quinta-feira, 7 de novembro de 2013

O raio das contas… outra vez

Recebemos na passada semana o Relatório de Revisão Semestral às Demonstrações Financeiras do Município de Évora referente ao primeiro semestre do ano em curso.
Apesar de não ser um especialista da matéria, confesso que os meus níveis de preocupação subiram um pouco mais ao ler alguma da informação ali vertida.
Parece que, mesmo sabendo que a realidade é negra, continuamos a ir de surpresa em surpresa como nos bons filmes de terror em que a cena seguinte supera obrigatoriamente a cena anterior na sua função de promover em espiral a emoção arrepiante.
Imaginem que o prazo médio de pagamento referente ao segundo trimestre de 2013 é de 1067 dias e que o valor das dívidas a pagar à data de 30 de Junho era de € 74.211.793,07. É mau? Claro que sim. Mas agora somem mais 5.339.771,76 de facturas que se encontravam por processar à data de 30 de Agosto.
Bem sei que já estão fartos de ouvir falar em milhões, negativos, mas já que estamos a gastar este tempo com tão árido assunto deixem-me apenas referir umas pequenas notas que a senhora revisora oficial de contas entendeu por bem colocar no relatório e que ocorreram após o termo do primeiro semestre.
Em 27 de Agosto o Município teve conhecimento que o projecto do INALENTEJO para o Parque Aeronáutico foi objecto de uma penalização tendo o Município sido notificado para repor um total de € 1.055.959,25, sendo que já terá sido recuperado o valor de € 640.696,40 sendo o restante compensado pelo não recebimento de verbas de outros projectos.
E já que estamos a falar de candidaturas penalizadas vem, cautelosamente, o relatório sugerir que deve ser avaliada a probabilidade de recebimento das verbas referentes ao projecto INALENTEJO – EB!/JI Canaviais.
Esta não é uma análise que resulte de nenhuma auditoria externa contratada para realçar este ou aquele número, para manipular este ou aquele aspecto, trata-se do relatório semestral da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas.
Ainda não passou um mês sobre a tomada de posse e eu tenho cada vez mais a convicção que herdámos uma imensa caixa de surpresas, por mais que estivéssemos convictos que a coisa era muito pior do que imaginávamos.
Apesar disso continuo a acreditar que é possível virar a página, mudar de paradigma de gestão e governação, envolver os cidadãos e os trabalhadores do município e transformar o nosso concelho.
O que vos trago aqui hoje não é um lamento ou uma desculpa seja para o que for. É o retrato frio da realidade que pretendemos transformar.
Até para a semana.

Eduardo Luciano (crónica na Radio Diana)

8 comentários:

  1. Senhor vereador:


    A circular ás muralhas está suja(lixo,ervas,plasticos pendurados nos candeeiros).

    ResponderEliminar
  2. «5.339.771,76 € de facturas que se encontravam por processar...

    Enviem aos Chalaças e a todos aqueles que diziam que essas coisas não existiam nas contas da CME.

    «o prazo médio de pagamento referente ao segundo trimestre de 2013 é de 1067 dias...»
    Mas se forem fazer um apanhado das facturas pagas nos últimos anos, vão ver quem recebia a tempo (os amigalhaços) e quem esperava 2 mil ou 3 mil dias ou ainda está à espera...

    E ainda falta saber muita coisa...

    ResponderEliminar
  3. Num país CIVILIZADO as criaturas que Arruinaram a autarquia estavam PRESAS.

    ResponderEliminar
  4. Basta o Negócio das águas,para levar estes a prestar contas .

    ResponderEliminar
  5. Caro Dr. Luciano
    O seu comentário pode ter diversas leituras. A sua qualidade de vereador do antes e após 29 de Setembro, recomenda a lisura de procedimentos.
    A continuar assim vamos ter "molenga" durante quatro anos.
    É necessário que sejam divulgadas as contas da edilidade referentes ao ultimo dia de mandato da anterior vereação. Se assim não for vamos assistir a acusações, suspeitas e boatos durante muito tempo.
    Não fica bem começar desta forma.
    Sabiam ao que iam. Têm a responsabilidade de ser transparentes e claros perante os munícipes.

    ResponderEliminar
  6. As contas só ficarão definitivamente esclarecidas no Relatório e Contas, relativo a 2013, aprovados nos órgãos da autarquia e oficialmente auditado. Até lá, textos como o da crónica do vereador Luciano são desejáveis, oportunos e indispensáveis. Exatamente a bem da reivindicada transparência e clareza.

    ResponderEliminar
  7. Está enganado em Beja foram auditadas as contas e apresentada a situação aos munícipes.
    Não se anda a especular durante quatro anos ou mais como tem sido em Évora.
    Para tristeza já basta o que basta.

    ResponderEliminar
  8. Ontem na AM Évora com todos 0-1 e o campeonato só agora começou.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.