quarta-feira, 30 de abril de 2014

Boa Fé: "nem todos têm estado parados, de cabeça enfiada na areia enquanto o tsunami avança para cima do concelho de Évora"


Houve outro tema, ligado à exploração da Boa Fé de que não falou: a explicação do Presidente da Câmara sobre a não apresentação de uma análise das vantagens/desvantagens económicas da exploração mineira, a que estava comprometido pela AM de Dezembro. Ficámos a saber que a Câmara optou por pedir essa informação aos organismos do Estado... É muita ingenuidade, desconhecimento da causa, falta de vontade de mexer na questão – ou de tudo um pouco! 
Ainda não entenderam que o Governo quer à viva força fazer a entrega da exploração mineira, sem fundamentação em qualquer estudo económico, financeiro ou outro? Considera-se dono da bola e chuta-a para onde lhe apetece, sem dúvidas nem explicações para ninguém, mesmo percebendo os danos irreparáveis que deixa para várias gerações. E esperavam que a empresa se fosse pôr a fazer estudos contra os interesses dos accionistas? Não se apercebem do cuidado que tem sido posto em contornar as questões mais óbvias?
É preocupante a aceitação passiva do argumento do Governo de que vai ter esses estudos, vindos da empresa, e depois os manda à Câmara. Assim que a empresa entregar os estudos – a que a consulta pública a obrigou, porque as dezenas de organismos públicos por onde o Estudo inicial tramitou não levantaram praticamente nenhumas das questões de fundo –, assim que a empresa o faça, o Governo oficializa a entrega da concessão em Diário da República! Depois mandará os textos todos ao Comissário Europeu do Ambiente e à Câmara, pois com certeza. Juntamente com um facto consumado, que comprometerá o Estado em alguns milhões de indemnização à Aurmont Resources, empresa unipessoal!
A Assembleia Municipal tem surpreendido pela positiva, nesta matéria, nas últimas duas sessões, com os representantes dos diferentes quadrantes políticos a manifestarem um esforço de entendimento sobre uma questão candente, como raramente se vê em órgãos pluripartidários.
O PS – que tem tantas responsabilidades como a CDU na introdução de cláusulas de abertura da Serra de Monfurado à exploração mineira – revela muito menos dificuldade em ultrapassar esse “mau passo” e afirma-se decidido a recuperar o tempo perdido. Neste momento, a Câmara em Évora é maioritariamente CDU: vai continuar a encenar um súbito apego a um absurdo “politicamente correcto”, para não se ver confrontada com a má avaliação feita anteriormente e que nos trouxe até aqui? 
E explico já esse “absurdo” acima, antes que se apeguem a questiúnculas secundárias: é absurdo esperar que, numa reunião pública, daqui a um mês, um qualquer painel de técnicos venha concretizar informações que pura e simplesmente não existem tratadas! Um estudo das águas subterrâneas, inexistente até agora, demora anos a fazer. O empoeiramento, o arsénico, a vibração, até o ruído e a saúde pública vão seguramente desaguar em afirmações do tipo “cada caso é um caso”, quando muito seguidas de generalidades que não comprometam ninguém. 
A empresa ficou de apresentar vários estudos, desde Julho de 2013, é verdade: mas ninguém lhe exigiu que fossem exaustivos nem abrangessem os problemas mais sensíveis. Vão ser meros pro forma e ninguém lhe irá à mão. Porque o processo está em “fase de execução”, já não vai à apreciação de ninguém. Não me perguntem como foi dado esse passo de gigante, que não sei; mas desconfio de que havia uma vírgula numa lei qualquer a justificar que assim fosse, apesar da enormidade do facto de a prospecção ser cavalgada por uma chamada "exploração".
Dito isto, acho que pode não ser tempo perdido fazer-se a tal AM extraordinária na Boa Fé. 
Se vista como um pontapé de saída para o conhecimento da questão, a conferência-AM decidida ontem, pode ser útil, sob diferentes aspectos.
Porque constitui um alerta para a Comunicação Social, completamente amorfa se não mesmo comprometida num apoio tácito à exploração mineira. Assim a Câmara faça uma boa divulgação do que se vai ali passar. 
Porque dá à população da Boa Fé, em grande medida desinformada e seguidista das atitudes das direcções partidárias, a noção de que o caso é mais sério do que os vendedores da imagem da empresa lhes apresentaram. Assim se criem boas condições para que assistam ao debate.
Porque dá ao restante município a noção de que o problema não afecta “apenas” umas aldeias periféricas do concelho, mas que, entre ruído, empoeiramento e repercussões económicas e de saúde, Évora – a 15 km em linha recta das cortas – não vai ficar incólume. Assim se trate de gravar e pôr em linha a sessão.
Se o painel de técnicos for bem escolhido, muita informação relevante pode ser esclarecida ou, pelo menos, suscitar novas questões. 
Encontre-se um economista que se dedique a fazer a leitura dos relatórios da Colt (Canadá), da SKR e do Estudo de Impacte Ambiental: quanto da exploração se prevê reverter para o Estado português e em que condições; o que vai ficar por pagar, mesmo que a exploração decorra sem incidentes (como seja a retirada da empresa a meio do processo). Os danos ambientais vão exigir décadas de monitorizações e recuperações muito dispendiosas, sem que nada volte a ter a qualidade de antes. E desmonte-se a falácia dos quiméricos “postos de trabalho”! Era isto que se pedia à Câmara, em Dezembro. 
Convide-se um especialista nas questões do arsénio para dar a sua leitura do que está no Estudo de Impacte Ambiental, esclarecendo os diferentes impactes daqueles milhares de toneladas mobilizados em explosões diárias durante 5 anos. Se não tiverem melhor opção, gostaria de ouvir o prof. Serafín González Prieto, membro do Consello Superior de Investigacións Científicas do Estado [Galego] e presidente da Sociedade Galega de Historia Natural, que promoveu diversas conferências sobre “o gravísimo impacto que sobre o sector agro-ganadeiro tería a mina de Corcoesto no caso de que a Xunta dea luz verde ao proxecto” (que efectivamente parou, na sequência da exigência do governo regional galego de uma caução de 25% do total do empreendimento. 
O Departamento de Biodiversidade da Universidade de Évora tem uma intervenção técnica muito meritória sobre os impactes ambientais na Serra de Monfurado. O professor Chambel, da mesma Universidade, tem-se mostrado disponível e interessado em esclarecer as questões relacionadas com o comportamento hidrológico na zona.
Alguém do LNEC, do Técnico, do LNETI poderá esclarecer o comportamento do empoeiramento nas condições apontadas no Estudo de Impacte Ambiental.
Um médico com experiência em zonas mineiras (de Aljustrel, por exemplo, ou de Boticas, onde funciona uma mina a céu aberto, ainda que não com a mesma constituição geológica).
Sobre o ruído, alguém que possa adiantar mais do que a constatação de que alguns valores apresentados pela empresa estão fora dos parâmetros legais – ainda que realizados em condições de excelência, com as máquinas sempre afinadas como à saída da fábrica.
Um jurista com experiência em legislação comunitária permitiria esclarecer o enquadramento deste projecto internacionalmente em Rede Natura 2000. 
E, já agora que é só dizer ;-), alguém abalizado para falar dos impactes de uma exploração deste tipo concretamente nas explorações instaladas agro-silvo-pastoris e turísticas.
Alguém disse aqui que já está tudo aprovado, não há nada a fazer. Discordo. Ainda não foram esgotados todos os meios para pôr as pessoas a pensarem no que está a preparar-se aqui, na Boa Fé, e a pressionarem as entidades públicas. Há muitas frentes nesta luta. E ao contrário do que na AM alguns quiseram dar a entender, nem todos têm estado parados, de cabeça enfiada na areia enquanto o tsunami avança para cima do concelho de Évora – e não só.

Ana Cardoso Pires
29 Abril, 2014 20:57
Boa Fé

5 comentários:

  1. PS e PSD os grandes responsáveis por esta situação e outras,como foi o caso do NEGÓCIO da água.

    ResponderEliminar
  2. PS/PSD responsáveis por vários casos Prejudiciais ao conselho:

    Minas da Boa-Fé

    Privatização da Água

    Lusitano/Silveirinha

    Comboio de mercadorias Sines/espanha (não foi acautelado o desvio da linha na zona urbana)

    Perda de fundos comunitários

    DIVIDA de 90 MILHÕES de Euros,com resultados gravosos para os Eborenses com a subida de todos os impostos durante 20 anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sejas aldrabão...

      Eliminar
  3. Não consigo entender esta gente não quer pagar impostos nem ser descontado de maneira alguma.
    Não querem as minas, não querem as aguas privatizadas, os transportes e muito mais.
    Então pergunto como pode o Estado ter dinheiro para tudo isto sem empresas para pagar impostos?
    Como pode o Estado suportar o Estado Social a Educação ou a Saúde e outras?
    Apresentem ideias simples mas não como aqueles que houveram após o 25 de Abril.

    ResponderEliminar
  4. Um aborrecimento isso de andarem a fazer barulho ao pé do meu monte...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.