quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A Escola que não quero

No guião da reforma do Estado, mais uma vez, não se resiste à tentação de enunciar medidas para a área da educação, apresentando-se uma mistura de ideias vagas para o sector.
A municipalização das escolas, o reforço das autonomias e o alargamento do ensino profissionalizante, merecem-me alguma reflexão e atenção.
Deixo uma nota de desconfiança e desagrado sobre aquela que me parece a proposta mais irrealista – as escolas independentes, criadas por professores, num modelo cooperativo-colectivista.
Estas escolas, ditas “independentes”, seriam alegadamente geridas por grupos de professores tendo por base um projecto educativo específico e diferenciado.
A proposta parece querer criar um modelo do tipo - equipamento público gerido de forma privada, sem se perceber se os professores são os da própria escola, de outra, se devem ter necessariamente vínculo ao Estado, ou não, etc, etc.
Considero que esta medida é completamente irresponsável e faço votos para que não passe de uma vaga ideia daquilo que Portugal precisa para uma verdadeira educação com mais qualidade e equidade.
O tempo das festas da parque escolar já acabou e esta proposta soa-me, ainda, a um velho slogan que agora adaptado poderia ser…a escola a quem a trabalha…e no qual pessoalmente não me revejo, nem do ponto de vista dos princípios nem na sua praxis.
Vivemos efectivos tempos de responsabilidade, de mudanças, mas não podemos embarcar em caravelas ideológicas, de experimentação, porque esse foi o desiderato que nos conduziu, durante décadas, ao estado que temos, correndo, ainda, o risco de penalizar os mesmos de sempre, os nossos alunos.
Continuação de boa semana

Silvino Alhinho (crónica Rádio Diana)

7 comentários:

  1. O teu partido e o PS DESTRUIRAM a escola publica,e entregam uma pipa de massa aos amigos para as privadas.

    ResponderEliminar
  2. A reportagem da TVI é clara:

    O PSD e o PS ,destruiram a escola publica e enterraram MILHÔES nos privados,gente ligada ao BLOCO CENTRAL.

    EM Évora temos um grande exemplo,até em espaço publico construiram um colégio,alguém foi PRESO?

    ResponderEliminar
  3. A "loira" secretária do conselho geral da Universidade ainda não se DEMITIU?

    ResponderEliminar
  4. o 2 tons está melhor q o correio da manhã

    ResponderEliminar
  5. Com decisões destas está em causa a operacionalidade da GNR. Defender o património e perder o emprego a liberdade e a paz de espirito, com que vontade os seus colegas a partir de agora vão combater os bandidos.
    Absolvição do militar Hugo Ernano (GNR) , condenado a 9 anos de prisão por matar criança que seguia num assalto com o pai.


    "O Agente da GNR Hugo Ernano recebe ameaças de morte quase diariamente por telefone e pessoalmente",denuncia, em nome do seu cliente, Ricardo Serra Vieira, o advogado que tem defendido o militar de 34 anos condenado a 9 anos de prisão ,pelo Tribunal de Loures. (...) "Há dias ,desconhecidos foram a um estabelecimento comercial de familiares do agente e deixaram o recado de que o Hugo Ernano seria morto.", afirmou ainda o advogado. Noticia publicada no Jornal de Noticias.

    ResponderEliminar
  6. "Ó respeitáveis enganadores que troçais de mim!

    Donde brota a vossa politica,

    Enquanto o mundo for governado por vós?

    Das punhaladas e do assassínio!"


    (CHALES DE COSTER)


    Dedicada aos censores do conselho geral da Universidade de Évora.

    RTA

    ResponderEliminar
  7. O Carlos Júlio continua a esconder-se por trás do publicado por "A Cinco Tons".
    Depois de ter passado anos a ofender (não foi a criticar, foi mesmo a ofender) os anónimos por não darem o nome, esta é uma atitude muito coerente, não haja dúvida...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.