terça-feira, 15 de abril de 2014

O ovo

É Páscoa, semana santa, vou falar de ovos. Podia falar de coelhos, mas não me apetece, o bicho anda com más conotações, coitado; podia falar de folares, mas o que os torna desta época é o ovo que os acatita; podia falar de cabrito ou borrego, mas de sacrifícios andamos todos “por aqui”; e podia falar de amêndoas mas, lá está, caímos no ovo que é do que elas se mascaram nesta quadra.
Podem supor, como eu supus, o quão difícil seria encontrar uma frase ou pensamento de autor, mais ou menos erudito, em torno de ovos, mas nem por isso. A grande maioria relaciona-o, ao ovo, ao tempo que há-de vir, ao futuro, à paciência, entre outros conceitos mais ou menos inusitados. É que me apetecia mesmo falar de como os ovos são ou uma espécie de caixinha de surpresas, normalmente boas, ou, no extremo oposto, uma terrível caixa de pandora. Que deles saem fofos pintainhos ou patinhos ou passarinhos, enfim bichos de penugem que deixam qualquer um mais lamechas. Como saem répteis que logo evocam bestiários do mal, mais imaginados e simbólicos do que reais. Como saem espécies que são chocadas por outras espécies, como os do cuco, que para os pôr, lá tem que ser, perpetuar a espécie e manter a linhagem, mas para os chocar, que é o que dá trabalho e moengas, espera aí que tenho mais que fazer… Como há, ainda, os ovos que sendo podres cheiram logo mal e se denunciam quando se partem, e os outros, de que é mais frequente encontrarmos vítimas o que me leva a pensar que são por isso os mais perigosos, que aparentemente de bom estado albergam a maldita e quiçá mortífera salmonela.
Afinal, eu queria falar do ovo e parece que acabei a falar da espécie humana que também lá tem, no fundo, no fundo, o ovo como génese. Isto está tudo ligado e por isso é que é em torno de histórias que se explica a religião, que religa tudo, e voltamos à Páscoa que está ligada ao Natal, como o nascimento está ligado à morte, e encontrar linhas, que são as histórias, que unam estes pontos é ir mostrando o caminho.
Oscilei, por tudo isto, entre uma citação de Andersen, um autor por quem tenho um afeto muito especial, e que a propósito do Patinho Feio, claro, dizia que «nascer numa quinta de patos não fazia mal, desde que não se saísse de um ovo de cisne»; ou outra de um autor com quem convivo bastante, C.S. Lewis das Crónicas de Nárnia que dizia que «pode ser difícil para um ovo transformar-se num pássaro: seria uma visão divertida, e mais difícil para o pássaro, aprender a voar permanecendo um ovo. No tempo presente, somos como o ovo. E não se pode continuar indefinidamente a ser apenas um ovo comum, decente. Deve-se ser chocado e eclodir ou apodrecemos.»
Ora, afinal, estes dois autores de chamada literatura infanto-juvenil sabiam bem que isto de embalar as crias ao som de bons avisos e princípios, como os que estão nas entrelinhas das boas histórias e sem necessidade de grandes lições de moral a rematar, é meio caminho andado para que saibamos que o que de um ovo saia, retirada a casca, ou é o que se espera ou é uma surpresa para a qual devemos estar alerta.
Boa Páscoa e até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

10 comentários:

  1. Apelo aos Serviços de Higiene e Limpeza.

    Várias ruas da Cidade têm os passeios cobertos de ervas.......Circular,Av.germano Vidigal,area da horta das figueiras(juventude),Tapada,Bacelo.............os serviços devem de intervir rapidamente nos sítios mais críticos.

    ResponderEliminar
  2. P E R I G O

    aos automobilistas, circular na rotunda do cruzeiro(bacelo) é um RISCO GRAVE,o piso está cheio de terra.

    ResponderEliminar
  3. Os passeios da Cidade é só ERVAS;ERVAS;ERVAS;ERVAS;ERVAS;ERVAS;

    ResponderEliminar
  4. Passei agora pela Praça do Giraldo. Andam a pintar de borla as fachadas dos bancos, das companhias de seguros e das lojas ricas. Eu moro na Senhora da Saúde e a minha casa precisa de ser pintada. Quando é que a brigada da Câmara passa por cá?

    ResponderEliminar
  5. Sugestão:

    meia duzia de funcionários,duas a três máquinas de cortar ervas,e tinham numa semana o problema das ervas resolvido.

    ResponderEliminar
  6. E a AZIA não passa!...
    A continuar assim, vai-se transformar em doença crónica.

    ResponderEliminar
  7. Reporto-me apenas ao tema do post que considero um texto magnífico, de grande criatividade, com muito humor e absolutamente adequado à quadra.

    ResponderEliminar
  8. APELO aos serviços camarários ,para Mobilizar os funcionários na "praga" de ervas espalhada pela maioria dos passeios da cidade..................

    ResponderEliminar
  9. A julgar por alguns comentários, parece que a operação de limpeza que começou a semana passada no Centro Histórico está a deixar os aziados completamente tontos e desorientados.

    ResponderEliminar
  10. O coordenador dos serviços de higiene e limpeza devia de andar no terreno.Para ter uma ideia das areas onde será preciso intervir Mais.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.