quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A morte de um tempo

Eusébio morreu no passado domingo. Dito assim, parece que apenas morreu um homem, genial futebolista, produtor de alegrias colectivas num tempo de chumbo, onde uma imperava uma feroz ditadura.
Mas se foi apenas um homem que morreu, como justificar esta comoção generalizada, que arrastou quase toda a gente, incluindo aqueles que nunca o viram jogar e aqueles que detestavam que os seus golos e jogadas fossem a fonte de derrotas dos clubes da sua paixão?
Parece-me que cada um dos que choraram a sua morte, o fizeram por uma razão diferente.
Houve quem lamentasse a perda de um símbolo do seu clube, quem chorasse o desaparecimento do ídolo que quase levou Portugal ao título mundial, quem valorizasse o homem pobre que vindo de longe se afirmou como um herói popular.
Eusébio não era apenas um símbolo. Era uma figura mítica com a capacidade de representar aquilo que de melhor parece a cada um. Seja um tempo, uma forma de estar, um lampejo de genialidade ou uma espécie de vingança sobre as inevitabilidades.
Para mim, Eusébio era o “mais custoso” dos bonecos da bola, aquele que me impedia de acabar as colecções.
Era aquele que me irritava quando passeava a sua classe pelo campo do Barreirense, impedindo a vitória do meu clube e que eu achava que nem era nada de especial.
Era a figura central das histórias que ouvi contar tantas vezes que, apesar de ter apenas 6 anos aquando do mundial de 66, tive sempre a sensação que assisti a todos os jogos e memorizei todas jogadas fantásticas que deram aquelas tão cantadas vitórias.
Eusébio era sempre o que cada um de nós queria ser quando jogávamos à bola na rua da fábrica dos chocolates, utilizando o portão da fábrica como baliza.
Até quando chorávamos, depois de aparatosas quedas no alcatrão, desejávamos fazê-lo como vimos mil vezes o Eusébio fazer após aquela derrota injusta com os ingleses.
Cada um chorou a perda de Eusébio onde mais lhe doeu. Eu senti a morte do “pantera negra” como a morte da minha infância.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na Rádio Diana)

8 comentários:

  1. O Luciano desde que é verador com pelouro passa o tempo a chutar para o lado e não consegue acertar uma. Agora refugia-se no Eusébio, amanhã na Amália. Um dia destes até vai em peregrinação a Fátima. Falar da Câmara e do concelho? Nã, que isso agora é tabu (talvez se forem as agruras da dívida lá vá).

    ResponderEliminar
  2. Ora, então havia de dizer mal da mão que lhe dá de comer ?

    ResponderEliminar
  3. Ora aqui está mais um parolo, a juntar a muitos. Mas dizer bem do Eusébio e idolatrá-lo "bate bem" na cabeça de muitos eleitores... e vai daí, todos os que querem caçar votos alinham na palhaçada. Ninguém tem coragem de redimensionar as homenagens.
    E lá irá o Eusébio -grande futebolista, como foi óbvio - para o panteão, cantando e rindo.
    PL

    ResponderEliminar
  4. Pelo andar da carruagem, daqui a uns anos estará lá a Erica Fontes.

    ResponderEliminar
  5. Vai trabalhar luciano!
    Deixa-te de cronicas.

    ResponderEliminar
  6. E tira esse sorrisinho cinico e irritante

    ResponderEliminar
  7. "Eu senti a morte do “pantera negra” como a morte da minha infância."
    Suportei todas as outras baboseiras de "vão-de-escada" mas esta?!?!?
    Foi preciso morrer o Eusébio para lhe passar a infância...
    Se assim foi, valeu a pena, pode ser que pare de vez com as suas infantilidades de inconsciente e irresponsavel.

    ResponderEliminar
  8. Este Luciano nao passa de um hipócrita.
    Esta gente é capaz de dizer todo o tipo de parvoíces,para se fazerem notar.
    Faz-se notar...sem dúvida!
    Mas pela imbecilidade.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.