terça-feira, 12 de novembro de 2013

Quem escreve e quem lê

Albert Camus fez cem anos na semana passada. Leitores e comentadores festejaram, a Academia também. Foi um escritor e filósofo francês, nascido na Argélia, premiado com o Nobel em 1957 e que teve intervenção política. Foi dirigente comunista, expulso depois do partido, e acabou anarquista. Era um pied-noir, o equivalente francês ao conceito português de “retornado”, o que significa para o caso que foi dos que não teve uma vida fácil. Disse um dia que "Quem escreve de um modo claro tem leitores. Quem escreve de um modo obscuro, comentadores."Primeira conclusão: qualquer escritor a quem festejem o centenário tem de ter, por estes parâmetros de Camus, esses dois lados, o claro e o obscuro.
Nesta semana que passou, fomos também brindados (oiçam a ironia, por favor) com o comentário, de alguém que escreve, sobre a reação popular à austeridade. Dessa pessoa não estou à espera que se assinalem, pela sua obra, os cem anos, nem tão pouco considero que tenha tido, ou venha a ter alguma vez, alguma intervenção política, apesar do comentário claramente colado a uma certa direita. E, no entanto, se há quem escreva e tenha leitores em Portugal, é esta pessoa. Como tem, está bom de ver, comentadores que eu já os vi e ouvi, sim senhora. O interessante é precisamente que os comentários, a sério, que se têm feito sobre os seus livros se prendem muito mais com o fenómeno não da sua clareza, mas de outro adjetivo, que Camus nunca poderia ter imaginado, acho eu com poucas certezas, e que é o adjetivo “light”. O “light” está para os livros, como o “pimba está para as canções, sendo que esta é a melhor e mais rápida definição por analogia que me parece, assim de repente, fácil de dar a entender.
Não vou dissertar aqui sobre as qualidades de Camus, que sob a marca talvez mais consensual do existencialismo tratou grandes questões do indivíduo, da sociedade e da humanidade; ou sobre as banalidades de MRP, como por agora tem sido conhecida no meio a tal pessoa que escreve, de seu nome artístico Margarida Rebelo Pinto. E eu até sou daquelas que acha que mais facilmente se salva para a boa leitura um leitor da MRP do que um não leitor. Com muito trabalho, é certo, mas antes ler MRP que não ler nada. Mas adiante.
Quero apenas salientar o facto de que as leituras literárias não são unívocas, ou seja de sentido único, porque também as obras literárias não simplificam o emaranhado complexo que é a vida, de que também falam; que os muitos leitores se conquistam pela clareza da escrita, e não pelo simplismo, e os bons leitores pela capacidade de nessa clareza encontrarem a profundidade que nela existe e que, por isso, desperta o comentário, mesmo na forma de reflexão individual. Finalmente, salientar que bons leitores de livros, aqueles que se interrogam sobre o que leem, são normalmente bons leitores da realidade que os circunda. E quem leu MRP, como já fiz (ok, um livro e meio, porque dou o benefício da dúvida aos autores de best-sellers e senão não poderia estar aqui a falar assim), perceberá que a única leitura que ela poderia fazer foi aquela que fez, através dos olhos de uma elite alienada, cuja dureza da vida não passa pela sobrevivência nos moldes que a civilização atual deveria proporcionar. Talvez aqueles que nesse mundo cor-de-rosa retratado por MRP encontram a evasão possível à dureza do dia-a-dia, percebam a soberba de quem, mesmo não tendo nem sabendo dar melhor, lhes dá daquilo como se estivesse a atirar pérolas a porcos.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

25 comentários:

  1. A Divida feita pela gestão PS não pára de aumentar,estes cavalheiros ARRASARAM o concelho............e não respondem por isso?

    ResponderEliminar
  2. NUm país CIVILIZADO eram Obrigados a prestar contas pelos desmandos causados.

    ResponderEliminar
  3. Ou os Povos Europeus se levantam contra a barbárie em curso.........ou de novo temos o fascismo,agora com um novo rosto.

    ResponderEliminar
  4. Força Prof.RUI ALBUQUERQUE.

    ResponderEliminar
  5. Deslarga, vai andar de segway!

    ResponderEliminar
  6. Á atenção da Habévora.
    Um invisual vivendo numa casa desta empresa municipal, viu a sua renda de casa, repito renda social, ser aumentada de 286 euros para 353 euros para 2014.
    È um casal de septuagenários ambos doentes, tendo de recorrer á boa vontade da familiares afastados e vizinhos para coisas simples, como ir ás compras, fazer comida e o que recebe de bónus de Natal de um aumento de 23% de aumento de renda de casa.
    Se há na mesma zona e da mesma empresa quem pague 4 euros mensais, por insuficiência económica, é justo que situações de fragilidade como atrás mencionada seja atendida

    ResponderEliminar
  7. Conclusão possível: Este texto não motiva os comentadores pelo que não será obscuro. Pergunta: Será claro? Terá leitores?

    ResponderEliminar
  8. Senhor vereador com o pelouro da higiene e limpeza:

    A circular ás muralhas está suja(lixo,ervas,plasticos pendurados nos candeeiros),zona Nobre da cidade transformada numa lixeira.

    ResponderEliminar
  9. Mais um mercado mensal,mais uma lixeira ,até quando?

    ResponderEliminar
  10. A antiga rodoviária é um espaço bastante amplo(dois pisos) mal aproveitado,com uma ocupação diminuta de carros,pode ser transformado num espaço para fins culturais e outros,em pleno centro histórico.

    ResponderEliminar
  11. Á atenção da Habévora.
    Um invisual vivendo numa casa desta empresa municipal, viu a sua renda de casa, repito renda social, ser aumentada de 286 euros para 353 euros para 2014.
    È um casal de septuagenários ambos doentes, tendo de recorrer á boa vontade da familiares afastados e vizinhos para resolver coisas simples, como ir ás compras, fazer comida e o que recebe de prenda de Natal um aumento de 23% no valor de renda de casa.
    Se há na mesma zona e da mesma empresa quem pague 4 euros mensais, por insuficiência económica, é justo que situações de fragilidade como atrás mencionada seja atendida, até porque precisam de taxis regularmente para se deslocarem.
    As empresas municipais regem-se por leis póprias em que a renda máxima pode ir muito para além de 1/15 anual estabelicida para os privados. Dá_me a ideia ser preferivel viver há 20 anos numa casa privada, pois esse aumento brutal não seria permitido. O poder central e autárquico exige aos privados aquilo que o próprio não cumpre. Bem prega Frei-Tomáz

    ResponderEliminar
  12. Senhor vereador com o pelouro da cultura:

    Espero que o actual executivo não se lembre de colocar nas rotundas os mamarrachos de ferros (arvores de natal),Évora não merece esse ENXOVALHO.

    ResponderEliminar
  13. Ao novo executivo:


    Uma atenção ESPECIAL,para com as crianças e os Idosos,nestes tempos de grave crise social e económica.

    ResponderEliminar
  14. A CSP está a falar do que não sabe:

    CAMUS NÃO ERA ANARQUISTA E NÃO ERA EXISTENCIALISTA!

    Não basta mandar bitaites (a versão portuguesa dos 2sound bites")para se dar ares de pessoa culta!

    Voilá!

    ResponderEliminar
  15. Á Atenção do novo executivo:

    É preciso avisar as farmácias de Évora para a necessidade de reforçarem o abastecimento de RENNIE.
    As azias continuam em alta por aqui.

    ResponderEliminar
  16. @21:12
    Doutor AZIA há mais de um mês a passar receitas! Bem haja por esta dedicação à comunidade. Você assim ainda chega a médico do Presidente da CME.

    Então o novo executivo também vai mandar nas farmácias?

    ResponderEliminar
  17. ROBALO:

    Que tipo de NEGOCIATA vais fazer em Serpa........é mais uma PPP.........

    ResponderEliminar
  18. Esta gente não tem Vergonha.....e ainda esta criatura passa por socialista.........estamos entregues a oportunistas.

    ResponderEliminar
  19. @21:26
    A AZIA está a retirar-te as faculdades. Já nem interpretar o que está escrito consegues: "avisar" não significa "mandar"...

    Enfim, a AZIA tem efeitos secundários...

    ResponderEliminar
  20. 21.09

    Deves saber do que falas. Claro que não era anarquista, mas o pensamento libertário (em oposição ao totalitarismo soviético) não lhe era estranho.
    Dá uma vista de olhos, sempre pode ser que aprendas alguma coisa (depende se tens a cabeça muito dura ou não): http://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2013/11/07/nos-100-anos-do-nascimento-de-albert-camus/

    ResponderEliminar
  21. A Cláudia é gorda de ignorância.

    ResponderEliminar
  22. 22:49

    O que "gosto" em ti é o rigor da análise e o requinte do estilo. Ao nível da boçalidade mais abjecta.

    ResponderEliminar
  23. Mas esta Claudia ainda dá que falar??? Ó faxavor, deve incomodar muita gente...

    ResponderEliminar
  24. Quanto a gordas podemos ficar descansados que a nova gestão comunista bate a outra aos pontos...

    ResponderEliminar
  25. Já na ignorância o PS é inultrapassável.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.