quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

(ex) Postos à Prova

A próxima semana marca o início da pausa lectiva para milhares de jovens alunos portugueses.
Nas escolas, a azáfama dos professores prossegue com as reuniões de avaliação, sempre plenas de uma carga burocrática, crescente, onde pontuam relatórios, planos, análises de documentos especializados, tratamento e encaminhamento de casos prioritários, etc, etc.
Para a semana, não são apenas os alunos que vão ser avaliados, no dia 18, próxima quarta-feira, milhares de professores, contratados, realizam uma chamada prova de avaliação de conhecimentos e capacidades para que possam exercer a sua função, agora repescada às tristes memórias dos tempos da ministra Maria de Lurdes Rodrigues.
Mais uma vez não se resiste à tentação de retirar o centro da educação do seu objecto prioritário, os alunos, e sem aparente e lógica explicação abre-se mais uma frente de batalha social e profissional.
Confesso que não entendo a deriva da agenda do MEC que depois de tudo o que têm sido as dificuldades inerentes à implementação do ano lectivo, surge agora com esta ideia que parte a meu entender de um conjunto de premissas falsas e com as quais não concordo.
Sejamos claros:
1- Esta prova visa avaliar a competência de professores que não se limitaram a fazer uma licenciatura e agora querem continuar a dar aulas. Destina-se a quem, para além de anos de exercício da profissão, obteve uma profissionalização específica, aprovada e certificada pelo Ministério da Educação, para a docência ao nível da pós-graduação ou mestrado.
2- Esta prova não permite o acesso à carreira de professor, mas apenas determinar se professores já profissionalizados podem exercer a respectiva profissão e isto não tem paralelo noutras profissões
3- Não há estudos de nenhum cariz que validem técnica e cientificamente esta prova.
4- O critério que impera desde a passada semana, abrangendo apenas professores com menos de 5 anos de tempo de serviço, é totalmente desprovido de rigor e qualquer sentido ético e de respeito por quem apostou na sua formação e profissão.
5- Pedir a jovens profissionais, alguns deles desempregados e que têm de suportar custos de deslocação para os locais de realização da prova, 20 euros para a realização da prova, tipo “joia de entrada no clube”, é tão só e apenas ridículo e imoral.
Tanto quanto se sabe, Passos Coelho foi obrigado a intervir, em menos de duas semanas em matérias deste ministério, por via da prova dos professores e dos cortes nos orçamentos das universidades.

A bem da serenidade, que deve reinar neste e em outros sectores espero que impere o bom senso e sejam afastados os ventos do provérbio de que… não há duas sem três, porque.. …já cansa de experimentalismos.

Continuação de Boa Semana


Silvino Barata Alhinho (crónica na rádio diana)

9 comentários:

  1. outra vez este parvo deste cronista ?
    ho pá toma vergonha e deixa de te tentar fazer naquilo que nao és e nunca vais ser. nao tens categoria para te armares em "culto".

    ResponderEliminar
  2. O silvino ainda é do PSD? Alia-se ao PC na Junta e em cada crónica discorda das medidas do PSD. Agora é das medidas para a educação, antes era das medidas que foram tomadas contra o desemprego, pelo meio com elogios à reforma da PAC de Capoulas Santos. Parece um catavento à procura de poiso.

    ResponderEliminar
  3. é um tonto,coitadinho

    ResponderEliminar
  4. A CINCO TONS tornou-se, infelizmente, num blogue onde 2 ou 3 canalhas, a coberto do anonimato, enxovalham toda a gente: os que aqui publicam de cara destapada, os que aqui são publicados de cara igualmente destapada, os que não publicando nem aqui nem noutro lado, são igualmente insultados, ultrajados por gente sem um pingo de vergonha.
    É uma pena. Se analisarmos com atenção, há publicações que não merecem um único comentário enquanto que outras, as que envolvem pessoas concretas, são comentadas até à exaustão da sem vergonhice e da canalhice.
    Isto já não é um blogue, isto foi transformado por alguns ressabiados num cano de esgoto. É pena.

    ResponderEliminar
  5. O Anónimo das 8:05 lá sabe do que fala: "2 ou 3 canalhas, a coberto do anonimato, enxovalham toda a gente"... Já te ficámos a conhecer!

    ResponderEliminar
  6. Comentador: 12 Dezembro, 2013 08:05

    Tem toda a razão. Devem ser, realmente 2 ou 3 canalhas, que se devem desdobrar em dezenas...
    Mas, já agora, também se apresenta como anónimo.
    Dê a cara homem..., apesar de haver anónimos que dizem coisas certas, como o senhor.

    António Gomes

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Quem faz disto um comentador politico faz da minha.... uma gaita....

    ResponderEliminar
  9. SOMOS OBRIGADOS A GRAMAR EST GAJO?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.