quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Bispo de Beja: fado, futebol e Fátima


O Bispo de Beja considera Eusébio um “símbolo da identidade nacional” e o “maior embaixador de Portugal nos últimos 50 anos”. 
Na sua Nota Semanal enviada à Rádio Pax, D. António Vitalino Dantas recorda o jogador do Benfica que faleceu no último Domingo. O prelado lembra que quando estudou na Alemanha, em 1966, muitos colegas só identificavam Portugal como o país de Eusébio.
“Eusébio foi realmente o primeiro e maior futebolista da África e de Portugal e um grande embaixador de Moçambique e do nosso país”, realça o Bispo de Beja enquanto enaltece as suas qualidades: “humildade, simplicidade e humanidade”.
Segundo D. António Vitalino Dantas, “na origem das qualidades humanas desta grande figura estava uma mãe, uma família, que lhe transmitiu os valores que o tornam digno da nossa admiração, não apenas como herói do futebol, mas também como modelo de homem”. Por isso não tem dúvidas que, “Eusébio ficará para a história como um dos símbolos da nossa identidade, assim como o é Amália Rodrigues pela música e Fátima para os católicos”.
O prelado espera que “continuemos a aprender com Eusébio estas virtudes fundamentais das relações humanas, e não nos contentemos com admirar apenas o seu génio futebolístico”. (aqui)

6 comentários:

  1. A Igreja no Alentejo continua caduca,reacionária e anticristã.

    ResponderEliminar
  2. O discurso é o mesmo do tempo do Salazarismo,a hierarquia da igreja continua a viver com e para os grupos mais reacionários.

    Esta não +e a Igreja Libertadora de Jesus Cristo,é Tempo dos Cristãos resgatarem a Igreja dos pobres e oprimidos e correrem com os Vendilhões do Templo.

    ResponderEliminar
  3. Este Beirão, triste, reacionário e quadrado, nada tem a ver com o bispo de Beja anterior....

    ResponderEliminar
  4. EUSÉBIO

    de tanta idolatria
    por EUSÉBIO
    já dou comigo
    a pensar nisto

    em que Club
    do Oriente Médio

    terá jogado
    há dois mil anos

    JESUS CRISTO

    ResponderEliminar
  5. A hierarquia da Igreja no Alentejo continua dependente da velha burguesia reacionária.

    ResponderEliminar
  6. Esta não é a Igreja que está do lado dos mais fracos,é uma Igreja que vive fechada nos seus palácios,mordomias.........nada tem de libertadora e de Solidária.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.