terça-feira, 26 de novembro de 2013

Judiarias

Há naturalmente notícias que nos interessam mais do que outras. Foi o que aconteceu a semana passada nas notícias divulgadas a partir de um comunicado da CME. O assunto era a Rede de Judiarias de Portugal e a eleição do município de Évora para os seus órgãos sociais.
Já agora acrescento para informação dos ouvintes e leitores, e para nos irmos limitando a factos, que é o que normalmente um órgão de comunicação institucional deve fazer, que foi eleita para último vogal do Conselho Fiscal. Mas, entretanto, aliás no mesmo dia do comunicado da CM, houve declarações à Lusa sobre este ato eleitoral que se tinha realizado em Belmonte, sem que tenham sido convocadas as entidades regionais de turismo do Centro e do Porto e Norte, pelo que, e cito «denunciou hoje o presidente do Turismo do Centro, Pedro Machado, que reclamou a nulidade do voto». Parece que este presidente admitiu recorrer a uma providência cautelar caso não sejam repetidas as eleições, para as quais aquela entidade não foi convocada Afinal, tendo tido eu um papel no assunto desde há dois anos era natural que me interessasse pela notícia e procurasse saber mais. E aproveito agora para relembrar alguns detalhes, que não serão pormenores, antes “pormaiores”, neologismo que me agrada bastante.
Foi mais propriamente na AME de dezembro de 2011 que foi aprovada por unanimidade a integração de Évora nesta rede, acabada de ser constituída. Facto: as eleições de 2013 são por isso as primeiras dos órgãos sociais para que Évora poderia ser convidada, e foi, fruto seguramente do prestígio de Évora e do trabalho que se adivinhava profícuo para a sua integração ativa na rede. Foi, nessa sessão da AM, com a declaração de uma saudosa investigadora da cultura judaica da Universidade de Évora, deputada na altura, que foi alertada a CM por ser, e cito, «o caso de Évora estranho, porque se conhecia muito do ponto de vista científico, mas pouco no plano turístico, lembrando que esta atividade poderia ser um recurso económico, nomeadamente de carácter religioso, não olvidando que a cidade se encontrava no roteiro de muitos grupos vindos de Israel, dos EUA ou de França, não existindo na Câmara local, segundo sabia, qualquer preocupação em se produzirem brochuras especializadas ou na feitura de sinalização adequada, que pudessem rentabilizar tal património.». Manifestou ainda um desejo: «tendo o [município] de Évora sido convidado para o efeito, [esperava] que este tivesse vontade política para agarrar a oportunidade, promovendo vários eventos». Estávamos em dezembro de 2011, discutia-se o orçamento de 2012, onde a promoção de eventos se teria de limitar aos apertos que todos conhecemos. Mas o que fizemos pôs-nos, como se vê agora, no bom caminho.
Com a entrada na Rede, foram inúmeros os contactos feitos com parceiros, incluindo a integração de uma comitiva oficial, para a sua divulgação em Israel, corria o mês de fevereiro já deste ano, resultado de um trabalho que ainda que silencioso e interno, começava a dar frutos. A divulgação de Évora foi importante ao ponto de estarem programadas diversas iniciativas, que não sei se se realizarão, relacionadas com o turismo judaico e religioso. E também se continuaram as negociações, encetadas em 2012, com representante dos muitos herdeiros de um espaço para albergar a Casa da Cultura Judaica Diogo Pires, espaço aliás já alvo de inúmeras e longas intimações pelo estado de degradação e constituição de perigo para a segurança pública. Um exemplo recorrente no centro histórico e que os eborenses conhecem bem. A boa notícia que tivemos, só já em setembro deste ano, é que efetivamente haveria verbas, 280 mil euros, para podermos fazer propostas concretas e arrancar com o projeto.
Lamentável é que um comunicado oficial da CME venha com o discurso que, os mais atentos já deram conta, vai sendo feito por outros executivos camarários que o PCP conquistou de novo nestas autárquicas e que é, ao melhor estilo de Relvas, desculpar o não-feito ou a não-fazer com o feito antes. Mas que espécie de notícia oficial de uma instituição com o mínimo de sentido de estado afirma, com recurso a inverdades, ainda por cima, que «Nada disto se concretizou, em tempo útil, por razões que a razão desconhece e que terão de ser imputadas ao anterior executivo.»? Enfim, diz tudo sobre o seu autor…
Mas falta ainda a dita citação com que me comprometi nesta série de crónicas. A propósito de propaganda, já que foi a utilização desta técnica que despoletou os meus comentários e informações, cito Sinclair Lewis, o primeiro americano premiado com o Nobel da literatura, que diz com ironia: "A propaganda é um fator económico valioso porque é o meio mais barato de se vender bens, especialmente se os bens não valem nada."
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

26 comentários:

  1. Esclareçam-me uma duvidazinha, por favor:

    a senhora da foto deste post é ou não a Madame Min, a grande amiga da Maga Patalógica?

    ResponderEliminar
  2. «A boa notícia que tivemos, só já em setembro deste ano, é que efetivamente haveria verbas, 280 mil euros, para podermos fazer propostas concretas e arrancar com o projeto»

    A notícia chegou em Setembro, mas a senhora vereadora esteve em funções até meados de Outubro.

    O que fez nesse período? Tratou de organizar a candidatura, ou preferiu assobiar ao cochicho, enquanto os papéis se iam acumulando em cima da secretárias, tal como fez o ex-presidente Melgão?

    Ó minha senhora, enxergue-se e tente perceber as razões porque os eboreneses vos viraram as costas no passado dia 29 de Setembro. Ao menos tente respeitar um período mínimo de nojo.

    ResponderEliminar
  3. «Lamentável é que um comunicado oficial da CME venha com o discurso que, os mais atentos já deram conta, vai sendo feito por outros executivos camarários que o PCP conquistou de novo nestas autárquicas e que é, ao melhor estilo de Relvas, desculpar o não-feito ou a não-fazer com o feito antes.»

    Lamentável é a senhora ter-se esquecido que os seus comparsas andaram durante 12 anos a acenar com uma suposta "pesada herança"... para justicar esconder a manifesta incapacidade de gerirem a câmara.

    Lamentável é a senhora ter-se esquecido do vasto rol de mentiras com que fomos bombardeados na última década.

    ResponderEliminar
  4. Foram apanhados em falso e a propaganda virou-se contra os verdadeiros e os puros e actuais autarcas do burgo cuja única mais valia que conseguem criar é a verborreia.

    ResponderEliminar
  5. @21:53
    Durante 12 anos só tivemos verborreia e mentiras...
    E por isso é que no dia 29 os eborenses viraram costas aos mentirosos... que pelos vistos não aprenderam a lição.

    ResponderEliminar
  6. Ao PC já antes os eborenses tinham virado as costas n vezes. E desta também. Apenas 1 em cada 5 votou na CDU.

    ResponderEliminar
  7. Esta senhora não se enxerga. Novidade? Não!
    Esta senhora não tem nível para ocupar um lugar na CME. Novidade? Não!
    Esta senhora não tem noção do ridículo de muitas das suas intervenções. Novidade? Não!
    Cláudia Sousa Pereira volte lá para a Universidade e as suas Literaturas de onde nunca devia ter saído. Faça o que sabe e poupe-se a fracas figuras - que eventualmente nem merece!

    ResponderEliminar
  8. Senhora Cláudia Pereira,a sua gestão andou 12 anos na rádios locais ,DS e revistas de Luxo a Fazer propaganda,já para não falar dos convites feitos a figuras do jet set(lili caneças) estadias PAGAS com o dinheiro dos contribuintes.

    ResponderEliminar
  9. Já agora pode-nos falar do negócio da água?

    Do negócio da Silveirinha?

    Do negócio da CERCA TRÊS?

    Do negócio da rua dos Penedos?

    Do negócio da construção em espaço publico?

    Senhora Claudia tem aqui temas para várias crónicas.

    ResponderEliminar
  10. A senhora Cláudia continua nas nuvens a tentar justificar o trabalho de excelência, que julga ter feito, sem perceber o nível medíocre, ou mau, a chegou a CME.

    A senhora Cláudia tem dificuldade em sair da fantasia propagandística de 12 anos de gestão PS, e compreender a realidade sentida e percebida pelos eborenses. E, talvez por isso, não entenda as razões porque o PS perdeu quase 5 mil votos nas últimas eleições, perdendo um vereador e entregando a maioria a governação da CME à CDU por maioria absoluta.

    A senhora Cláudia não percebe que acusa e imputa a outros responsabilidades e acções que lhe assentam a si própria como uma luva.

    A senhora Cláudia ainda não percebeu que é uma das principais responsáveis pela estrondosa derrota do PS em Évora, no passado dia 29 de Setembro.

    Um pouco de humildade e capacidade de auto-crítica, não lhe ficava nada mal...

    ResponderEliminar
  11. A senhora Cláudia continua nas nuvens a tentar justificar o trabalho de excelência, que julga ter feito, sem perceber o nível medíocre, ou mau, a chegou a CME.

    A senhora Cláudia tem dificuldade em sair da fantasia propagandística de 12 anos de gestão PS, e compreender a realidade sentida e percebida pelos eborenses. E, talvez por isso, não entenda as razões porque o PS perdeu quase 5 mil votos nas últimas eleições, perdendo um vereador e entregando a maioria a governação da CME à CDU por maioria absoluta.

    A senhora Cláudia não percebe que acusa e imputa a outros responsabilidades e acções que lhe assentam a si própria como uma luva.

    A senhora Cláudia ainda não percebeu que é uma das principais responsáveis pela estrondosa derrota do PS em Évora, no passado dia 29 de Setembro.

    Um pouco de humildade e capacidade de auto-crítica, não lhe ficava nada mal...

    ResponderEliminar
  12. Senhor Claudia como justifica uma DIVIDA de quase 100 MILHÕES de EUROS.

    ResponderEliminar
  13. Senhor Claudia como justifica uma DIVIDA de quase 100 MILHÕES de EUROS.

    ResponderEliminar
  14. Senhor Claudia como justifica uma DIVIDA de quase 100 MILHÕES de EUROS.

    ResponderEliminar
  15. 15 milhões de contos foram à conta do PCP...

    ResponderEliminar
  16. 11:46
    Embora para a mentira compulsiva, ainda não tenha sido encontrado remédio, toma RENNIE que pode ser que a AZIA passe.

    ResponderEliminar
  17. Évora merecia um presidente de câmara melhorzito. Este é muito labrego e trombudo. Além disso veste mal até dizer chega.

    Falta saber se consegue gerir em tempo de vacas magras.
    Numa coisa ele é bom: já começou a deitar as culpas para cima dos anteriores e deste "maldito" govereno cuja missão é acabar com as conquistas de Abril e destruir tudo o que mexa.

    Muito pobrezinho...

    ResponderEliminar
  18. Confidencial Évora: O PCP desistiu de fazer mudanças na Câmara. O Pinto Sá vai dedicar-se a comicios e manifestações, a Elia Mira a sessões solenes e conferências, o Eduardo Luciano a estreias e inaugurações de iniciativas culturais e o Luis Garcia a vender Rennies e outras mezinhas numa farmácia ali para o lado da Rua da Aviz (vulgo Mais Évora). Já estávamos mal servidos, agora não estamos melhor, valha-nos são benedito.

    ResponderEliminar
  19. Os PC's são bons é a consumir do erário público e a fazer espalhafato. Nisto eles são imabtíveis. A porca começa a torcer o rabo quando têm que inventar receitas...logo eles, inimigos do capital até ao tutano

    ResponderEliminar
  20. Tchiii... tanta azia que vai por aqui.

    E ainda não perceberam porque é que a esmagadora maioria dos eborenses estavam fartos deles até ao tutano.

    ResponderEliminar
  21. Tchiii... tanta azia que vai por aqui.

    E ainda não perceberam porque é que a esmagadora maioria dos eborenses estavam fartos deles até ao tutano.

    ResponderEliminar
  22. Tchii, tanta mentira.

    Concelho de Évora: dos 48.072 eleitores do concelho apenas 11.766 votaram na CDU. Ou seja, três em cada quatro dos eleitores de évora não se reconhecem nesta maioria. E não perceber isto é caminhar rapidamente para o desastre.

    ResponderEliminar
  23. lol

    Isso passa-lhes ao lado.
    Quando são maiorias absolutas no parlamento, eles costuma aventar essa justificação. Só não serve é quando são os camaradas a "gozar" do sistema.



    ResponderEliminar
  24. @15:49
    «11.766 votaram na CDU...»

    Bastantes mais do que os 6 mil que votaram no PS nestas eleições, e mais do que aqueles que votaram no PS em anteriores eleições autárquicas... (nas quais nunca se ouviu este argumento estapafúrdio, próprio de gente ressabiada e com mau perder).

    E o mais engraçado é que, estes aziados, nunca dizem que o PS, sempre ganhou as autárquicas com diferenças mínimas (de cerca de mil votos). E, apesar ter ganho sempre com pequenas diferenças, pretendeu sempre governar em estilo "quero, posso e mando", como se tivesse tido largas maiorias absolutas.

    E é esta gentinha, ressabiada e com mau perder, que vem para aqui dar lições de democracia?

    ResponderEliminar
  25. 16 e 21


    Mas tu achas, ó porta-voz, que o mundo se divide entre os do bando PCP e os do bando PS? Há mais mundo para além destas seitas. Há mais gente. Mais olhares. Diversidade. Isto é uma cidade, e mesmo que pareça, não é apenas uma pocilga de porcos.
    Olha a porra: reduzir évora aos dois bandos de salafrários que a têm explorado e saqueado até ao tutano nas últimas dezenas de anos é menosprezar esta cidade. Há mais gente e gente digna desse nome que não vai em grupos desse género.Por isso amocha: ganhaste com um em quatro votos. Já não é mau. Tenta segurá-los e fazer por eles. Mas não dá para andares com o rei na barriga, Talvez uma renny não te fizesse mal a tanta arrogância.

    ResponderEliminar
  26. Está visto que eles ainda não interiorizaram as razões da estrondosa derrota que sofreram no dia 29 de Setembro.
    Ainda não perceberam a merda que andaram a fazer durante 12 anos. Pensavam que os eborenses eram todos parvos e que iam engolir eternamente essa merda só porque vinha embrulhada em papel opaco a que chamavam “excelência”.
    Ainda não perceberam que os eborenses têm memória e lembram-se do trabalho desenvolvido pela CDU, neste concelho, durante 25 anos. E lembrando-se desse trabalho sabiam que o discurso oficial dessa gente não passava de uma rotunda mentira.
    Ainda não perceberam que não é possível enganar muita gente, durante muito tempo.
    Ainda não perceberam que os eborenses estavam e estão fartos deles até ao tutano.
    Ainda não perceberam que, por essas e por outras, os eborenses lhes mostraram o cartão vermelho e lhes apontaram o caminho da RUA, onde vão estar por muitos e bons anos!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.