quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Évora: Câmara reúne com trabalhadores da Kemet


Em reunião pública de 12 de fevereiro
Câmara de Évora e Universidade empenhadas na criação de projeto 3D
A Câmara Municipal de Évora aprovou por unanimidade a assinatura de um acordo de colaboração com a Universidade de Évora, no âmbito do projeto de reconstituição digital da cidade de Évora. O acordo inclui a criação de uma equipa de trabalho multidisciplinar que terá a seu cargo a dinamização deste trabalho centrado nas novas tecnologias e na interpretação, valorização e divulgação do património construído, através da convergência de estudos de várias ordens (história, história de arte, arqueologia, arquitetura, urbanismo) para a estruturação de organização urbana da cidade de Évora entre os séculos XI a XIX.
São ainda objetivos dos parceiros a sistematização documental e arqueológica sobre o Centro Histórico de Évora; a estruturação de um modelo alargado de colaboração; a partilha de informação produzida; criação de um modelo de investigação constante; integração dos projetos municipais em trabalhos de dinamização turística; produção de conteúdos com a possibilidade de exportação para vários suportes (aplicações móveis, exposições temporárias, estudos académicos, etc.); criação de um centro de interpretação virtual do percurso urbano do Centro Histórico; potencialização da dinâmica do espaço urbano com recurso às novas tecnologias; e possibilidade de integração em projetos paralelos atualmente em curso no Município (Cidades Educadoras; Guia do Património para as Escolas, etc.).
Foi tomado conhecimento da aceitação do Acervo Bibliográfico (Biblioteca) do extinto Governo Civil de Évora. A Câmara, através do Núcleo de Documentação, foi contatada pelo Ministério da Administração Interna no sentido de o receber, sendo que a documentação considerada de arquivo já tinha sido enviada para o Arquivo Distrital de Évora. Neste sentido, a autarquia decidiu receber todo o acervo (excepto Diários do Governo e da República que já existem no Arquivo Municipal) para evitar a sua dispersão, procedendo durante 2014 ao tratamento biblioteconómico e conservativo deste e consequente disponibilização a todos os leitores.
Foi a Câmara informada do programa do “Conto Tradicional – Memória, Identidade, Partilha”, que é inaugurado no dia 13, no Convento dos Remédios e se prolonga até 30 de abril, com diversas atividades, designadamente, exposições, tertúlias, roda de contos, teatro, cinema, ateliês, entre outras. Decorrente do programa Oralidades, o evento marca o início das atividades do recém-criado Centro de Recursos da Tradição Oral e do Património Imaterial do Concelho de Évora/Laboratório da Tradição Oral e da Cultura Popular que visa estudar, sistematizar, preservar e divulgar os saberes orais tradicionais do concelho.
A Câmara soube também da realização do Concurso de Linha Gráfica do Mês da Juventude, dirigido a jovens residentes ou estudantes no concelho, entre os 16 e os 30 anos, visando a criação da linha gráfica dos materiais de divulgação a utilizar nesta efeméride. 
O Presidente da Câmara Municipal, Carlos Pinto de Sá, informou do conhecimento oficioso da ameaça de despedimento de 127 trabalhadores da fábrica Kemet, tendo manifestado solidariedade para com aqueles que possam vir a ser atingidos por esta medida e disponibilizou transporte aos que queiram deslocar-se brevemente a Lisboa para expor as suas razões e preocupações junto das entidades competentes. A Câmara reunirá também com os trabalhadores a seu pedido para se inteirar dos pormenores da situação.
O Presidente Carlos Pinto de Sá esclareceu ainda que, em relação ao regime laboral das 40 horas na autarquia eborense, o sindicato interpôs uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Beja, ficando o mesmo suspenso até à decisão da ação principal. O Município e o STAL estão também a negociar um Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública. (nota de imprensa)

2 comentários:

  1. É natural que se queiram ir embora.
    Quem quer ter comunas sempre a morder nos calcanhares,e a prejudicar o trabalho ? Pena é que os trabalhadores,enganados por um partido que diz defende-los,acabam a passar fome,como o PCP gosta,para engrossarem a " luta " nas ruas.Assim se vé a força do PCP.

    ResponderEliminar
  2. 00:19,não passa de imbecil,os Despedimentos estavam programados desde o inicio de 2013 no reinada da gestão PS,por isso não diga asneiras,essa cassete salazarenta está gasta,nem o Papa Francisco acredita.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.