terça-feira, 1 de abril de 2014

Um japonês e outros ês (sem paciência para escrever, recorro ao escrito e às fotos do Carlos Neves)




Eu, INCULTO, me confesso. Parece que hoje esteve em Évora Tatsumi Orimoto, um dos mais importantes artistas plásticos do Japão. Vinha fazer, dizem os entendidos, uma "performance"....servir 500 avós. A este propósito estiverem cá "jornalistas de Lisboa" e quase todas as televisões fizeram directos da coisa e a RTP até fez uma emissão especial, durante todo o dia, do Palácio D. Manuel.
Quem organizou a coisa é uma Trienal do Alentejo, cujos apoios institucionais são: Presidência da República, Assembleia da República, Ministério da Agricultura, AICEP e a Secretaria de Estado da Cultura.
Eu, INCULTO, me confesso. Confesso que vi um senhor supostamente japonês, a servir creme de legumes em alguns pratos de plástico a senhoras idosas. A andar de um lado para outro aos berros e sempre acompanhado por uma sineta...parece que isto agora chama-se "performance". Mas o que eu mais gostei de ver foi o ar daquela gente toda. Tinham todos uma ar muito compenetrado de quem estava a perceber a coisa e a assistir a algo inquestionável e de um valor cultural transcendental. Quanto custou ao erário público a presença de tamanha estrela japonesa, que até trouxe cá o secretário de estado da cultura?

Carlos Neves (aqui)

20 comentários:

  1. Que mais me tocou,foi olhar para os furtos feitos no edificio desde ceramica a outros foi um autentico saque cultural,e o edificio hoje continua sem segurança e sem projecto para o defender com a utilização.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Tem toda a razão o Carlos Neves. A cultura que hoje é transportada para Évora pelos representantes institucionais do actual é Governo uma "fantochada" de todo o tamanho. E não alongo mais, que eu tal, como o Carlos Neves, sou um INCULTO. Não pertenço à elite cultural da cidade e sou considerado como um verme «pour les maîtres à penser» do PCP eborense. Chega-lhes Carlos Neves, nós, os incultos, te agradecemos.

    ResponderEliminar
  4. No comentário que enviei, há uma vírgula mal colocada na segunda frase. Emendo «que eu, tal como o Carlos Neves,...»
    J.F.

    ResponderEliminar
  5. E o que é que quer dizer "pelos representantes institucionais do actual é Governo"? Não, tu não és um verme. És mesmo só parvo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, eu sou parvo, vocábulo que na sua etimologia significa pequeno, fraco,.insignificante .E isso eu sou e não renego. Mas tu és parvo no sentido da evolução da palavra, que designa os pouco inteligentes, os cabeçudos e os que se põem de cócoras perante as ideologias castradoras do pensamento individual. Aproveitaste a inclusão de um "é" a mais na frase, para mostrares que além de cobarde (não revelas a tua identidade) não passas de um pobre de espírito. Por isso és um abençoado. " Abençoados os pobres de espírito porque é deles o reino dos céus...

      Eliminar
    2. E não só o reino dos céus. Deles são também as modromias que recebem cá na terra pelos tachos que ocupam: câmaras, ministérios, sindicatos, serviços desconcentrados, órgãos dirigentes das escolas e mais não digo, que esta gente mama cá na terra em tudo o que seja comedouro.

      Eliminar
  6. Eh Eh Eh. O que tu foste fazer. Espera pela resposta. Aí vem crónica de fazer chorar as pedras da calçada.

    ResponderEliminar
  7. Do que mais gosto é do ar de deleite que o Secretário de Estado da Cultura exibe na última foto. Onde estaria pespegada a mão do japonês (aquele que se não vê na dita fotografia?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai Ribeiro....Ribeiro...

      Eliminar
  8. Fazem um belo casal

    ResponderEliminar
  9. Enorme "arraial de pancadaria" na ESAG obrigou a intervenção policial dentro da escola.
    Resultado - Dois alunos da Esc Diogo de Gouveia de Beja, no hospital do Espirito Santo,vários em pànico e a escola em estado de sitio.

    E vivam os "Cursos Vocacionais" e o EPIS que permitem que uma minoria de energrumenos vandalize uma escola.

    ResponderEliminar
  10. O dia das mentiras foi ontem!!!cuidado com os erros..

    ResponderEliminar
  11. Para além dos erros... é estranho como quem estava dentro da escola não deu por "tal arraial de pancada"... Ai tanta vontade de destruir!!!!

    ResponderEliminar
  12. Eu, que sou inculta como o Carlos Neves, apenas posso deixar criticas de gente que sabe mais disto que eu...
    http://lounge.obviousmag.org/do_zepelim/2014/01/o-dia-em-que-didi-moco-desconstruiu-a-arte-contemporanea.html
    http://ecoexperiencia.blogspot.pt/2012/02/palavra-pintada-de-tom-wolfe.html
    O que sei é se gosto ou não gosto! Para mim o que é arte é aquilo que eu gosto e gostaria de ter feito só que não sou capaz!
    Lurdes

    ResponderEliminar
  13. Há uns anos, numa instituição da cidade havia, num pátio, uma "pedra". Um dia o chefe eleito dessa instituição, incomodado pela "pedra", pediu que ela fosse dali retirada por inestética, incómoda e haver necessidade do espaço. Que a atirassem, à "pedra", ao lixo.
    Estavam alguns funcionários da instituição a tratar da deslocalização da "pedra" quando passa um outro funcionário - não se sabe se mais culto, mas pelo menos mais letrado - que pergunta "o que fazem à "pedra"?". Após explicação, o tal funcionário - não se sabe se mais culto, mas pelo menos mais letrado - mandou parar a remoção da "pedra".
    PORQUÊ? perguntou, indignado o chefe eleito da instituição.
    A devida explicação chegou. Aquilo era "pedra" esculpida por fulano de tal, estrangeiro, que ali tinha trabalhado havia muitos anos e como pagamento oferecera a "pedra" à instituição.
    Mandaram-na avaliar.
    MILHARES DE CONTOS (porque ainda se falava em contos) custaria a "pedra" se vendida.

    Às vezes a incultura pode custar caro!

    ResponderEliminar
  14. Apetece-me armar-me em intelectual:
    Cá para mim o senhor andava a espantar espíritos com a sineta.
    Ali não vale a sineta por si só, tal como não vale a cara de alegria/sofrimento do senhor, nem tão pouco vale por si só o facto de andar de um lado para o outro naquele frenesim.
    Tudo isso vale pelo conjunto, adequado a pessoas daquele escalão etário, avós, mulheres.

    Agora é só fazer um esforço e pensar...

    ResponderEliminar
  15. Não soube de tal evento cultural! Mas pelo que me contaram foi a uma vergonha !
    e nós a pagarmos!
    Já agora quem é o sr da TRienal do alentejo? o que é trienal do alentejo?
    por outras palavras quem anda ammar o dinheiro dos nossos impostos e sob a capa de que organização? não será um caso de policia?não será gestão danosa dos dinheiros publicos?

    ResponderEliminar
  16. "Não soube de tal evento cultural". Pela maneira como escreves, não deves saber de muitos eventos culturais. Mas enfim. Um conselho: antes de escreveres uns palpites pelos blogs, estuda, informa-te e, principalmente, aprende a escrever...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.