segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Lobo em Pele de Cordeiro

Decorreu na última sexta-feira mais uma reunião da Assembleia Municipal de Évora. O Bloco de Esquerda apresentou uma recomendação ao executivo para divulgar, no espaço de três meses, os dados que atestam as vantagens económicas para a região de Évora da projectada exploração mineira na zona da Boa Fé.
Esta recomendação foi aprovada por unanimidade, e surgiu por parecer haver uma alteração na tomada de posição da Câmara Municipal de Évora acerca do referido projecto.
Se o anterior executivo emitiu um parecer desfavorável em sede da Comissão de Avaliação do Estudo de Impacte Ambiental desta Exploração Mineira (afirmando que não era evidente a geração de benefícios para as populações locais e referindo, sobretudo, as desvantagens ao nível ambiental), já o actual executivo parece ser mais favorável à viabilização do projecto.
Assim, é importante que a Câmara Municipal de Évora apresente um estudo que inclua: a manutenção de infra-estruturas (viárias, de distribuição de água e tratamento de esgotos, entre outras); monitorizações adicionais a questões não contempladas pela empresa, como sejam as relacionadas com a saúde pública, continuadas e para além do encerramento da actividade mineira; a previsão de prejuízos nas árvores e nas produções hortícolas atingidas pelo empoeiramento fora do estrito perímetro do Estudo de Impacte Ambiental; a previsão dos valores cautelares a solicitar à empresa, para que possam ser minimizados os danos provocados por um eventual abandono prematuro da exploração e cobertos os danos em património natural e edificado; e o impacto económico nas actividades existentes (turismo, agricultura, silvicultura, etc.).
É importante relembrar que se trata de uma exploração mineira a céu aberto na Serra de Monfurado, com uma área compremetida equivalente à do Centro Histórico, envolvendo duas crateras com 120m e 90m, equivalentes a 40 e 30 caves, respectivamente. Prevê-se uma mobilização de quase 11 milhões de toneladas de rocha, contendo uma tonelada de arsénio, libertado no empoeiramento (provocando chuvas ácidas) e na lixiviação (infiltrando-se no solo e nos aquíferos).
Os números são de facto assustadores: 11 mil toneladas de arsénio na bacia de rejeitados, a que se somam 252,5 toneladas de amil xantato (químico inflamável e irritante para a pele e olhos e incluído na lista de produtos perigosos) e 1080 toneladas de sulfato de cobre puro.
E não tenhamos ilusões. Mesmo que a empresa de exploração garanta que recuperará toda a zona após a exploração, essa é, provavelmente, uma promessa que nunca será cumprida. De facto, a norma das explorações mineiras é o abandono após a fase mais produtiva para as empresas, de que resultam 175 minas abandonadas em Portugal e mais de 21 mil num dos paraísos mineiros: o Canadá.
Os dados são alarmantes, pelo que é importante que os responsáveis políticos não tomem decisões sem informar devidamente os cidadãos acerca dos reais impactos do projecto. Não deixaremos que isso aconteça. O futuro não se vende a preço de saldo.
Não posso deixar de desejar um óptimo 2014 a todos os ouvintes, ciente que este será tanto mais frutuoso quanto maior for a luta de todos por uma sociedade mais justa e fraterna.
Até para a semana.

Bruno Martins (crónica na Rádio Diana)

34 comentários:

  1. Já prenderam os Lavradores que durante 26 anos escravizaram em Évora um cidadão?

    Já prenderam o latifundiário dono do cavalo?

    ResponderEliminar
  2. Afinal é latifundiário ou Ganadeiro?

    ResponderEliminar
  3. Haja alguém que explique ao senhor Bruno que a entidade LICENCIADORA desta exploração mineira, não é a Câmara Municipal.

    Haja alguém que explique ao senhor Bruno que a VIABILIDADE PARA PROSPECÇÃO MINEIRA na Boa-Fé foi consubstanciada na recente revisão do PDM de Évora, publicada em Diário da República, de 12 de Fevereiro de 2013. E, já agora, informem também o senhor Bruno que essa revisão foi aprovada com os votos favoráveis do PS e a abstenção de PSD e BE. Apenas a CDU votou contra.

    Haja alguém que explique ao senhor BRUNO MARTINS que a demagogia sem limites acaba por matar quem a usa como arma política.

    ResponderEliminar
  4. Muito bem Bruno. Muito bem BE
    Não sou do Bloco de Esquerda, mas aplaudo a sua postura sobre esta questão desde o início. Se há alguém que tem o rabo entalado é a CDU e o PS...
    O ataque que lhe fazem no comentário anterior é fruto de uma arrogância e do medo pelo excelente trabalho que tem desenvolvido na AM.
    Continue...
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Ah e O parecer da Câmara é crucial, e o senhore bem sabe disso...

    ResponderEliminar

  6. A sic voltou a repetir a reportagem da escravatura em Évora

    O Ganadeiro negreiro e esclavagista
    da herdade do alto da Abaneja é Jacinto Cardoso.
    Já foi constituido arguido?
    Está com termo de identidade e residência ou vai ficar impune

    ResponderEliminar
  7. 15:24
    Para ser coerente deveria ter votado contra a alteração do PDM (publicada em Fevereiro 2013) onde se incluiu aquela área como Espaço de Exploração Mineira.
    Mas deviam estar distraídos, pois na hora da votação o BE absteve-se.

    ResponderEliminar
  8. Os intelectuais da treta
    armam-se em santos
    mas na hora da verdade
    estão sempre
    do lado dos selvagens.

    E depois esquecem-se!

    ResponderEliminar
  9. RELATÓRIO do PDM, de Fevereiro de 2013:

    «Em meados de 2004 estes trabalhos [de prospecção e pesquisa de uma faixa geológica com elevado teor em ouro] foram reiniciados pela empresa “Iberian Resources Portugal”, com base em dois contratos estabelecidos com o estado Português, que vigoraram até 2008, denominados Monfurado e Montemor.

    No seguimento desta contratualização foi solicitada à Direcção Geral de Energia e Geologia a concessão experimental para exploração aurífera, tendo sido celebrado no dia 2 de Novembro de 2001, por um prazo de 3 anos, um contrato de concessão de exploração experimental de depósitos minerais de ouro, prata, cobre, chumbo, zinco e minerais associados, entre o estado português e a empresa “Iberian/Colt” para uma área correspondente a 4 678, 18 hectares, distribuídos pelos concelhos de Évora e Montemor…

    …nos espaços alvo de contratualização para prospecção e pesquisa, assim como nas áreas de concessão experimental dos depósitos minerais, deverão ficar garantidas as condições de uso do solo necessários à salvaguarda das condições que permitam a exploração futura, pelo que se propõe nesta alteração do PDM Évora proceder à representação desta áreas na Planta de Ordenamento.
    »

    REGULAMENTO do PDM, de Fevereiro de 2013:

    «Artigo 36.º
    Espaços Afetos à Exploração de Recursos Geológicos
    Integram esta categoria os solos onde se localizam as unidades extractivas de massas minerais.
    »


    E, perante isto, qual foi a posição do BE?
    Votou contra?
    Não, ABSTEVE-SE!

    Mas, depois disto, ainda têm a distinta lata de atirar pedras aos telhados dos vizinhos, como se fossem virgens puras e impolutas…

    ResponderEliminar
  10. A Primeira Página do Diário do Sul de hoje.........irrita Robalo.

    ResponderEliminar
  11. Já Prenderam o JC?

    ResponderEliminar
  12. Senhor Robalo DEMITA-SE


    VMER está sempre Inoperacional.

    ResponderEliminar
  13. Quem não tem dinheiro Morre neste País,assim terá acontecido a um senhor que esperava para ser operado a uma hérnia no dia 25 de Dezembro..........não foi na Nigéria,foi na Liberalitas Julia.

    ResponderEliminar
  14. @14:53 disse:

    «Haja alguém que explique ao senhor BRUNO MARTINS que a demagogia sem limites acaba por matar quem a usa como arma política.»

    Já matou, caro anónimo, basta lembrar a escassa dúzia de votos que o BE arrecadou - 14 para a câmara, 17 para a assembleia municipal - na freguesia onde se situa o projeto.

    O BE fez disto o seu tema obsessivo de campanha eleitoral, só ultrapassado pela demagogia ainda mais descabelada à volta da lei de limitação de mandatos autárquicos, de que o facebook, disponibilizado publicamente, da virgem ofendida que assina a crónica é o melhor exemplo, mas a população local pura e simplesmente deu-lhe com os pés.

    Preocupações ecológicas, a ponderação criteriosa e rigorosa do impacto ambiental do projeto da mina de ouro é uma coisa, bem necessária aliás, outra é a demagogia desbragada, que, como muito bem diz o anónimo, mata. E já matou, acrescento eu.

    ResponderEliminar
  15. O JC vá preparando no minimo
    312000 euros para indemnizar o Francisco que escravizou.
    26 anos X15 meses X 800 euros mês.
    Como o pretinho nunca gozou férias é obrigado a pagar 15 meses.
    800 euros até é pouco pois o desgraçado trabalhava 900 horas por mês. Afinal será pagar pouco mais de 1 euro à hora, contas por alto terá trabalhado 280000 horas nos 26 anos

    ResponderEliminar
  16. deves ser comuna...já estás a fazer a festa,a deitar os foguetes e a apanhar as canas.
    Tás tao preocupado com o Francisco...
    Será que nao és um anjinho que desceu á Terra?
    Acho exagerado a tua preocupaçao...e outros,se é que nao és tu também...é com o cavalo.
    Parece-me bondade a mais...acho que tu estás aqui para distrair as pessoas de outros assuntos...enquanto falam disto...nao falam do teu partido...por exemplo...
    DESCULPA LÁ...MAS É O QUE PARECE!!!

    ResponderEliminar
  17. ana cardoso pires30 dezembro, 2013 22:06

    Ainda sobre a exploração mineira
    A morar na Boa Fé há quase 20 anos, dou a cara pelo que penso e não me refugio no anonimato para distorcer posições de qualquer cidadão que tenha a coragem de as apresentar publicamente. Sobre a exploração mineira:
    1. considero um momento alto da vida autárquica de Évora aquele que refere o Bruno Martins, em que todos os partidos acordaram em que deviam ser avaliadas e quantificadas as propaladas vantagens da exploração mineira prevista para a Boa Fé – tal nunca foi feito antes, nem pelo governo nem pelas Câmaras e demais organismos públicos
    2. até há um ano, ninguém na região parecia saber rigorosamente nada sobre eventuais problemas colocados pela actividade mineira; acredito que foi isso que justificou a abertura do PDM à prioridade mineira sobre outras intervenções de desenvolvimento na área de Monfurado – quem introduziu essas alterações que diga porque o fez e não procure bodes-expiatórios noutros partidos que não souberam medir as consequências do artº 78D e se abstiveram
    3. aquando da consulta pública sobre o Estudo de Impacte Ambiental, alertei pessoalmente políticos de diversos partidos para o grave crime ambiental que aqui se preparava; o PS/Évora pós-José Ernesto Oliveira começava já a manifestar reservas em relação à exploração mineira; os Verdes, em reunião em Lisboa, ficaram chocados e cheios de vontade de se atirar à questão - e nunca mais mexeram uma palha; a CDU/Évora fez de virgem ofendida (“Não diga, temos de falar sobre isso”, sic e posso dizer nomes); e sim, o Bloco de Esquerda disse que estava disposto a colaborar na contestação da mina e, como se vê, está a cumprir
    4. depois de publicado o parecer da Comissão de Avaliação do Estudo de Impacte Ambiental, já não vejo razão para se manter a ignorância; e se o que importa é o futuro de todo o noroeste do concelho de Évora e de toda a serra de Monfurado – e não o desporto judaico-cristão de encontrar culpados, para entreter o pagode –, acho que todos devemos regozijar-nos com a unanimidade registada e colaborar ao máximo com o Executivo da CME no esclarecimento de uma questão que devia ter sido prévia: quanto se ganha e se perde com esta intervenção, uma mina a céu aberto que destruirá para sempre uma área equivalente ao Centro Histórico de Évora e com repercussões calamitosas que poderão chegar às portas da cidade e à foz do Sado
    5. convicta que estou - porque tenho estudado afincadamente o problema - de que vai resultar óbvio o prejuízo que a exploração acarreta, não apenas ambientalmente, mas até em termos contabilísticos, aconselho a não desprezarem os poucos que se têm mexido e tentado abrir os olhos para a questão; pessoalmente, muito gostarei que este pesadelo não passe de um "tema obsessivo de campanha eleitoral" que não dá votos a ninguém, se isso significar que vamos ter os eborenses a opor-se em unanimidade a que ele vá para a frente.
    Ana Cardoso Pires

    ResponderEliminar
  18. Ficam muito nervosos quando o BE fala da mina de ouro.
    Porque é que não dizem que o Bloco de Esquerda foi o único partido que votou contra o PIER - Plano de intervenção no Espaço Rural de Monfurado, o tal que possibilitou a instalação da mina?
    Em Montemor, a CDU fez a mesma alteração e incluiu no seu PIER a as atividades mineiras na sua parte de Monfurado.
    O que foi pedido pelo BE e que todos os partidos concordaram foi que ficasse provada a vantagem de abrir uma mina a céu aberto. Se é assim tão bom para o concelho não há que ter medo dos resultados dos estudos

    ResponderEliminar
  19. Ficam muito nervosos quando o BE fala da mina de ouro.
    Porque é que não dizem que o Bloco de Esquerda foi o único partido que votou contra o PIER - Plano de intervenção no Espaço Rural de Monfurado, o tal que possibilitou a instalação da mina?
    Em Montemor, a CDU fez a mesma alteração e incluiu no seu PIER a as atividades mineiras na sua parte de Monfurado.
    O que foi pedido pelo BE e que todos os partidos concordaram foi que ficasse provada a vantagem de abrir uma mina a céu aberto. Se é assim tão bom para o concelho não há que ter medo dos resultados dos estudos

    ResponderEliminar
  20. Nervosos?
    A mim parece-me que ficam confusos por verem que o BE nada disse e até se absteve quando, em sede de revisão do PDM, foi incluida a exploração mineira de Monfurado há cerca de um ano.
    E, agora que está incluída em PDM (que só pode ser alterado 3 anos depois da publicação - ou seja: em Fevereiro de 2016) querem que se faça o quê?

    ResponderEliminar
  21. que se faça o quê? que se perceba qual a negociata montada, em que o governo recebe umas cascas de tremoço e o país fica mais pobre e a região mais endividada, será isso o que os eleitos da AM pensaram? olha, não é mal pensado! comentadores clubistas desgraçados que se recusam a aceitar que não nasceram ensinados! quando tiverem chuvas ácidas a caírem-lhes em cima ou a última riqueza da região, o sobreiro, todo destruído, agarrem-se bem à ideia de que houve uns abstencionistas, porque foi isso que abriu as portas à desgraça...
    se houver consenso na análise dos números a que a câmara chegar, deixem que logo chega à Assembleia da República o que há que fazer.

    ResponderEliminar
  22. A Ana Cardoso Pires explicou tudo, tim por tim.
    Porque é que os anónimos e anódinos comentadores não contradizem o texto da Ana?
    Talvez porque são burros e não saibam ler preto no branco.

    António Gomes

    ResponderEliminar
  23. Porque se absteve o BE na aprovação dr um PDM que, além de muitos outros crimes, permite a exploração mineira, selvagem, insustentável, e contra natura?
    Porque se absteve o BE na aprovação do plano e orçamento para 2014?

    Porque não explicam os nim?

    Razões técnicas?
    Quais?

    Razões de baixa política?
    Como na limitação de mandatos, ao lado da extrema direita?

    ResponderEliminar
  24. o que têm a dizer o arnesto, o melgas e os empolgados restantes homens do brilhantismo?

    ResponderEliminar
  25. ana cardoso pires31 dezembro, 2013 16:58

    Caro António Gomes,
    É um prazer referenciar alguém por um nome, ainda que presuma que não seja o verdadeiro. No caso, não é importante, porque a oposição dialéctica seria feita com anónimos, pessoas a quem o 25 de Abril não deu liberdade de expressão.
    A dialéctica não é para todos e a história ensina pouco a quem vive a discutir o sexo dos anjos. Se, há um ano, muito pouca gente sabia o verdadeiro perigo que representam as explorações mineiras em geral e em particular a céu aberto, como a da Boa Fé, hoje, com o Bloco ou fora dele, alguma informação passou. Insuficiente, a meu ver. Para uns, isso é motivo para querer saber mais. Para outros, o que importa é nivelar por baixo os que introduziram as alterações e os que não as souberam ler.
    Volto aqui para louvar o facto de os eleitos da nossa Assembleia Municipal terem atacado a falta de informação com pragmatismo. A grande maioria deles pertence a partidos que se conjugaram para favorecer a abertura da Rede Natura à destruição, aqui e em Montemor. Alguns são até os próprios que a votaram favoravelmente. Não foi, pois, a sacralidade partidária ou a soberba pessoal que os moveu – foi a inteligência.
    Espero que, perante o produto do trabalho dos técnicos da Câmara e de quem decidam ir buscar para os apoiar (não seria altura de a Universidade se chegar à frente?), cada sensibilidade política puxe pelas suas convicções e procure melhorar o entendimento do problema. Porque os atacantes estão às portas da cidade e prevê-se um combate desigual.
    Ana Cardoso Pires

    ResponderEliminar
  26. «os atacantes estão às portas da cidade...»

    Os atacantes não estão à porta da Cidade, tomaram-na por dentro e até conseguiram inscrever em PDM a garantia de exploração mineira da Boa-Fé.
    E essa "inscrição" será válida e irrevogável durante os próximos 3 anos!

    Mas, infelizmente, ainda há quem não seja capaz de distinguir o trigo do joio e continue incapaz de apontar o dedo aos criminosos que patrocinaram revisões avulso do PDM do concelho, simplesmente para favorecer os amigalhaços e seus interesses mesquinhos e egoístas.

    ResponderEliminar
  27. O BE em Évora continua de cabeça perdida depois do desaire autárquico. Então o Bruno não sabe que a CME não é a entidade licenciadora desta exploração mineira ?? Ignora este facto ou é propositado para lançar culpas em cima de quem não as tem ? Culpa tem ele por ter viabilizado, com o seu voto de abstenção, a revisão do PDM de Évora.
    Gosto de ver os bloquistas assanhados contra os comunistas , é assim que a esquerda se trata em Portugal e depois admiram-se que a direita cavalgue por cima de todos nós.

    Volta Amália ! E leva o Bruno para o sítio de onde nunca devia ter saído, por favor

    ResponderEliminar
  28. O Bloco de Esquerda é um partido de protesto. Ponto final paragrafo.

    O PCP é um partido de protesto mas foi ganhando experiência autarquica coisa que o BE nunca terá.

    ResponderEliminar
  29. É pena que essa experiencia,nao vos salve de voces próprios...da vossa extinçao. Porque voces vao desaparecer,e isso é um facto que a história recente da humanidade,já revelou.

    ResponderEliminar
  30. Porque será que anónimos e anódinos comentadores, não conseguem ir além de lugares comuns que, nada acrescentam sobre uma questão (exploração aurífera na Boa Fé)que a todos nos devia preocupar, enquanto sacrificam o Bruno Martins, talvez por ser do Bloco de Esquerda, mas que soube com coragem, apresentar uma recomendação que, até foi aprovada por unanimidade, onde expôs todos os problemas ambientais que essa exploração trará para a região.
    Porque será que tais comentadores não rebatem o teor do comentário
    da Ana Cardoso Pires? Será que a sua capacidade intelectual, lá não conseguirá chegar.
    Deixem o Bruno em paz que, ao não responder a tais boçalidades, só demonstra ter uma capacidade intelectual acima da vossa.

    António Gomes

    ResponderEliminar
  31. Diz Bruno Martins:
    «Se o anterior executivo emitiu um parecer desfavorável em sede da Comissão de Avaliação do Estudo de Impacte Ambiental desta Exploração Mineira (afirmando que não era evidente a geração de benefícios para as populações locais e referindo, sobretudo, as desvantagens ao nível ambiental), já o actual executivo parece ser mais favorável à viabilização do projecto.»

    Mas será que Bruno e o BE já se esqueceram que foi o anterior executivo que inscreveu há menos de um ano, em sede de revisão do PDM, a viabilidade para prospeção e exploração do ouro da Boa-Fé?

    Será que Bruno não sabe que o parecer do anterior executivo não é desfavorável, nem poderia ser, quanto ao essencial: A VIABILIDADE DE PROSPEÇÃO E EXPLORAÇÃO MINEIRA, devido à regra inscrita em PDM, em Fevereiro de 2013?

    E será que ainda ninguém lhe explicou que essa inscrição em PDM irá vigorar durante 3 anos, sem possibilidade legal de ser alterada antes?

    E será que Bruno Martins já se esqueceu que essa revisão do PDM foi aprovada com os votos favoráveis do PS e a abstenção de PSD e BE. Será que já não se lembra que só a CDU votou contra a referida alteração do PDM?

    Então porque tanta demagogia e a canhestra tentativa de proteger quem, efectivamente, "vendeu o futuro a preço de saldo"?

    ResponderEliminar
  32. «E não tenhamos ilusões. Mesmo que a empresa de exploração garanta que recuperará toda a zona após a exploração, essa é, provavelmente, uma promessa que nunca será cumprida.»

    Ora aqui está um bom argumento que teria servido para o BE votar contra a alteraçãodo PDM que consubstanciou a VIABILIDADE de prospecção e exploração mineira na Boa-Fé.

    Agora, depois de aprovada e publicada a alteração do PDM, no passado mês de Fevereiro, não passam de lágrimas de crocodilo para enganar papalvos e outros patetas.

    ResponderEliminar
  33. Amigos, onde há ouro... nem pensem que alteram o estado da coisa. Leiam as leis magnas e suas seguintes e percebam que nada poderão fazer. Sorte não ser petróleo ou gás natural. Imaginem se se o descobrirem uma bolsa mesmo por baixo da aldeia... garanto que ela vai abaixo e serão os próprios moradores a cavar o buraco.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.