sábado, 4 de janeiro de 2014

Quem era o dono da Silveirinha?


Embora o assunto que me incomode seja o da extinção do Campo de Estrela claro que a questão da Silveirinha não deixa de me intrigar. Foi dos raros assuntos que durante os 23 anos consecutivos em que fui representante do Expresso no Alentejo e particularmente em Évora, não consegui deslindar.Por altura da construção do campo da Silveirinha fiz uma grande e colorida reportagem para a respectiva revista sobre o assunto. 
Deslocámo-nos ao local, eu e o fotógrafo, para executarmos o nosso trabalho onde já nos aguardavam Luís Morais Santos, presidente do Lusitano e o Engº. Súcia, da Eborimo.
Ambos me responderam às questões que lhe pus mas ficaram aturdidos quando lhes perguntei a quem pertencia a Herdade. Entreolharam-se atabalhoadamente (aos jornalistas desportivos era questão que não importava) e responderam-me que não sabiam. Achei estranho e insisti na pergunta. Um deles (não me lembro já qual) disse-me que ela tinha pertencido «à Reforma Agrária» e se encontrava em mau estado. Revelou-me mesmo que a sua adaptação para receber um campo de relvado havia saído bastante onerosa e problemática pois tornara-se necessário secar um largo espaço que durante mais de vinte anos tinha sido utilizado como mictório das vacas. Mas quanto ao nome do proprietário, nada.
De regresso à cidade falei com José Ernesto de Oliveira, mas também este não me quis adiantar o nome do anterior proprietário da Silveirinha. Repeti-lhe a pergunta noutras ocasiões mas nunca obtive resposta concreta.
Era inegável que havia grande preocupação em manter no segredo dos deuses quem era o Beneficiário. Numa última tentativa de indagar o seu nome-e dado que a CCDRA se havia oposto inicialmente ao negócio- contactei esta instituição para esclarecimento da situação. Mas a arq. Margarida Cancela de Abreu respondeu-me muito delicadamente que não podia, nem queria falar, sobre tão momentoso quanto delicado assunto.
Nesta medida, acompanho no raciocínio, o anónimo que diz que tudo só se saberá e esclarecerá quando alguém der com a língua nos dentes.

José Frota
04 Janeiro, 2014 18:35

26 comentários:

  1. Frota

    Não entendo bem a questão... Por que razão não foi investigar na COnservatória do registo predial e comercial.... Os registos são publicos... Se a
    i dissessem que não se podia consultar, então ficaria preocupado...

    Imagine que ía perguntar a um chinês de Badajoz quem era Jose Frota... ele não me iria responder, e isso para mim não seria nada de misterioso. As perguntas devem colocar-se no lugar certo e às pessoas certas...

    ResponderEliminar
  2. Realmente este assunto " Silveirinha..." tem tanto de secreto, como de estranho e ao que parece de perverso.
    Não acredito que não haja ninguém que não saiba a verdade para a poder contar. Refiro-me mesmo aos que não tem nada a esconder...
    Não poderão avançar com o que sabem porquê?...
    Porquê?...
    Estranho!...

    ResponderEliminar
  3. Juro que a Silveirinha, minha não era.

    ResponderEliminar
  4. sugestão

    ponham lá meia-dúzia de cabras a pastar e vejam quem chama a Polícia ou a GNR

    ResponderEliminar
  5. Conseguiu mobilizar (corromper)
    a direcção do clube
    a câmara municipal
    a comissão de coordenação regional
    as finanças
    a conservatória do registo predial
    resta saber se a judiciária também está no papo.

    Chama-se a isto Máfia ou Maçonaria?
    Maçonaria ou Máfia?

    ResponderEliminar
  6. O Partido Socialista fez a vida Negra a essa Senhora,por ela ter RESPEITADO a LEI.


    A SILVEIRINHA é um Caso de Policia.

    ResponderEliminar
  7. O caso Silveirinha não foi Investigado por se tratar de gente ligada ao PS e PSD.

    ResponderEliminar
  8. A Silveirinha é um caso evidente de CORRUPÇÃO das instituições de Évora.

    A primeira CORRUPÇAO aconteceu no Ministério da Agricultura, quando fingiu que não viu a quem foi "vendida" a Herdade da Silveirinha (como se fosse normal ela ir parar às mãos da família de um dos funcionários da Malagueira, que liderava o processo!).

    A segunda CORRUPÇÃO aconteceu na Câmara de Évora, no primeiro mandato do PS/José Ernesto, quando aceitaram uma viabilidade de construção, sobre terrenos da RAN (Reserva Agrícola Nacional) e da REN (Reserva Ecológica Nacional), ao arrepio das leis e normas em vigor. Situação que levou à suspensão do processo de aprovação da REN e a diversas "raspagens" da RAN e REN, para tentar esconder, à posteriori, as marcas do crime urbanístico.

    A terceira CORRUPÇÃO aconteceu na CCDRA, liderada pelo PS, que acabou por colocar na "prateleira" os funcionários que não vergaram a coluna e insistiram na defesa da legalidade e do ordenamento do território.

    As vítimas foram o LUSITANO, cuja Direção se deixou inebriar pelo canto das sereias... que promoveram a corrupção das instituições, e o CONCELHO DE ÉVORA que se viu impossibilitado de vir a possuir, nas próximas décadas, um verdadeiro Complexo Desportivo.

    ResponderEliminar
  9. Lutaram contra a candidatura do Pinto de Sá. Invocaram uma lei cega, da autoria dos corruptos.
    Mas, os canalhas gatunos que há décadas andam a roubar o estado e os próprios eleitores, à sombra dos cargos para que o partido os elege, esses estão acima de qualquer critica ou suspeita.
    Limitação de mandatos, só serve para ser usada contra os competentes e honestos.
    Os gatunos fazem a lei, estão acima da lei, e têm cargos políticos vitalícios.

    ResponderEliminar
  10. Então, com todos estes comentários, fiquei a entender que é um caso, que nunca terá solução, pelas razões apresentadas.
    Continuem os que fizeram tais crimes, pois nada lhe acontecerá, ainda que pelos vistos uma grande parte dos cidadãos saiba do que se passa, (eu não).
    Pena que nada aconteça e que o OMI que irei pagar será mais caro do que a maioria do país. Isto não afeta os cidadãos para exigirem esclarecimentos. Talvez porque haja muito boa gente do Centro histórico que não paga esta fatia.
    Já agora aproveito para lançar aqui um desafio à própria Câmara:
    Tendo a Câmara tanta necessidade de dinheiro, não acharia mais justo lançar IMI ao centro histórico e baixar ou até deixar ficar o valor do que se pagou anteriormente?
    Porque razão os cidadãos do Centro histórico são de 1ª e eu de segunda?
    Ao que se deve tal tratamento em tempo de vacas tão magras?...

    ResponderEliminar
  11. " Queria dizer IMI..."

    ResponderEliminar
  12. Olha este, a desculpar os crimes e a desviar o assunto.

    ResponderEliminar
  13. Sr. Frota,

    E quanto "deu" o Estado e a CME para esta "brincadeira" da Silveirinha?

    Ricardo

    ResponderEliminar
  14. Ó Ricardo, isso também eu gostaria de saber. Mas eu não tinha,e agora muito menos tenho, poderes investigatórios e policiais. Não passo, nem nunca passei de um simples e pobre jornalista, que sempre fez por honrar a sua profissão num compromisso total com o Alentejo e com Évora.Por vezes fui um pouco mais além, mas sempre na defesa destes dois únicos interesses. Por isso fui por algumas vezes processado e tive de me sentar no banco dos réus, tendo sido sempre absolvido, o que devo também à excepcional competência das grandes advogadas do Expresso, Drª. Isabel Duarte e Drº.Fàtima Esteves, as melhores especialistas do país em direito da Comunicação Social.
    É muito difícil ser-se jornalista no Alentejo e em Évora, é preciso ser-se masoquista e gostar de levar porrada e a gente quase esquecer-se de que tem família porque as represálias recaem também sobre mulher e filhos.
    Por hoje quedo-me por aqui.

    ResponderEliminar
  15. Senhor Frota:
    Então isto é mesmo um caso de polícia.
    Vivêssemos num país democrático e normal estas suas palavras não cairiam em vão...
    Por tudo isto e outras mais, os políticos não me merecem qualquer respeito. Com o meu voto nenhum mais se irá banquetear e gozar.
    Em nenhum país da Europa isto aconteceria, pois alguém já tinha prestado contas.
    Ou não é verdade que esta coisa do Silveirinha tem a ver com dinheiros públicos roubados aos contribuintes ?...

    ResponderEliminar
  16. No fim foi como fizeram no cemitério dos Remédios .

    Perguntaram se era de alguem vivo --- ninguem disse nada e venderam !

    Grande feito , merece estatueta de Ouro na entrada de Évora!


    Jorge
    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  17. No mandato de Ernesto foi publico beneficio proprio do presidente e vice ficam exemplos
    -Pavimentação para a quinta do Evaristo
    -Negocio Silveirinha
    -Cerca três
    Melgão
    -Licença de construção num terreno agrícola para si e um seu compadre e São Sebastião,feito o projecto poro arquitecto que ganhava todos os projectos da autarquia.
    -Varias empreitadas de electricidade divididas da firma que foi sócio fundador.
    A oposição da autarquia nada piou tudo em silencio até assembleia municipal ficou em silencio,são casos públicos.
    Por isso com os meus votos não se safam,vivemos em Marrocos!

    ResponderEliminar
  18. Segundo Registo na Conservatória a Silveirinha era de uma cooperativa agricola. Era portanto de "camaradas". E agora ? Vao continuar a atirar areia para os olhos de quem ? E o que foi a comitiva CDU com o camarada Joao Oliveira la fazer durante as obras ? Atão na querem lá ver!

    ResponderEliminar
  19. 22:02
    E, depois de deixar de ser da Cooperativa Agrícola, passou para as mãos de quem, por intermédio de um funcionário do MAP (Malagueira), que viria a destacar-se em cargos de relevo na nossa Cidade e não só?

    ResponderEliminar
  20. @22:02
    As cooperativas agrícolas não compraram terras por norma.
    As cooperativas alugaram as terras após as necessárias ocupações da reforma agrária.

    Quem eram os donos?

    ResponderEliminar
  21. @22:02
    As cooperativas agrícolas não compraram terras por norma.
    As cooperativas alugaram as terras após as necessárias ocupações da reforma agrária.

    Quem eram os donos?

    ResponderEliminar
  22. @22:02
    Tu pareces ser daqueles que sabe quem é o figurão, e os cargos destacados que desempenhou em organizações políticas da cidade e da maçonaria, mas atiras ao lado para tentar desviar as atenções.

    ResponderEliminar
  23. @22:58
    Vai à CRPredial e vê o registo. Está lá o nome de quem assinou e como me parece claro levou o cheque ou recebeu a transferencia. Depois ate podes pedir uma copia da escritura no notario onde a mesma foi assinada. Depois destes passos todos poderás então tirar as tuas conclusoes em vez de estares a cuspir para o ar.
    E o que foi a comitiva CDU comandada por Joao Oliveira lá fazer durante as obras ? - pois isso ja nao interessa.

    ResponderEliminar
  24. @00:42
    A gente começa a perceber porque tentas desviar as atenções do figurão. Talvez porque sabendo o seu nome, se perceberia muita coisa do mal que se fez a esta cidade na última década...

    ResponderEliminar
  25. Tratem os "bois" pelos seus nomes...então mesmo sob anonimato têm medo?

    ResponderEliminar
  26. @08:35
    Se sabes o nome diz, mas se não tens a certeza cala-te. Ou então publica sem ser sob anonimato. Bla bla bla

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.