se está a passar em França, onde o partido socialista de Hollande, com maioria absoluta em 2012, ficou ontem reduzido a 13% do eleitorado francês. O partido socialista espanhol, apesar de estar no Poder o partido á sua direita, foi ontem desautorizado pelo eleitorado, obrigando o secretário-geral do PSOE a demitir-se e a convocar um congresso extraordinário.

    Os partidos socialistas europeus acabaram ou estão em vias de acabar. Como sucede com o PS de Seguro, de António Costa, de Sócrates ou de Ferro Rodrigues.

    O desaparecimento dos partidos socialistas europeus, aliados dos partidos da direita e da extrema-direita, constitui um progresso para os defensores do Trabalho.

    Os trabalhadores portugueses não devem alimentar ilusões sobre Seguro, António Costa, Ferro Rodrigues e Sócrates: tudo pertence à mesma cambada de oportunistas. O seu desaparecimento é um progresso para a democracia.

    Com o PS, seja de Seguro, de Costa, de Sócrates ou de Ferro Rodrigues, nunca haverá um governo democrático e patriótico em Portugal, susceptível de recuperar a independência nacional.

    ResponderEliminar
  4. Espanha: Lider da oposição socialista demite-se.

    Rubalcaba:" Há pessoas que se lembram que isto começou quando nós estávamos no governo.È preciso mudar as formas de fazer politica."

    ResponderEliminar
  5. 37 anos de Centrão...........caímos no PANTÂNO...................

    ResponderEliminar
  6. O PS está a prestar um grande serviço ao governo e aos grupos financeiros..........................para que serve este PS ?

    ResponderEliminar
  7. Carlos César.......João Proença ?

    Os senhores que se seguem ?

    ResponderEliminar
  8. MASSACRE na Ucrânia..........centenas de mortos civis feitas pelos fascistas de Kiev.

    ResponderEliminar
  9. E esta? Joga pelo Seguro ou dá à Costa? Era bom saber, para ver para que lado correm as águas socialistas... A colunista fica sempre à tona de água, sobretudo quanto mais putrefacto é o charco.

    ResponderEliminar
  10. 19:45
    Se os de KIEV são fascistas o que acha que são os RUSSOS?
    Vocês ou são vesgos ou não querem ver.
    Só mesmo os comunistas pensam assim onde está a soberania da UCRÂNIA?
    Gostariam que os vossos vizinhos lhes fizessem o mesmo?
    Longe da porta é o que diriam.
    Então tenham dignidade de defender o povo Ucrâniano que luta pela sua Soberania que não é crime nenhum.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deves ser dos olham para o mundo com o olho traseiro, e ainda julgam que vêem alguma coisa.

      Eliminar
  11. 21:18,a matança de civis é sempre um massacre sobre inocentes,sejam eles cometidos por Russos,Ucrânianos ,americanos ou Chineses.................nas ultimas horas foram mortos centenas de civis.............................a Ganância entre Ocidente e Russia em se apoderar da região já levou a milhares de mortos.

    ResponderEliminar
  12. PS em estado de Guerra.................................

    ResponderEliminar
  13. Lider da distrital do Porto acusa Manuel Pizarro(líder da concelhia) de ter agido para que as europeias não corressem bem ao partido para retirar dividendos com a disputa entre Seguro e Costa.

    ResponderEliminar
  14. E as várias esquerdas não conseguem entender-se para em 2015 apresentarem uma LISTA PLURAL que ROMPA com a podridão deste pântano chamado arco do Poder?

    Bloco/Livre/MPT/PCP/PEV/dissidentes socialistas.............não conseguem uma plataforma para 2015?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por favor....PCP não !

      Eliminar
  15. Os partidos socialistas europeus chegaram ao fim,afogaram-se no poço da demagogia,alimentaram gigantes problemas com a livre circulação de bens e pessoas capital numa desrugulação total.
    A maioria dos europeus esta farta deste socialismo de esquerda sovietica que colocou todo o projecto em causa,ou mudam de politica e limpam os erros ou então as extremas vão surgir cada vez mais fortes,até o estoiro!

    ResponderEliminar
  16. Se não fosse este visionário de meia-tigela, o que seria de nós?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.