domingo, 19 de janeiro de 2014

Praxes na origem da morte de estudantes no Meco


Os seis jovens levados pela ondulação da praia do Meco, há um mês, alegadamente sabiam que naquela madrugada se encaminhavam para um ritual de praxe liderado pelo único sobrevivente da tragédia, João Gouveia, que passaria sempre por entrar na água; apurou, este sábado, o JN, à margem da missa campal, no local da tragédia.
Terá sido por esse motivo que as vítimas deixaram os telemóveis na moradia alugada. À exceção do jovem 'Dux' da Comissão de Praxes da Lusófona, que escapou às ondas, e que levou consigo o telemóvel e uma mochila.
"É normal este tipo de rituais. Sei lá: saltar ondinhas. Lá (na Lusófona), sabemos que o João contou que era isso que fizeram. Eles sabiam que iam entrar na água. Culparem-no é um disparate", disse, ao JN, sob anonimato, uma das dezenas de estudantes que homenagearam as vítimas e se refugiaram no café de praia, devido à chuva. "Por isso deixaram os telemóveis em casa", disse a jovem, interrompida por dois colegas trajados, quando se aperceberam que a jovem estava a quebrar o pacto de silêncio que impera entre os estudantes e do qual os familiares das vítimas se queixam. (aqui)

27 comentários:

  1. Os jovens universitários que foram levados pelo mar, na praia do Meco, foram vítimas das praxes universitárias.
    O sobrevivente é o responsável pelas mortes.
    Não bastava a indignidade e brutalidade a que os caloiros são sujeitos, todos os anos, e à vista de todos, agora são mandados para a morte pelas comissões de estudantes, assassinas.

    As universidades, a polícia, e os políticos, nada fazem.
    Porque de entre esses assassinos, saem muitos dos políticos que povoam os partidos que nos desgovernam, que nos roubam, e que nos levam à ruína.

    O país está entregue a doidos e a assassinos.

    ResponderEliminar
  2. A brincar, a brincar, matam e dão cabo do país.

    ResponderEliminar
  3. pelo que sei um dos vizinhos disse que os viu ir a todos muito contentes para a praia, não foram obrigados foram de livre vontade!!!

    ResponderEliminar
  4. Isto já parece o Correio da Manhã

    ResponderEliminar
  5. Só elogios ao acincotons... É o jornal mais lido em Portugal.

    ResponderEliminar
  6. Só elogios ao acincotons... É o jornal mais lido em Portugal.

    ResponderEliminar
  7. Os estudantes levados para o mar, cantando e rindo, e os portugueses a votar nos gatunos, rindo e cantando.

    Um país de gatunos, sempre em festa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gatunos ? Inocente, não conhece o Brasil...

      Eliminar
  8. PROIBIÇAO DAS PRAXES !

    ESSE ALUNO E TODOS OS ENVOLVIDOS PREGUEM-LHES 30 ANOS DE CADEIA.

    E FECHEM A UNIVERSIDADE EM ÉVORA QUE SÓ TRÁZ VADIAGEM PARA CÁ.

    ResponderEliminar
  9. Acabar com a MERDA das Praxes ,em Évora duram 45 dias.....é uma prática Fascista.

    ResponderEliminar
  10. As Praxes não passa de um NEGÓCIO com as MARCAS de Cerveja.

    ResponderEliminar
  11. O Próximo Reitor deve acabar com as tascas dentro do colégio do Espirito Santo,de Setembro até Novembro,a Super-Boock Toma conta do Edificio.

    ResponderEliminar
  12. Não consigo perceber como tal é possível.
    Assim como também não consigo entender o pacto de silêncio feito pelos colegas. Talvez porque seja para eles mais importante honrar o líder da praxe e esconder o que aconteceu, do que honrar os colegas que desapareceram, ainda que fossem para aquele local de livre vontade.
    Tudo isto não deixa de ser estranho e sádico mesmo.
    Será mesmo que sabiam que iam para uma praxe de alto risco e que podiam lá ficar?
    Não se sabe. Não comungo da ideia que se estavam felizes e contentes então o que aconteceu teve algum sentido e daí lavamos as nossas mãos.
    Penso que as praxes não fazem qualquer sentido. Não sei se há outros países a fazê-las, mas nunca ouvi nem li que aconteça lá o que acontece cá.
    Não consigo entender como é possível as universidades consentirem tal coisa.
    Penso que se as mortes destes jovens estão ligadas a rituais de praxe então tudo isto me assusta e devia assustar qualquer um...
    Penso que terá que ser feita legislação no sentido de proteger e de defender todos aqueles que numa determinada altura da sua vida entram numa universidade.
    Não chega dizer que eles quiseram entrar no jogo.
    Isto não é próprio dum país europeu!

    ResponderEliminar
  13. Alegam que as praxes são um ritual de boas vindas e integração dos caloiros.
    Na verdade a coisa é um ritual de poder dos mais velhos sobre os caloiros.
    A qualquer besta, estúpida e cruel, é conferido o poder de abusar de caloiros, inexperientes e indefesos.
    São uns heróis estes assassinos.

    ResponderEliminar
  14. AS PRAXES SAO NOJENTAS!
    PARECEM BANDOS DE ATRASADINHOS MENTAIS PELAS RUAS DA CIDADE.
    QUANDO OS VEJO SINTO NOJO E ÓDIO DESSES INUTEIS QUE ANDAM NESSA FIGURA DEPRIMENTE PAGA COM OS NOSSOS IMPOSTOS.
    A GENTE NAO PRECISA DE TANTOS LICENCIADOS QUE NAO SERVEM PARA ABSOLUTAMENTE NADA E AINDA FAZEM POUCO DA POPULAÇAO DE ÉVORA!
    A MAIORIA NAO TEM CULTURA NENHUMA.
    SABEM MENOS QUE AS PESSOAS COM A QUARTA CLASSE.
    SINTO VERGONHA DESTE PAI QUE PERMITE ESTA CANALHA NA NOSSA CIDADE.
    É VE-LOS NO PINGO DOCE DA BP,AOS BANDOS A COMPRAREM CERVEJA E VINHO PARA VOMITAREM Á PORTA DAS PESSOAS!
    SINCERAMENTE ACABEM COM A MERDA DAS UNIVERIDADES E CORRAM OM ESTA CANALHA LÁ PARA DE ONDE VIERAM...OS PAIS QUE OS ATUREM E LHES DEEM DE COMER.
    ÁS VEZES SÓ ME APETECE CORRE-LOS Á CHAPADA,MAS ESSES SENTEM-SE ADULTOS E COM DIREITOS.
    NAO RESPEITAM NINGUEM,NEM MESMO A POLICIA.
    A MINHA OPINIAO,ERA CORRER DAQUI COM ESSES VANDALOS !
    NAO PRECISAMOS DE UNIVERSIDADE DE VADIOS!!!

    ResponderEliminar
  15. Acabar com as PRAXES deve ser uma exigência de Todos.

    NUNCA MAIS as PRAXES.

    ResponderEliminar
  16. As PRAXES foram instituídas pelo REGIME FASCISTA.

    ResponderEliminar


  17. Prender o cobarde que enviou os colegas para o mar, enquanto ele assistia cá fora. Diziam que ele escapou, escapou do quê, ele estava ca fora bem longe a ver a desgraça dos outros... bandidos, presos para o resto da vida. O s outro pensavam duas vezes.

    ResponderEliminar
  18. PONHAM ESSE FILHO DA PUTA NA CADEIA.

    ResponderEliminar

  19. toca a punir quem tem culpa,o porquê da razão do silêncio do sobrevivente

    ResponderEliminar
  20. A Super-Bok patrocina as praxes, aliciar miudos de 18 para o alcoolismo é um bom negócio
    Os poderes não se metem nisso, eles os jotinhas adoram o poder, para arranjar a vidinha deles e dos seus, a vida neste país de tótós não está facil

    ResponderEliminar
  21. Conto uma estória:
    Não vivo em Évora, mas lá me desloco de vez em quando, porque é cidade dos meus encantos.
    Lá fui, um dia, em tempo das tais praxes, que pelo que me apercebo duram 45 dias e serão 45 dias de álcool.
    O ano passado, penso que em meados de Outubro, passava já era noite, pelo Rossio de S. Braz, onde um grupo de cerca de 20 miúdos, apalhaçados, obedeciam a um grupo de energúmenos com traje académico que obrigavam um primeiro grupo dos apalhaçados a atirar-se para o chão, sendo que outro grupo se atirava posteriormente para cima do primeiro.As ordens emanadas do grupo de energúmenos eram imperceptíveis.Pareciam mais urros que outra coisa.
    Aproximei-me um pouco e achando que a brincadeira nada tinha de normal, mas que era de uma anormalidade total, mandei uma boca, usando a sonoridade oral suficiente para que fosse ouvida, traduzida na seguinte expressão: "Se aí estivesse um filho meu, estavam aviados".
    Houve silêncio durante alguns segundo,mas um desses energúmenos, ainda avançou para o meu lado. Foi travado pelos outros. Afastei-me...
    Será que o que se estava a passar não seria um crime?
    Palavras para quê?

    António Gomes

    ResponderEliminar
  22. Só é praxado quem quer. Tenho 2 filhos que frequentaram universidades diferentes. Um não foi praxado porque recusou. Fez o seu curso sem qualquer contratempo e, felizmente, já está a trabalhar. O outro foi praxado, porque foi essa a sua escolha. Também terminou o seu curso e lá vai seguindo com a sua vida. Não tive qualquer interferência nessas escolhas porque considerei que já não eram meninos. É isso mesmo, eram adultos (ou quase) e tinham plena consciência das suas escolhas. E fizeram-nas livremente. Isto tudo para deixar uma pergunta: alguém acredita que os alunos que, ao que tudo indica, foram para o Meco para serem praxados, o fizeram contra vontade? Alguém lhes apontou uma pistola? Fizeram uma escolha que foi, tudo o indica, participar numa praxe idiota e perigosa. Mas foi uma opção tomada por pessoas que já tinham muito boa idade para saber no que se estavam a meter. Infelizmente para eles (e para as famílias e amigos) tiveram um imenso azar. Mas, repito, ninguém lhes apontou uma pistola ou os atirou ao mar. A vida é isso mesmo: fazer escolhas e arcar com as consequências das mesmas. E, antes que comece o bombardeio de comentários insultuosos, devo esclarecer que, pessoalmente, acho as praxes uma imbecilidade. Mas só participa quem quer. E, para tristeza minha, a maioria quer.

    ResponderEliminar
  23. 11:55 nao é bem assim...muitos sao mesmo obrigados.
    deves ser algum a defender algo...
    PRAXES PROIBIDAS,JÁ !

    ResponderEliminar
  24. Isso é uma historieta bem montada para defender o indefensável.... és Agente da SUper Bock ? ou da Sagres?

    ResponderEliminar
  25. Com cada parvoíce que se lê aqui , mete dó na alma !
    Os jovens de agora tem hábitos anormais de bradar e acordar os mortos , vejamos a quantidade de droga e álcool que é apanhado em Portugal e a sumir dos balcões da noite Portuguesa .
    Para mais , alguns praticam sem os pais saberem rituais satânicos onde abrem o espírito a novas aventuras , tipo fazer o que ainda não foi feito .
    Cabe na cabeça de um ser vivo que se juntem jovens numa casa para serem praxados ?
    Ou , será que depois de um jantar mal comido à base de hidratos carbono e muita droga com shot´s à misturara se lembram de ir tomar o banho que lava a alma ?
    Os pais hoje não sabem quem tem em casa !

    Tenham vergonha de acusarem seja quem for de assassino sem saberem quem tem em casa !


    Em Portugal reina sempre o " ser suspeito " ou ser " arguido " equivale na justiça Popular a uma fogueira a queimar a pessoa visada .

    A cultura das pessoas é tão antiga que ou não percebem ou fazem que não percebem que existem sentenças de Tribunais .

    Tem a mania que são abelhudos mas não gostam quando o "cuspo" lhe cai em cima !





    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.