terça-feira, 1 de abril de 2014

Uni-morfismo - Conformismo

"Tornamo-nos no homem do uniforme que usamos" é uma expressão atribuída a Napoleão Bonaparte. Fui buscá-la esta semana a propósito do “magnífico” corte de cabelo do líder norte-coreano Kim Jong-un (não sei porquê mas a palavra “líder” na minha gramática acompanha sempre muito bem com a referência àquela nação em particular e que tem o seu máximo expoente de aplicação quando se lhe antecede o carinhoso adjetivo “querido”).
Foi, aliás, na qualidade de líder que, determinadamente, terá imposto a todos os homens daquele país o corte de cabelo igual ao seu. Parece que a medida está a criar algum incómodo aos norte-coreanos que passaram de um extenso cardápio de 10 possíveis cortes de cabelo – nem mais, nem menos – para esta uniformização que dita o que deve ir por fora da cabeça daqueles homens. Já as mulheres, essas têm um limite muito mais alargado, que até ver se mantém, de 18 modelitos para se comporem nos cabeleireiros. Tudo isto em nome de um maior conforto e capacidade de repelir os efeitos corruptíveis do capitalismo. Imagine-se!...
Se não fosse trágico, porque o que se passa na Coreia do Norte todos sabem embora alguns disfarcem, este assunto até era cómico, pelo ridículo não do penteado – gostos são gostos – mas do desejo do líder em reforçar a idolatria que acompanha e “faz pandã” com o comunismo e outros regimes totalitários e ditatoriais. E acaba por se tornar risível a ideia de que todas as fardas e uniformes servem para evitar o exibicionismo de uma diferença de estatuto e que, no que me agora ocorre, só consigo ver ainda aplicável com essa função ativa às fardas de colégios e, obviamente, aos trajes académicos, onde a feira de vaidades tem de transferir-se, porque persiste, humanamente, para outros sinais exteriores de diferença. Aliás, por muito uniformes que sejam as fardas, há sempre uns acessórios, desconhecidos pela generalidade das pessoas, mas reconhecidos pelo meio e por quem interessa, que distinguem as diferentes hierarquias e põem cada um no seu lugar, acima ou abaixo, mas sempre diferente, creem alguns para melhor, de quem não a usa.
Voltemos a Kim, ao seu penteado e à frase de Bonaparte. Aquilo que seria uma versão militar do ditado popular «o hábito não faz o monge» põe na aparência exterior um sinal com um peso simbólico, habitualmente vindo de um passado recôndito e grandioso, que limita e influi os comportamentos que se desejam, à partida, dignos para que se continue a merecer envergar essa aparência. Mas ao pôr na aparência esta importância, permite-se que muitos mais facilmente se escondam, também nela, disfarçando comportamentos que não a mereceriam. Enfim, uma coisa apenas compreensível para quem dá às roupas e aos cortes de cabelo não apenas o valor do conforto e do gosto, esses inimigos do povo, para os transformar em estilo de vida e até, imagine-se, forma de pensar, ou seja, obediência a uma determinada ideologia.
E por muito que esta manifestação do comunismo em estado puro, uma espécie de aldeia ou quinta pedagógica da ideologia defendida onde se criam em cativeiro exemplares para amostra, seja defendida por quem deseja que se replique no resto do mundo, não consigo deixar de achar trágico que estas notícias saiam a público e que esse resto do mundo se conforme com o que transparece deste uniforme.
Até para semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

8 comentários:

  1. Ora cá está uma patetinha que gosta de emprenhar pelos ouvidos. Nem sei o que é pior, se os desgraçados dos norte-coreanos que emprenham pelos ouvidos da propaganda do querido líder, se estas pobres de espírito, sem qualquer sentido crítico e completamente desprovidas daquelas capacidades mentais mínimas que permitem discernir uma descarada efabulação, que emprenham pelos ouvidos da propaganda do Pentágono. É que no segundo caso nem há desculpas, há meios de informação alternativos. O que falta é a inteligência e a preocupação ética elementar de averiguar da veracidade dos factos sobre os quais se despeja tanta parvoeira.

    ResponderEliminar
  2. Ó tolinha, olha que é dia das mentiras. Sei que a notícia do corte de cabelo, mais do que desmascarada e ridicularizada, saiu antes, mas era bom dia para refletir se fica bem à cronista deitar-se de borco a lamber tudo o que a descabelada propaganda americana lhe serve na gamela.

    ResponderEliminar
  3. Há uma petição pela reestruturação da divida que já conta com 30 0000 assinaturas
    UM blog como o cinco tons dava uma boa ajuda publicitando.
    Façamos dessa petição uma pressão a nível nacional um movimento de protesto contra este governo autista que está a destruir um POVO.


    Oiçam o contramão de Pedro Abrunhosa.
    Quem me leva os meus fantasmas.
    Temos que acordar porra, o caminho da miséria, da desgraça, da ignominia pode ser revertido.
    Este Poema alusivo ao 1º de Dezembro, que mudo algo para o contextualizar, hoje
    Tanto rugiu ameaças a tormenta,
    Que a Pátria, em sobressalto, abriu o olhar.
    Trinta anos dormíramos,trinta,
    Era já tempo, ao cabo, a de acordar!
    ***
    Numa explosão de cólera violenta,
    Levantámo-nos trémulos, a arfar...
    Quando, em vagas, de súbito rebenta,
    Mostra que inda tem músculos o mar!
    ***
    Voltem, sim,podem vir,façam-nos guerra,
    E desde o Oceano aos píncaros da Serra,
    Será nosso o pão nosso até final...
    ***
    Que esta certeza resta-nos ao menos:
    -Ela tão grande e nós, nós tão pequenos,
    Não coube nunca na Alemanha (De merkel)PORTUGAL!

    ResponderEliminar
  4. Prof.Claudia Pereira é mais fácil falar do tirano fascista KIM...................está lá longe............a sua colega Marta(católica),OBRIGA os funcionários a usarem farda,a Sra.Prof. sabe mas não se importa.

    ResponderEliminar
  5. Pelo ladrar da cãozoada dói-lhes a pancada.
    Pelas 19:35 e 19:44 temos os mesmos de sempre estejam no poder ou na oposição a atacar os adversários políticos pela calada do anonimato.
    Uns e umas cobardolas pois então que todos sabem quem são.

    ResponderEliminar
  6. Prof.Claudia gostava que tivesse essa Atitude em relação a instituição Universidade de Évora,onde o Totalitarismo de algumas chefias e reitoria,não é compativel num estado democrático.

    ResponderEliminar
  7. Claudia gostava de saber a sua opinião sobre o uso OBRIGATÓRIO de Farda (como no tempo da mocidade portuguesa) na Universidade ?

    ResponderEliminar
  8. Ó tolinha, papa lá mais esta:

    http://www.diariopernambucano.com.br/noticias/coreanos-serao-obrigados-a-reduzir-o-tamanho-do-penis-para-que-nao-ultrapassem-kim-jong-un/

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.