terça-feira, 11 de março de 2014

Ciência, sociedade, artes e humanidades

Amanhã dia 12 de março é dia da escola de ciências sociais da universidade de Évora. Declaração de interesses: é a escola onde trabalho e de que me tinha em parte afastado quando, pouco menos de um ano antes, se tinha reorganizado em escolas em vez de áreas departamentais. Devo dizer que a palavra escola, e o seu conceito, me agradam bastante.
E mais me agrada ainda o princípio de “fazer escola”. Por outro lado, e por ser de literatura, confesso-vos também que, quando da reorganização, ter tido pena de se afastar a literatura da área das artes. Mas como acredito que a teoria dos vasos comunicantes, originária da hidráulica (mas que também aparece como técnica da narrativa, em literatura portanto) funciona ou devia funcionar em muitas mais áreas, parece-me afinal que o sistema não obstaculiza a que docentes, alunos e matérias comuniquem entre si para que o necessário equilíbrio, leia-se qualidade de ensino, seja alcançada. É isso que tenho encontrado na atividade letiva, na investigação e no que chamamos, estatutariamente, “tarefas de extensão universitária, de divulgação científica e de valorização económica e social do conhecimento”, e me levam a prever que assim continue a ser.
Mas voltemos à noção de “fazer escola”, para que possa dizer-vos que me faz sempre muita impressão ver grandes mestres sem discípulos que lhes possam suceder. Pode-se ser o melhor numa determinada área e por avaliação unânime; pode-se até ter contribuído para num determinado momento ter virado o rumo à História; mas não ter deixado descendência nessa área, e de preferência que ultrapassasse a fama dos progenitores, revela que o papel que se desempenhou, por muito meritório, é muito mais um hino à individualidade, para não falar em egoísmo, do que à humanidade, para não falar em igualdade ou fraternidade.
Sendo o “fazer escola” transversal a muitos terrenos de atuação importa, no entanto, voltarmos à escola de ciências sociais da universidade de Évora. E realço a importância que me merece, pertença minha à parte, citando Jean Fourastié, o economista francês que classificou como de “trinta gloriosos” os anos, em França, que se seguiram à II Guerra Mundial: «O atraso das ciências económicas e sociais em relação às ciências da matéria é uma das causas das atuais infelicidades da Humanidade. A técnica arrasta o homem para horizontes imprevistos.»
Os dias comemorativos a que tenho assistido, e o programa que amanhã se promete e que em vários momentos, apesar de ser comemoração interna, será aberto a toda a comunidade eborense, têm sempre conseguido demonstrar a importância, para o “resto do mundo” que é afinal a Humanidade, das ciências sociais. Ciências da educação, ciências da informação e documentação, economia, educação básica, filosofia, gestão, história e arqueologia, línguas, literaturas e culturas, psicologia, relações internacionais, sociologia e turismo é o que se estuda, ensina e investiga. E, tantas vezes, quando vejo estas ciências misturarem-se com as outras – as da saúde, da tecnologia, da terra e da vida ou do exato – ou com as artes, bem como na abordagem de temas e problemas que afetam a vida das pessoas e das comunidades, me convenço do seu lugar tão próprio no progresso da Humanidade. É que se é a técnica que permite o progresso, não há técnica que sirva beneficamente a humanidade sem que seja questionada, seja perspetivada e se avalie o seu impacto. E é para isso que nós, os das ciências sociais que já tiveram ao longo dos séculos vários rótulos, vamos também contribuindo.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica Rádio Diana)

6 comentários:

  1. Estalou a guerra na Universidade.........Frota tinha razão.

    a primeira "vitima"Carlos Braumann.

    ResponderEliminar
  2. Rui PIngo e Ana Freitas ganharam o primeiro rounde.

    ResponderEliminar
  3. Conselho geral dominado pela maçonaria.

    ResponderEliminar
  4. DEMITAM-SE.................................................................................................................................................................................................

    ResponderEliminar
  5. O Pinga Amor conseguiu............................o carlinhos já foi de via.

    ResponderEliminar
  6. Frota tem razão...............a dois meses de eleições e a "guerra" está instalada na Universidade.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.