quarta-feira, 19 de março de 2014

Amanhã, em Évora, um debate e um filme que valem a pena



Esta quinta-feira, dia 20, Palácio de D.Manuel , 18h00

Ser Jovem em Abril/ 74- Experiências de Vida com Aurora Rodrigues e Diana Andringa.
Apresentação do Documentário Tarrafal Memórias do Campo de Morte Lenta”

8 comentários:

  1. Pois alguns jovens foram presos por Salazar por discordar
    Hoje com esta "democracia " emigram para terem que comer, comparar estes vendidos a Salazar que era patriota, é ofensivo para o antigo chefe do conselho de ministros. EStes cabotinos vendem as empresas ao desbarato por um prato de lentilhas, estão ao serviço do FMI e da goldman Sach

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se limitaram a prender.
      Esta senhora foi presa, sem acusação, e esteve 16 DIAS SEM DORMIR e a ser TORTURADA com humilhações e espancamentos (que a levaram ao Hospital) apenas porque teve a coragem de se manisfestar publicamente e dizer o que pensava de fascistas como o Salazar.

      Eliminar
  2. Sócrates,Passos e Portas os Ideólogos deste Modelo Económico,que está a pôr a maioria dos Portugueses na Miséria.

    ResponderEliminar
  3. Têm sido os funcionários dos Grandes Banqueiros e da Merkl.

    ResponderEliminar
  4. Na Grécia já vendem os monumentos..............quem irá comprar a Sé de Évora?

    ResponderEliminar
  5. Angolano ou Chinês só pode.

    ResponderEliminar
  6. O meu pai nasceu numa família numerosa, naquela altura as famílias numerosas em vez de apoio tinham fome! Quando fez 5 anos teve o seu primeiro emprego, guardar perus a 5 km de casa. Descalço, com uns calções e uma blusa, que segundo ele por ser tão fria parecia seda, ali esteve durante um ano. Durante esses 365 dias era visitado pelo irmão mais velho uma vez por semana para lhe levar a comida. Comida que ele, devido à fome, devorava toda nesse mesmo dia, depois comia ervas, bagas e coelhos quando os conseguia agarrar. Dormia numa cabana de pastor sozinho e as estorias de ninar eram o barulho do campo, barulho que o mantinha acordado durante muitas horas devido ao medo! De madrugada la deixava o seu cobertor com um buraco no meio e tentava com grande dificuldade acender a lareira, onde aquecia a agua suja de café para o pequeno almoço (?) e se aquecia antes de libertar os perus e ter de andar todo o dia atrás deles! Depois desse emprego, pelo qual recebeu um garrafão de azeite e uma saca de azeitonas, que entregou à mãe, claro, teve muitos outros no campo, ate ter sido chamado para uma oficina de bicicletas. este convite foi feito ao meu avô pelo dono da oficina, pois segundo ele o moço era muito inteligente. O meu avô disse logo que não, não tinha dinheiro para pagar a aprendizagem do oficio. Mas o homem gostava mesmo do meu pai e não quis dinheiro. Muito a custo e com a promessa do meu pai de que iria trabalhar no campo aos fins de semana, para ajudar nas despesas da casa, la concordou. Esta decisão mudou a sua vida que parecia estar traçada. Daquela oficina foi para outra e outra e sempre convidado pela sua capacidade e inteligência na área da serralharia. Chegou mesmo a ser o único em Évora a poder arranjar as alfaias agrícolas dos grandes proprietários. Com a instalação das fabricas em Évora foi convidado para todas chegando mesmo a impor o seu salário. Escolheu o Fomento, onde trabalhava a minha mãe. Ai idealizou e construiu diversas maquinas, foi ate convidado para ir para a Alemanha criar maquinaria para a industria alimentar. Não quis, nunca quis sair do seu país! Mas apesar de tudo no outro dia disse-me que passou muitas horas a trabalhar e a chorar de raiva por não conseguir construir as coisas como as pensava, pois não tinha os conhecimentos dos colegas que tinham andado na Escola e tinham aprendido a teoria das coisas!
    Depois de me dizer isto os olhos encheram-se de lágrimas, como se estivesse de novo a sofrer essas magoas! Olhando para o infinito, saiu-se com esta " Se tivesse nascido num país onde os filhos dos pobres também estudassem, quem sabe o que teria sido!"
    O meu pai, o homem que mais admiro, que é o meu guia moral , tem razão, se tivesse nascido noutro País teria sofrido muito menos! Passado menos fome, menos medos, menos humilhações, mas apesar de tudo fez-se grande à força e manteve a integridade e a honestidade! O meu pai é só um dos muitos a quem estas desgraças aconteceram e está vivo para ver isto de novo acontecer em Portugal, o que o entristece imenso! E isso é também uma das razoes pelas quais eu detesto os nossos governantes!

    ResponderEliminar
  7. Obrigado às duas oradoras. Foi uma muito boa sessão. Parabéns.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.