sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Actual Câmara de Évora não recebeu apenas dívidas da Câmara anterior


Vice Presidente recebeu bandeira verde da APFN em Coimbra
Câmara de Évora distinguida por boas práticas de política familiar

A Câmara Municipal de Évora foi novamente distinguida pela Associação Portuguesa das Famílias Numerosas/Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis com a bandeira verde/menção honrosa da iniciativa “Autarquia+ Familiarmente Responsável 2013”, que galardoa autarquias pelas melhores práticas na área das políticas de apoio à família.
A Vice-Presidente, Élia Mira, em representação da autarquia eborense, recebeu esta distinção no dia 6 de Novembro, na sede da Associação Nacional de Municípios, em Coimbra. A cerimónia contou com intervenções do Presidente da APFN, Fernando Castro; da representante do OAFR, Teresa Ribeiro; do Secretário-Geral da ANMP, Artur Trindade e do Secretário de Estado, Pedro Lomba.
Foram distinguidos um total de 37 municípios portugueses, sendo que Évora inclui-se também na categoria dos 25 que já são laureados pelo terceiro ano consecutivo. Este reconhecimento resulta de um inquérito feito pelo OAFR ao qual responderam 98 autarquias e onde foram avaliadas as políticas de família dos municípios em 10 áreas de atuação, que pode ser consultado em www.observatorioafr.org .
“Sentimo-nos satisfeitos com a atribuição deste galardão, que é também um sinal que os nossos técnicos estão a trabalhar muito bem no sentido de corresponder àquilo que as famílias esperam de uma autarquia responsável”, considerou a Vice-Presidente, Élia Mira, frisando que “sobretudo neste contexto de crise económica, financeira e social em que vivemos, faz todo o sentido existir um município – e neste caso vários - que desenvolvem políticas de apoio às famílias, concretizadas em medidas sociais”.
Um trabalho que ajuda a perceber “como um município pode cumprir esta função social, substituindo-se inclusivamente ao apoio que podia ser do Governo e que neste contexto está a ser cada vez mais dificultado, inclusivamente pelos cortes nas transferências do Orçamento de Estado para as autarquias”, explica a autarca, salientando que as autarquias, enquanto poder de proximidade “deveriam poder dispor de mais meios para responder de forma eficaz às necessidades da população”. 
De salientar ainda que o Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis, em parceria com a Câmara de Évora, realiza um workshop para Técnicos de Ação Social das autarquias da região Sul, denominado “Apoio à Maternidade e Paternidade e Conciliação entre Vida Pessoal e Vida Profissional”, no dia 12 de novembro, entre as 10 e as 17 horas, na Sala dos Leões (Paços do Concelho de Évora). (Informação CME)

20 comentários:

  1. A Divida da cãmara é muito maior do que os socialistas afirmavam.

    ResponderEliminar
  2. Vamos ver a divida que o Pinto de Sá
    vai deixar daqui a 4 anos.
    Todos somos competentes quando há dinheiro, vamos ver quantos trabalhadores o presidente vai ser obrigado a despedir. Temos 308 Câmaras, com 80 governamo-nos e poupamos milhões, para não falar dos milhares de institutos desnecessários e fundações

    ResponderEliminar
  3. "“Sentimo-nos satisfeitos com a atribuição deste galardão, que é também um sinal que os nossos técnicos estão a trabalhar muito bem ..." Entenda-se: são "os técnicos" que estão a trabalhar bem... As orientações (ou se quisermos, as políticas... dos responsáveis políticos) não têm qualquer responsabilidade e ainda menos mérito no reconhecimento.
    Para que serve tanta perfídia? Porque é que os "outros" tinham que ter só más políticas e más acções?
    Porque é que custa tanto reconhecer que houve decisões e acções políticas positivas?
    Vinda dum lado como do outro, esta guerra ridícula mata a vida social possível entre todos os cidadãos de Évora. Quem é que falava de "todos"?
    Não haverá mesmo um "todos" possível?
    JRdS

    ResponderEliminar
  4. Fiem-se na bondade destes prémios de mera propaganda e não corram que vão ver onde vamos parar...

    ResponderEliminar
  5. Bandeiras Azuis, Bandeiras Verdes, Bandeiras Laranjas... Não passam de bandeiras de fantochada, para iludir o povoléu.

    ResponderEliminar
  6. @11:35
    Claro a unica bandeira que não é fantochada é a bandeira Vermelha!
    Abaixo a bandeira verde!

    ResponderEliminar
  7. @09:26.
    "A Divida da cãmara é muito maior do que os socialistas afirmavam."

    Porreiro Pá!

    Já está aqui a justificação certa para a gestão CGU no caso de fracassar! Eles até são bons, os outros é que lixaram o mandato que aí vem

    ResponderEliminar
  8. Já repararam que há por aí uns artistas que já se esqueceram do ouro da Boa Fé? Segundo me contaram, o tema foi lançado antes da campanha porque pensavam que podiam "chamuscar" a candidatura do Pinto de Sá. Como o tiro saiu pela culatra...

    ResponderEliminar
  9. 14:03
    Se as bandeiras fossem vermelhas não deixaria de ser a fantochada que é.
    Não é um problemna de cor, é um problema de falta de credibilidade na atribuição de bandeiras.
    As "bandeiras" tornaram-se uma panaceia e uma negociata para enganar o povoléu...
    Percebeste, ou precisas que te faça um desenho?

    ResponderEliminar
  10. @14:47
    Então aí vai:

    Bandeiras AZUIS:
    - praias aonde são despejados esgotos urbanos e outros, como ainda este ano se viu em Armação de Pera ou Quarteira, enquanto existem dezenas de praias de mutíssima melhor qualidade a quem são recusadas as ditas "bandeiras". E tudo isto acontece porque a atribuição de bandeiras se tornou num pestilento negócio de tráfico de influências.

    Bandeiras VERDES:
    Uma fantochada de pura propaganda sem quaisquer efeitos práticos no comportamento social dos indivíduos ou das organizações. Tudo se resume ao preenchimento de meia dúzia de questionários para inglês ver e saírem umas quantas notícias na imprensa com alguns senhores a empunharem as bandeiras.

    ResponderEliminar
  11. Carlos Julio e José Santos ,eis o que esta câmara herdou da anterior :
    «5.339.771,76 € de facturas que se encontravam por processar...

    «o prazo médio de pagamento referente ao segundo trimestre de 2013 de 1067 dias...»
    Se forem fazer um apanhado das facturas pagas nos últimos anos, vão ver quem recebia a tempo (os amigalhaços) e quem esperava 2 mil ou 3 mil dias ou ainda está à espera...

    E ainda falta saber muita coisa...
    Por isso Carlos Julio e José Santos canalizem energias para esta questão estrutural : os vossos amigalhaços do PS faliram esta câmara ! E já agora deixem trabalhar quem quer fazer alguma coisa. Tanta perseguição depois de terem passado dois meses sobre o período eleitoral já chateia, é como os dias de chuva seguidos : cheira a mofo.

    ResponderEliminar
  12. Quanto mais o CJ e o JRS falam mais publicidade dão a este novo executivo... Aplausos !

    ResponderEliminar
  13. E o ouro pá? Já não interessa?

    ResponderEliminar
  14. A incompetência dos "escamaradas" é tão grande que teve que ser o Luciano a anunciar, numa crónica na rádio, os números que apuraram sobre a "dívida" em Évora. Tal é a credibilidade que dão a estes números que nem uma nota de imprensa mereceram... É a verdade a que temos direito, à moda do comité local (que já nem tem unhas para agarrar a guitarra, quanto mais para dar credibilidade a alguma coisa que diga).

    ResponderEliminar
  15. 22:53
    Porra, que essa azia não passa...
    Palpita-me que vais andar assim muitos anos.

    ResponderEliminar
  16. 23:09

    Não tantos como tu andaste.

    ResponderEliminar
  17. O seu a seu dono

    O Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, participou na passada sexta-feira nas cerimónias oficiais comemorativas do Dia da Unidade Territorial nº 3 da Guarda Nacional Republicana (GNR), com sede em Évora, durante as quais o município eborense foi homenageado.
    Durante a sua intervenção, o autarca de Évora enalteceu o papel desempenhado “por mulheres e homens de grande valor, cujo trabalho realizado junto da sociedade civil deve ser sempre realçado”.
    Carlos Pinto de Sá frisou ainda a total disponibilidade do município para, dentro das suas capacidades, colaborar direta ou indiretamente, com a Guarda Nacional Republicana, “como, aliás, tem vindo a suceder”.
    A este propósito, destaque para a homenagem que o Comando Territorial de Évora efetuou à Câmara Municipal de Évora no âmbito do apoio prestado pela edilidade à realização do primeiro Torneio Medieval Solidário, que teve lugar na Arena D’Évora, aquando das Festas Populares das Cidade – Feira de S. João.
    O Presidente da Câmara Municipal de Évora agradeceu a homenagem, salientando, no entanto, que o mérito do prémio deve se atribuído à antiga administração autárquica.

    ResponderEliminar
  18. 23:20
    Deve ser por causa da azia que já nem sabes fazer contas?

    ResponderEliminar
  19. para o man que estava preocupado com o ouro da boa fé, como não se sabe informar aqui vai um resuminho:
    saiba que as obras estão paradas,
    diz que é da crise, que aprodutividade será baixa porque não há assim tanto ouro.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.