sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Hoje na BruxaTeatro: "The Power of No"

9 comentários:

  1. Feira de São João e São Pedro

    não tornem a colocar o estaleiro da feira junto á muralha do quartel

    Monte Alentejano:Festival de sopas e doçaria regional

    Quiosque restaurado e aberto durante a feira

    Mostra de produtos regionais

    redução de tendas

    Abertura do jardim publico:reactivar o Coreto/palácio Dom Manuel/espaço de exposições

    Convite a um Circo(espaço cedido gratuitamente)/contrapartidas bilheteira com desconto para idosos e crianças

    Musica tradicional da região

    ResponderEliminar
  2. Nos ultimos anos a feira tornou-se num Mercado mensal,é só TENDAS.

    ResponderEliminar
  3. Estou de acordo nos ultimos anos não existe DIFERENÇAS entre o mercado mensal e a feira...................................é preciso MUDAR RADICALMENTE a Feira .

    ResponderEliminar
  4. O que é que estes comentários têm a ver com o espetáculo da Bruxa Teatro? É só "engenheiros" e "especialistas".

    ResponderEliminar
  5. apareçam, são todos bem vindos.
    obrigado pela divulgação,
    abraço e até já

    https://www.facebook.com/events/436581409808060/?ref_newsfeed_story_type=regular

    ResponderEliminar
  6. FEIRA de SÂO JOÂO 2014

    Voltar a ser a grande Feira do Sul,deixar de ser um mercado (amontoado de tendas de bugigangas).

    Mostra de produtos regionais,Festival de gastronomia,Festival de musica popular da região,NOVO ordenamento dos Espaços,abertura do jardim publico..........................

    ResponderEliminar
  7. Requalificação do Chafariz do Rossio de São Bráz (é uma vergonha).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Primeiro é preciso sair do atoleiro em que o PS colocou a cidade e o concelho de Évora. Os roubos foram muitos e grandes e a primeira coisa a fazer é evitar a ruína e resolver o descalabro que foi deixado.

      Eliminar
  8. parece-me que a Feira de S. João, era precisamente conhecida pela venda de "tralha".
    Já não sou novo e lá me deslocava da minha terra, com os meus pais pelos anos cinquenta e sessenta e a feira era mesmo aquela balbúrdia de barracas, onde tudo se comprava e tudo se vendia...
    Não sou saudosista. Tudo evolui, mas as características tradicionais de antanho não podem ser esquecidas.
    Penso que a Câmara tem técnicos capazes de repensar a feira e criarem um novo modelo da mesma que deverá ser posta à discussão onde todas as forças vivas de Évora deverão participar.

    Desculpem estou de acordo com o comentador das 12:38.
    Realmente o que é que a feira tem a ver com o espectáculo de teatro "The Power of no".

    António Gomes

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.