domingo, 20 de outubro de 2013

TRIBUTO A CELINO RODRIGUES DA SILVA | proposto pela CDU, aprovado por unanimidade na Assembleia Municipal de 18/10/2013


(Na passada sexta-feira, depois de empossada, a nova Assembleia Municipal de Évora reuniu elegendo a Mesa que é composta por António Jara (CDU) que preside; Filomena Araújo (PS) e Bruno Martins (BE), depois do PSD ter declinado o convite para integrar aquela órgão, alegando "razões logísticas". Na mesma sessão foi aprovada por unanimidade uma homenagem a a Celino Silva, falecido há alguns dias e que durante mais de 30 anos desempenhou funções em orgãos municipais)

Celino Silva nasceu, aqui em Évora, a 27 de Março de 1946, daqui partiu, fisicamente, neste Outubro com cravos vermelhos e a bandeira do seu Partido.
Licenciado em Sociologia e Mestre em Recuperação do Património Arquitectónico e Paisagístico, dedicou grande parte da sua energia à melhoria das condições de vida neste concelho e à afirmação e reconhecimento de Évora nos planos regional, nacional e internacional.
Militante do PCP desde 1977, foi Presidente do Conselho Municipal entre 1977/78, vereador da Câmara Municipal de Évora entre 1979/1985, membro da AME desde 1986 até 2013, trinta e seis anos de intensa actividade autárquica.
Figura magra e esguia; olhos penetrantes, inquietos e inconformados; cabelo, ultimamente já ralo, que se agitava ao vento; sorriso aberto e contagiante; mãos firmes de dedos compridos; abraço forte, amigo e solidário.
Conhecemos bem este homem, já que tivemos o privilégio de o acompanhar em muitos momentos da sua vida. Foi uma vida dedicada à luta pela liberdade e pela democracia, marcada pelo inconformismo relativamente às injustiças sociais e às profundas desigualdades que a sociedade em que vivemos engendra e que nos últimos tempos dramaticamente aprofunda.
Celino da Silva foi um homem de profundas convicções, um exemplo de seriedade e honestidade política, velho anti-fascista, democrata e comunista, como por vezes lhe chamávamos. A sua grande combatividade nunca lhe cegou a serenidade e o equilíbrio dos juízos e conclusões que produziu destacando-se também o empenho e atenção que dispensou a cada matéria em que se envolveu.
Todos nos lembramos da sua presença entre nós, das suas intervenções nesta Assembleia Municipal, do envolvimento que dispensava às questões da cidade e do concelho, nomeadamente as relativas à defesa das conquistas de Abril, às questões do urbanismo e planeamento, à defesa do Centro Histórico de Évora como Património da Humanidade.
Todos recordamos o calor e energia, mesmo a paixão, que punha nas suas intervenções, a sua capacidade de ouvir os outros e a segurança com que defendia as suas ideias. Podemos reflectir, esse amor, essa inquietude, nestas palavras de José Gomes Ferreira, de que tanto gostava:

O amor que sinto

O amor que sinto
é um labirinto.

Nele me perdi
com o coração
cheio de ter fome
do mundo e de ti
(sabes o teu nome),
sombra necessária
de um Sol que não vejo,
onde cabe o pária,
a Revolução
e a Reforma Agrária
sonho do Alentejo.
Só assim me pinto
neste Amor que sinto.

Amor que me fere,
chame-se mulher,
onda de veludo,
pátria mal-amada,
chame-se "amar nada"
chame-se "amar tudo".

E porque não minto
sou um labirinto.

Perdemos um amigo e um camarada mas o seu testemunho animar-nos-á nas lutas que teremos de travar nesta sociedade profundamente desumanizada. Prometemos Celino fazer eco das palavras do poeta:

Vivam, apenas

Vivam, apenas. Sejam bons como o sol. Livres como o vento naturais como as fontes. Imitem as árvores dos caminhos Que dão flores e frutos Sem complicações. Mas não queiram convencer os cardos A transformar os espinhos Em rosas e canções. E principalmente não pensem na Morte. Não sofram por causa dos cadáveres Que só são belos Quando se desenham na terra em flores. Vivam, apenas. A morte é para os mortos.

José Gomes Ferreira

Obrigado Celino! 

A Assembleia Municipal, reunida a 18 de Outubro de 2013, aprova um voto de homenagem a Celino Silva, cidadão maior do nosso Concelho. Esta câmara da democracia de Évora expressa ainda à Rosete, companheira de múltiplas viagens. Aos filhos, Valentina, Ana Rita e João, e restantes familiares, votos de sentido pesar pelo desaparecimento do seu, nosso, Celino.

Évora 18 de Outubro de 2013

6 comentários:

  1. Acho que vão no bom caminho. Se começam logo nas moções, nas homenagens e nas festarolas no dia da tomada de posse é porque não aprenderam nada dos últimos anos e vão continuar no mesmo farrabadó.

    ResponderEliminar
  2. quem fez o farrabadó "dos últimos anos"?

    ResponderEliminar
  3. Forrobodó, vem de forró, música de festa popular do nordeste brasileiro... É isso que te incomoda, percebo!

    ResponderEliminar
  4. Um homem que não conheci mas de que muito ouvi falar, por ser cidadão activo e responsável que, lutava por um mundo melhor em prole dos outros.
    Um belo texto que diz tudo sobre tal cidadão.
    A Assembleia Municipal, prestou-lhe singela homenagem e foi por unanimidade.
    O comentário do anódimo e anónimo comentador, (21 Outubro, 2013 11,16) é de uma baixeza que define alguém com uma falta de carácter
    a toda a prova...
    É bom publicar tais comentários, para irmos descobrindo que. ainda há vermes de tal tamanho.

    António Gomes

    ResponderEliminar
  5. não costumo comentar aqui, por razões mais que óbvias (embora leia diariamente o blogue) mas desta vez não me contive: há gente mesmo estupida e pequenina!!!!

    ResponderEliminar
  6. eu tb não costumo comentar aqui, mas só para concordar com o anterior comentário... COMENTO...

    depois de a teres na mão, logo vias se era pequenina...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.