quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Desemprego jovem e economia Europeia

Mais de 20 chefes de Estado ou de Governo da União Europeia reuniram ontem com o compromisso de avançar de forma “concreta” para “resultados rápidos” no combate ao desemprego dos jovens que afecta mais de seis milhões de europeus com menos de 25 anos.
De acordo com os últimos dados da Comissão Europeia, o desemprego afecta quase 60% dos jovens em Espanha e na Grécia, e 36,9% em Portugal.
No caso de Portugal, o programa Impulso Jovem arrancou com muitas dificuldades que obrigaram ao seu ajustamento mais do que uma vez. Nos últimos meses, porém, o desempenho tem sido mais positivo permitindo ao programa envolver, actualmente, cerca de 70.000 jovens, mas é pouco, muito pouco.
Ainda nesta área, depois de uma semana marcada pelas sempre famigeradas leituras dos rankings da escolas e do dilema escolas públicas versus escolas privadas, o governo veio defender o empreendedorismo como disciplina de ensino obrigatório, facto que merece nota positiva e faz parte da Estratégia de Fomento Industrial para o Crescimento e Emprego 2014-2020.
De acordo com o documento, haverá a “integração de competências de empreendedorismo nos programas de ensino da escolaridade obrigatória”, para dar um “contributo significativo para a qualificação dos empreendedores do futuro” e “fomentar uma cultura de valorização e reconhecimento do empreendedorismo”.
A meta temporal associada à medida é, já, o segundo trimestre de 2014.
Boas notícias, quando se sabe que a cimeira europeia de Paris, apesar da preocupação manifestada com o desemprego jovem, passou ao lado da primeira condição para o combater:
O relançamento da economia, que tarda, numa Europa cada vez mais estagnada.
Continuação de Boa semana

Silvino Barata Alhinho (crónica na rádio diana)

14 comentários:

  1. Está na Hora de mandar estes BARBAROS embora.......ou eles matam-nos à FOME.

    ResponderEliminar
  2. Eles vendem tudo..........


    Hospitais......escolas......correios.......as águas..........ELES COMEM TUDO esta VANPIRAGEM.

    ResponderEliminar
  3. Este governo é uma Barata TONTA.

    ResponderEliminar
  4. Na democracia aplaudida pelo ex-deputado BERNARDINO SOARES:

    Em "O PUBLICO" de hoje:
    A notícia da execução pública de 80 pessoas na Coreia do Norte neste mês foi dada por uma única fonte, anónima, a vários jornais da Coreia do Sul, mas rapidamente se espalhou na imprensa internacional.

    Segundo jornais de Seoul, como o JoongAng Ilbo, um dos maiores e mais influentes do país, as 80 pessoas, algumas consideradas culpadas de actos delituosos para o regime de Pyongyang, como ver vídeos de entretenimento sul-coreanos ou estar em posse de uma Bíblia, foram executadas em público em sete cidades, perante o olhar de milhares de pessoas onde se incluíam crianças, forçadas a assistir. Numa das cidades, as autoridades juntaram dez mil pessoas para assistir. Algumas das vítimas tinham sido acusadas de disseminar pornografia.

    A confirmarem-se, estas execuções, realizadas numa acção coordenada no mesmo dia, terão constituído o acto mais brutal do regime desde que Kim Jong Un chegou ao poder depois da morte do pai Kim Jong Il, em 2011.

    Familiares e amigos das vítimas terão depois sido enviados para centros de detenção, para impedir que a informação das mortes fosse divulgada. “Relatos de execuções públicas teriam certamente um efeito muito negativo nas pessoas”, disse ao jornal inglês Daily Telegraph Daniel Pinkston, analista do instituto de investigação International Crisis Group em Seoul.

    A notícia nos jornais sul-coreanos tem uma única fonte e esta coincide com os rumores de mortes em sete cidades na informação dada por uma agência de notícias de dissidentes da Coreia do Norte.

    Testemunhos publicados na imprensa descrevem um caso, no Estádio de Shinpoong, na província de Kanwon, em que oito pessoas foram alinhadas com fardos colocados por cima da cabeça enquanto soldados disparavam de forma ininterrupta. “Ouvi relatos de residentes que dizem ter visto os cadáveres [dos executados] de tal maneira perfurados pelas balas que depois foi impossível identificá-los”, disse a fonte citada também em jornais como o Los Angeles Times ou o Daily Telegraph.

    As execuções terão ocorrido em cidades onde o líder norte-coreano estará a tentar intimidar trabalhadores que desafiam as regras do regime, considera o LA Times. O Daily Telegraph refere a tentativa do regime em esmagar qualquer suspeita de descontentamento popular e cita um relatório do think tank Rand Corporation em como Kim Jong Un terá sobrevivido a uma tentativa de assassínio em 2012, o que, desde então, motivou um reforço substancial da sua guarda.

    ResponderEliminar
  5. A TVI transmitiu uma reportagem sobre nascimentos de bebés no Iraque ,autêntico TERROR...........resultado das bonbas dos americanos na guerra do Iraque.

    Bush,Blair,Aznar e Durão deviam ser PRESOS,pelos CRIMES cometidos.

    ResponderEliminar
  6. @ 14:51
    sim verdade esse também são uns criminosos!
    Mas está a querer desviar as atenções do FACÌNORA camarada KIM?

    ResponderEliminar
  7. @ 14:51 e 15.00
    sim verdade esse também são uns criminosos!
    Mas estão a querer desviar as atenções do FACÌNORA camarada KIM?

    ResponderEliminar
  8. Um comentário idêntico ao anterior foi imediatamente apagado no Mais Évora.

    Aqui se vê as "amplas liberdades" que estas pessoas nos ofereciam se os levássemos ao poder!

    Não são capazes de se distanciarem de um facínora como o ultimo representante da dinastia dos KIM na Coreia do Norte!

    ResponderEliminar
  9. No 5 tons não se apagam comentários.

    ResponderEliminar
  10. Os cretinos ao poder, JÁ!

    ResponderEliminar
  11. DEFORMAÇÕES CONGÉNITAS NO IRAQUE PROVOCADAS PELAS MUNIÇÕES DE URÂNIO EMPOBRECIDO

    «EUA causaram deformações físicas em futuras gerações no Iraque
    Médicos no Iraque denunciaram um grande aumento no número de crianças com defeitos congénitos em Fallujah, palco de intensas batalhas entre tropas americanas e iraquianas.

    Médicos na cidade responsabilizam as armas usadas pelo Exército americano durante a ação militar pelos defeitos congénitos.»

    E, diziam os hipócritas que as vitimas é que tinha ARMAS DE DESTRUIÇÃO MACIÇA.

    Veja a informação e imagens em:
    http://tribunaliraque.info/pagina/artigos/depoimentos.html?artigo=535

    ResponderEliminar
  12. @ 16:14
    RESPONDO-LHE DO MESMO MODO QUE O MAIS ÉVORA NÃO ACEITOU:

    sim verdade ESSES também são uns criminosos!
    Mas está a querer desviar as atenções do FACÌNORA camarada KIM?

    ResponderEliminar
  13. «Em Setembro deste ano nasceram 170 crianças no Hospital Geral de Faluja, 24 por cento das quais morreram na primeira semana. Três quartos dessas crianças apresentavam deformações, incluindo “crianças nascidas com duas cabeças, sem cabeça, um só olho na testa, ou sem membros”. Os dados comparativos com Agosto de 2002 – antes da invasão – registam 530 nascimentos, dos quais morreram seis e apenas um apresentava deformações.

    O urânio empobrecido e o fósforo branco são a principal, ou mesmo a única, causa dos defeitos nos nascituros. O fósforo branco, que os militares americanos reconheceram ter sido utilizado contra os insurgentes em Faluja, cidade que tem uma alta densidade de população, tem uma longa história de utilização militar, que remonta à Primeira Guerra Mundial.

    O QUE É O URÂNIO EMPOBRECIDO?

    O Urânio Empobrecido, ou DU (Depleted Uranium), é um resíduo da indústria nuclear. Produz-se uma grande quantidade deste resíduo quando o urânio natural é enriquecido para utilização em reactores e armas nucleares. O DU é tóxico simultaneamente do ponto de vista químico e radiológico. É este produto final, o que sobra do urânio, que contém principalmente U-238, que tem sido utilizado para fabricar armas de urânio “empobrecido”. É utilizado para armamento porque o exército considera que este metal pesado e denso é um excelente perfurador de blindados, de tanques e até mesmo de edifícios do inimigo.

    (Continua)

    ResponderEliminar
  14. O DU (urânio empobrecido) NO IRAQUE

    A Guerra do Golfo de 1991 assistiu à primeira utilização comprovada de armas de DU. Foram utilizadas nessa guerra cerca de 320 toneladas de DU em armamento, das quais cerca de uma tonelada foi utilizada pelos militares britânicos. Tanto o governo americano como o britânico declinaram qualquer responsabilidade pela descontaminação e ambos se recusaram a estudar as taxas de exposição ou os efeitos posteriores desta utilização de DU. Alguns anos depois, começaram a aparecer no Iraque as provas quanto à crescente incidência de cancro e de deformações à nascença no sul do país. Depois de fortes pressões americanas, a Assembleia-Geral da ONU, em Novembro de 2001, derrotou uma proposta iraquiana para que as Nações Unidas estudassem os efeitos do DU ali utilizado.

    No ataque de 2003 ao Iraque, os militares americanos e britânicos utilizaram o DU apesar da falta de dados fiáveis sobre os efeitos da sua utilização no Iraque 12 anos antes. O governo britânico reconheceu ter utilizado 1,9 tonelada de DU. Embora isto seja apenas uma leve proporção de todo o DU utilizado no Iraque, é o dobro da quantidade utilizada em 1991. As autoridades americanas ainda não revelaram quanto utilizaram, embora uma fonte inicial do Pentágono tenha revelado que podem existir no Iraque 75 toneladas de DU, provenientes apenas dos aviões A-10.

    As implicações para os civis iraquianos são alarmantes. Ao contrário da primeira Guerra do Golfo, que se restringiu principalmente a áreas desertas, grande parte da utilização de DU foi feita em áreas com edifícios, fortemente povoadas. O governo dos EUA recusou-se a qualquer limpeza de DU no Iraque, agarrando-se à afirmação de que não há qualquer relação com doenças, enquanto que o governo britânico reconheceu pela primeira vez que tem essa responsabilidade, mas afirma que ela não está no topo da sua lista de prioridades.

    OUTROS PAÍSES CONTAMINADOS POR DU

    BÓSNIA 1994-1995
    KOSOVO, JUGOSLÁVIA – 1999
    AFEGANISTÃO 2001- 2004

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.