quarta-feira, 2 de abril de 2014

O Centro Histórico de Évora arrisca-se a ser uma "escombreira"


Os donos dos imóveis, muitos de familias abastadas estão a cair de podres, o imi não o pagam, da autarquia só são chateados ou incomodados quando os mesmos ameaçam ruir sobre a via publica.
Não existe nada que consiga alterar isto e o centro histórico dentro de 10 anos é uma escombreira intransitável.

Anónimo

37 comentários:

  1. Edificio rua de machede ameaça ruir.

    Arcada (havaneza) ameaça ruir.

    ResponderEliminar
  2. Igreja de Santo Antão está em completo estado de degradação,dir. reg.de cultura nada faz.

    ResponderEliminar
  3. Salão Central está a cair...........CME nada faz.

    ResponderEliminar
  4. Edificio dos Celeiros em completa degradação.............prédio na rua do cicioso ameaça ruir.........

    ResponderEliminar
  5. Prédio na rua 5 de outubro a cair.Completo abandono.dizem que os donos teem muito dinheiro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizem que o prédio e da IGREJA.

      Eliminar
  6. Pois não é que duas das maiores nódoas de degradação são da igreja católica: a igreja de Santo Antão e aquele prédio da Rua Cinco de Outubro, à direita de quem sobe para a Sé. Se o papa Francisco sabe destas vergonhas da responsabilidade do seu colega José é bem capaz de o demitir. Mas como o Francisco nunca saberá e o José não tem vergonha, quem se envergonha somos nós com tanta incúria.
    E consta que a igreja eborense tem lugar cativo numa comissão da câmara de defesa do património. É obra.
    Bem prega frei Tomás...
    Um lisboeta quase eborense

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó amigo, ainda não percebeu que é a igreja que está a ruir?
      E já não é sem tempo. Quando essa fantochada acabar de vez de infernizar a paciência dos seres pensantes, digo-lhe o mesmo que o Vasco Santana dizia ao António Silva: "Olha, manda saudades que é coisa que cá não deixas!"

      Eliminar
  7. É por estas é que defendo e ainda há pouco aqui escrevi, que o IMI no centro histórico deve ser pago pelos proprietários, tal como acontece com os restantes portugueses que contribuem para a causa pública. Para que eles possam ficar isentos são os restantes munícipes que lhe vão pagar o IMI. Como funcionária pública, tudo me tem roubado em matéria de salário e até trabalho mais horas. Este ano, o ano em que menos dinheiro tenho, a Câmara resolveu taxar o IMI na sua forma máxima.
    Enquanto isto são poupados habitantes do centro histórico, possivelmente com um poder de compra e pagamento superior ao meu e ao de muitos portugueses.
    Tudo isto em nome de quê?...
    Vão dar uma volta...

    ResponderEliminar
  8. O IMI é taxado na sua forma máxima por imposição de PASSOS/PORTAS,a todas as autarquias em Bancarrota,situação de todos conhecida,o PS durante 12 anos acumulou Divida em 90 MILHÕES de EUROS,divida que vai ser Paga pelos Eborenses durante 20 anos.

    ResponderEliminar
  9. A Igreja tem prédios a cair ,mas o seu chefe máximo na diocese habita um palacete ,no Largo Dr.Alves Branco.

    ResponderEliminar
  10. Papa Francisco e Igreja de Évora tem posturas diferentes.

    ResponderEliminar
  11. Aquilo que poderia servir de mote a um tema mt importante da nossa cidade - provavelmente crucial numa cidade como Évora - já está transformado num ataque a uma instituição e/ou pessoas.....assim se evitam as discussões e se afasta quem aparece por bem......

    ResponderEliminar
  12. Lá estão a atacar pessoas (os ricos) e instituições (igreja, SEC, etc...). Mas o que é certo é que tudo continua na mesma. No tempo do PS era o PS o culpado... e agora? Não há reuniões entre a CME e outras entidades para resolver o assunto?

    ResponderEliminar
  13. É como estas chuvadas dos últimos dias.... se fosse no tempo do presidente Ernesto... ui... onde não iria a má língua. Mas agora como a CME é PC não há inundações (ahahahah), nem bueiros entupidos e os piquetes da CME trabalham muitooo diligentemente. É triste mas só as moscas mudaram!
    CT9

    ResponderEliminar
  14. APELO a Santa Casa da Misericordia de Évora

    Estamos a poucos dias da Semana Santa,a Igreja da Misericordia,a parede lateral está coberta de ervas,a instituição se não tem meios para as retirar,devia solicitar a cãmara municipal ajuda para o fazer.

    ResponderEliminar
  15. Como pode existir imoveis emparedados nas portas e janelas sem telhado a ruir para o espaço publico,sem que autarquia faça nada.
    A autarquia tem gastado largos milhões em habitação social de raiz com processos caros de urbanização e construção,não se percebe,não era mais facil aproveitar os imoveis devolutos do ch,qual o medo ou o estigma vindo de forças de esquerda que gerem autarquia a mais de 35 anos.

    ResponderEliminar
  16. A esquerda é boa no falatorio dos pobres das minorias dos direitos mas na pratica no terreno fazem zero,Évora é um bom exemplo,pego só bairro do Escurinho como exemplo,um antro de degradação urbana de criminalidade e de exclusão social.Onde esta a ESQUERDA!????

    ResponderEliminar
  17. Vamos la tentar informar quem não se deu ao trabalho de o fazer e veio aqui dizer mal de tudo e todos!
    As Igrejas estão isentas de IMI, em Évora e no país todo. São monumentos de interesse nacional, portanto não pagam, nem ninguém paga pela igreja.
    Como são propriedade da Igreja Católica, ninguém pode fazer obras por eles, nem a direcção de cultura nem a câmara podem obrigar a fazer obras, isso cabe ao arcebispo. Podemos é escrever cartas ao arcebispo com estas preocupações, bora lá?
    Quanto ao IMI do Centro Histórico, esta isento como todos os do mundo nestas condições, os cidadãos dos bairro não pagam por eles, quem paga é o Estado que depois o recebe como compensação do Património Mundial!
    Quanto aos prédios em ruínas existe na lei a possibilidade de expropriação por parte da câmara, mas terá de existir uma queixa de vizinhos ou de cidadãos, terão de informar os proprietários das obras necessárias e só depois dar inicio ao processo de expropriação. Ja algum dos senhores escreveu à câmara para fazer queixa do estado destes prédios? É fazer!
    Chamo a atenção, ao contrario do que aqui transparece, que a grande parte destes prédios são de reformados e gente que tem poucos recursos para recuperar o património.
    Por fim... nos últimos 12 anos existiu um programa comunitário a que os proprietários poderiam aderir para recuperar o Centro Histórico, ora acontece que na Câmara Municipal a informação deste programa só era dada aos amigos, o que fez com que muitos proprietários não conseguissem aderir a ele e recuperar o Centro histórico. Alias as ordem do executivo era dizer que o programa REABITE não existia. Mas o Monarca e o eng Abel Junqueira recuperaram os prédios com este programa, alem doutros claro.
    Estas são informações correctas que podem ser consultadas sem sair do sofá, é so procurar!
    Como nota final, concordo inteiramente que terá de se resolver o estado dos prédios na cidade antes que muitos prédios caiam!
    Lurdes

    ResponderEliminar
  18. Lurdes (de Nossa Senhora com certeza) e os edificados que são património nacional? É também o arcebispo (?) quem manda fazer obras? Talvez uma aulas de "catecismo" e de organização eclesiástica (muito descentralizada) sejam necessárias para clarificar esses pensamentos. Nem tudo é preto ou branco.
    A CME atráves de planos municipais, incentivos, sejam eles quais forem, e como intermediária na obtenção de fundos europeus/nacionais faria uma boa acção. Mas a anterior vereação pouco fez e esta ainda não apresentou nada.
    E não são os recentes acordos com Universidade de Évora (CIDEHUS, Engenharia) que vão resolver algo. São projectos académicos que pouco ou nada irão contribuir para a resolução dos problemas.

    CT9

    ResponderEliminar
  19. Talvez uma aulas de "catecismo" ( que dei muito pouco na vida!?) e de organização eclesiástica (muito descentralizada) ( da qual nunca tive aulas!?)...
    Estou cá para aprender ... venha a lição!
    Lurdes

    ResponderEliminar
  20. Mas o típico é bater nos "outros". Sejam eles da direita, das outras esquerdas, a Igreja, os capitalistas de cartola (?), os herdeiros, os senhorios, os comerciantes...
    Até o mau tempo vai ser culpado.
    Daqui a um ano vamos ver o que fazem os novos/velhos senhores do poder autárquico.
    PS - o vereador Luciano deve tomar muitos Gurosans e gastar muita gasolina. O homem vai a todas as festas, festarolas e inaugurações. É vê-lo de croquete na mão e a abençoar. E obra feita? Já há muita gente da "cooltura" a resmungar entre dentes... Só não falam alto porque temem, enfim temem muita coisa.
    ManVerto

    ResponderEliminar
  21. isso de atirar tudo para cima dos eleitosnão é justo ( estou a falar dos atuais) porque os outros nem sabiam o que la estavma fazer, porque deveriam ser os chefes de serviço a propor , medidas, soluções aos eleitos mas coitados eles não sabem fazer nada.por acaso ja ouviram falar de alguma ideia do idiota que chefia o CH.o Pinto de Sa que não corra com e vai de arrasto....

    ResponderEliminar
  22. Existem atualmente 1900 agregados familiares inscritos nos serviços da Habévora, E.M., para atribuição de habitação social, sendo que desse total, 151 estão referenciados no Grau de Prioridade Máxima, 279 em Prioridade Grave e 44 em Prioridade Média/Grave.,sem juntar a outras famílias que estão no Escurinho debaixo do fibrocimento amianto e no meio daquela degradação total.
    Perante este cenário de vidas em sofrimento por um tecto condigno, temos mais 300 imoveis devolutos sem telhado ou portas no ch,que fizeram os politicos nestes 35 de gestão do CH comunista socialista comunista???ZERO!!!!!!
    Mas o povinho quer é festa copos e foguetes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás enganado: só no CH há mais de 1000 fogos vagos!
      E, no resto da cidade há outros 2000! E em todo o concelho há 6000 mil fogos vazios.

      O problema que colocas é de natureza social e terá de ter uma resposta social.
      Mas nunca te esqueças que a solução sairá sempre dos bolsos dos contribuintes. E o que não vi, foi a tua disponilidade para contribuir para essa solução social. Ora diz-nos lá, quantas centenas ou milhares de euros está disposto a dar, para pagar o alojamento dos tais "1900 agregados familiares inscritos nos serviços da Habévora"
      Ou és dos que pensam que o dinheiro do Estado (e das Câmaras( cai do céu, qunado chove?

      Eliminar
  23. «O Centro Histórico de Évora arrisca-se a ser uma "escombreira"...»

    O Centro Histórico de Évora e não só!... O mesmo vai acontecer nos Centros Históricos de todas as outras cidades do país. Como vai acontecer no resto da Cidade de Évora e nas restantes povoações rurais.

    E não é preciso ser muito inteligente para perceber que assim será. Reparem que só no concelho de Évora há muito mais fogos/alojamentos que famílias (+6000 fogos que famílias em 2011!)
    Ora, sem famílias para os usarem e manterem, o destino só poder ser a ruína e a futura "escombreira"... Ou seja, ninguém recupera casas para ficarem vazias!...

    E, reparem, com o aumento da emigração dos últimos anos, a situação tende a agravar-se. Por isso não se admirem que este país se transforme num grande escombreira (em todo o país há 500 mil alojamentos a mais que famílias)

    Por isso, bem podem vir para aqui atirar culpas a eito, a uns e a outros, que a situação não se resolve nem com subsídios, nem com multas, nem com IMI's, nem parlatório chocho e inconsequente. Muitas casas vão efectivamente cair e apenas é possível selecionar aquelas que devem ser preservadas. Os apoios irão para essas e as outras é deixar cair e tentar que não causem vítimas.

    Temos pena, mas este país está em LIQUIDAÇÃO!
    E a culpa não é minha, pois nunca votei no ARCO DA CORRUPÇÃO...

    ResponderEliminar
  24. Programa REABITE, conhecido só para amigos... será que ainda existe?
    Seria a solução para a recuperação de casas completamente degradada onde vivem idosos com míseras pensões!!!!

    ResponderEliminar
  25. 22,20 mais 300 imoveis devolutos sem telhado ou portas no ch,estes estão em ruina total o resto esta abandonado mas com telhados e portas.
    Eu nos meus impostos já participo e bem só no rsi nem te conto,ainda por cima para quem nunca descontou um centimo e nunca pensou abandonar esse modo de vida.
    Não percebeu,novas construções com novas urbanizações para habitação social,custam o dobro de reconstruir os imoveis do CH,Portalegre e Porto já alguns anos estão a fazer esse trabalho com exelentes resultados na recuperação dos seus centros historicos,copiem porra!!!

    ResponderEliminar
  26. Tá feito. Retiram-se todos os habitantes do Escurinho, e passam a habitar os imóveis disponíveis no centro histórico...

    ResponderEliminar
  27. O PROHABITA regulamentado pelo Decreto-Lei n.º135/2004, de 3 de Junho, revisto pelo Decreto-Lei 54/2007 de 12 de Março, é um programa que visa a resolução de situações de grave carência habitacional dos agregados familiares residentes em território nacional. Este Programa incentiva a reabilitação de habitações como solução alternativa para o alojamento de famílias, permitindo deste modo aos municípios conjugar a resolução das situações de carência habitacional com a reabilitação de parte do parque habitacional urbano e a utilização de fogos devolutos, no entanto, prevê ainda outras soluções de realojamento. Deste modo, o PROHABITA concretiza-se mediante Acordos de Colaboração entre os municípios e o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), anteriormente designado por Instituto Nacional de Habitação (INH).

    A autarquias tem aqui o finaciamento que esta ser aplicado no caso dos centros historicos Porto Portalegre e Coimbra,não pode é haver estigma social ou preconceito,que é o que denota ainda por cima de partidos de esquerda que tem gerido autarquia.

    ResponderEliminar
  28. Do bairro Escurinho o actual elenco vai ter grandes problemas com a lei que proibe o amianto,era e é um solução de habitação provisória deijou-se terminar a sua validade e deijou-se tranformar num gueto sem uma unica solução só mentiras como as tais do projecto melgão para o dito espaço,agora de calças na mão estão bem lixados e entalados por a lei acerca do Amianto.

    ResponderEliminar
  29. deijou-se? E não é lapso pois escreve a palavra duas vezes. É mesmo analfabetismo

    ResponderEliminar
  30. as vezes acontece é normal,sabes o que é analfabetismo???

    ResponderEliminar
  31. Não, não é normal. Só é normal para os analfabetos.

    ResponderEliminar
  32. Onde anda a Lurdes? Está a fazer exercício na Praç do Geraldo com a foice e o martelo?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.