domingo, 13 de outubro de 2013

SINGULARIDADES DA VIDA EBORENSE

(foto correio da manhã)

Quando será recolocado o busto de José Cinatti ?
Há exactamente dois meses que, na sequência duma presumível entrada ilícita no Jardim Público de Évora, o busto de José Cinatti foi arrancado do seu pedestal e na queda abateu-se sobre o tórax de um dos três alegados invasores causando-lhe a morte. Muito gente se interrogou sobre o que estaria na origem deste estranho caso de polícia, dado que à hora do incidente ( duas da madrugada) o Jardim estava encerrado. O caso foi, no entanto, mais ou menos silenciado porque o imprudente jovem, de 22 anos, era estudante da Universidade de Évora e ainda por cima filho de um agente da PSP local, pelo que não convinha ampliar o dimensão do sucedido. E para além do mais dava uma má imagem da cidade.
Logo que o facto se tornou conhecido, dois dias depois da ocorrência, e face ao insólito e bizarro do acontecimento, a Procuradoria Geral da República ordenou ao DIAP de Évora, que abrisse um inquérito para «investigar a causa da morte» e «o circunstancialismo em que a mesma sobreveio, por formar a apurar da eventual existência de ilícito criminal, segundo o que foi divulgado pela Agência Lusa. O falecido foi, entretanto autopsiado, e depois de cumpridos os habituais rituais funerários, o seu corpo foi conduzido para o cemitério de Elvas, onde terá sido cremado. Quanto ao busto de José Cinatti foi retirado do local para ser submetido a perícias diversas.
O ineditismo do caso levou, de imediato, a alguns aproveitamentos de ordem política, tanto mais que estávamos em vésperas da campanha eleitoral autárquica. Disseram-se então as maiores barbaridades que vieram a atingir o cúmulo do ridículo e da demagogia quando um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, escreveu, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade. Tentou-se, então, fazer passar a ideia de que o busto se havia soltado e desprendido atingindo de forma cruel um de três jovens incautos que por ali circulavam pacifica e ordeiramente àquela hora da madrugada. 
Esquecia-se o referido político que habita em Évora há cerca de 14 anos e pouco ou nada da história da cidade (ao que parece, nem sabia, sequer, quem era José Cinatti) que o busto de bronze pesa 300 quilos e que ali foi solidamente implantado em 1884, tendo por isso resistido, até então, a todas as inclemências metereológicas e à violência das forças da natureza. Em cerca de 130 anos a fúria dos elementos nunca o conseguira desprender do pedestal ocupado, nem tempestades, nem tremores de terra ou ciclones, ao contrário da estátua de Vasco de Gama que, neste Inverno foi arrancada pela base, quando do último vendaval. Não me quero, porém, alargar sobre este tipo de considerandos e esperemos com serenidade pelas conclusões do inquérito.
Há, no entanto, em tudo isto, um pormenor que me intriga e me leva a pôr uma simples pergunta, a qual, por seu turno, vai desembocar numa outra: que é feito do busto de Cinatti ? E quando será recolocado (se for) no seu devido lugar? É que caiu sobre o mesmo um manto de silêncio inexplicável.
Daí que há cerca de umas quatro semanas tenha passado pelo local a ver se havia alguma novidade quanto à sua reposição. Mas não vi sinais dele e presumi que o teriam levado para longe. Entretanto, como soube que o meu amigo António Couvinha tinha andado pelo Jardim, a trabalhar por vários dias, num projecto cuja designação momentaneamente não me ocorre, resolvi perguntar-lhe se por acaso sabia do seu paradeiro. O Couvinha foi lesto na resposta: «está no Palácio de D.Manuel». Deixei entretanto passar as eleições e já durante a semana que agora transcorreu, informei-me da situação junto da ainda vereadora da cultura. Cláudia Sousa Pereira, laconicamente, confirmou a presença do busto no local «à ordem da Polícia Judiciária» acrescentando apenas que o mesmo não se encontra «deteriorado». 
Ora bem, julgo - e alguns eborenses parecem acompanhar-me no meu raciocínio - que já passou o tempo suficiente para a realização do seu exame e análise por parte de peritos especializados. Na cidade correm alguns rumores desencontrados.E fazem-se suposições, muitas delas irónicas e corrosivas. Será que o busto está detido para mais averiguações? Será que se espera que ele venha a contar o que viu? Ou aguarda-se, que após apertados interrogatórios, ele venha a confessar ser o autor de um crime de homicídio? Perante a demora da sua devolução ao seu lugar de sempre, todas as hipóteses são levantadas , mesmo as mais descabidas, absurdas e inconcebíveis. E as especulações começam a surgir. Não falta quem avance que se estão a exercer pressões no sentido de aconselhar a sua destruição aguardando-se o momento mais oportuno para formular uma proposta nesse sentido.
O certo é que a retenção policial da peça escultórica, está a obstar à exposição normal de um elemento fundamental na geografia do Palácio D. Manuel dado que foi Cinatti quem projectou e delineou o Jardim Público. Mais, o busto foi uma homenagem merecida e promovida pela cidade «agradecida» a um homem que muito a amou, tendo sido o principal responsável pela desobstrução e limpeza do Templo Romano que permanecia quase oculto por outra construção e lhe deu o aspecto que hoje ostenta, funciona como o seu ex-libris e o faz enfileirar entre os grandes monumentos nacionais e também de alguma projecção internacional. Finalmente, o busto, da autoria do consagrado escultor Simões de Almeida, é a manifestação mais antiga da moderna arte pública na cidade.
E quer queiram, quer não, a cultura eborense está a ser indubitavelmente lesada com toda esta situação.


InAlentejo financia Tertúlia Tauromáquica em Badajoz
Pois é verdade, eu nem queria acreditar, quando deparei com um anúncio a quarto de página na contra capa do “Diário do Sul” de sexta-feira. Aí se publicita a realização no próximo 15 de Outubro terça-feira, pelas 19 horas portuguesas (como se faz questão de sublinhar) de uma tertúlia tauromáquica no Bar Ciudad de Badajoz em que participam como oradores (?!) duas eminentíssimas figuras da cultura e vida eborense e alentejana, como o são João Patinhas (cabo fundador do Grupo de Forcados de Évora), seu filho, Bernardo Patinhas (forcado no Grupo de Forcados Amadores de Lisboa, o qual já ocupou o lugar do pai, mas, que se viu destituído do mesmo, pelos outros membros do grupo) além do toureiro espanhol Júlio Parejo. 
Mais se informa que se trata de uma organização conjunta do “Diário do Sul” e do grupo Extremadura.com.. Quanto ao local onde tem lugar, de acordo com o que foi possível apurar, trata-se de um “pub” exótico, situado na área do Corte Inglês, decorado ao estilo safari, de ambiente muito selectivo e dispondo de amplos e cómodos sofás. Até aqui tudo bem pois cada um organiza o que quer e com quem quer.
O espanto é que no final se dá a conhecer (e aqui já fia mais fino, como se por cá se diz) que a iniciativa recebe o apoio financeiro do InAlentejo, relativo ao período 2007.2013, incluído no QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional) e no Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.Uma autêntica e inaceitável benesse concedida à família Patinhas e aos interesses forcadísticos e com realização em Espanha. Não, num auditório, mas num lugar de copos, a propiciar a farra, a bebedeira, para não falar noutras coisas. Incrível mas verdadeiro. E a bem do desenvolvimento regional. Como isto foi elegível para apoio comunitário, bem gostava eu de saber.

José Frota (enviado por mail)

63 comentários:

  1. O governo é de gatunos e come com as patinhas,

    ResponderEliminar
  2. O DIEB a esturrar o dinheiro que tanta falta faz para o desenvolvimento do Alentejo,está na Hora de corrermos com esta camarilha de aldrabões e gatunagem.

    ResponderEliminar
  3. Sempre assim foi o os fundos comunitários foram gastos em formação não realizada,em projectos agrícolas que não passaram de construções de vivendas e carros de topo de gama,PSD e PS distribuíram os fundos pelos AMIGOS.

    ResponderEliminar
  4. «Disseram-se então as maiores barbaridades que vieram a atingir o cúmulo do ridículo e da demagogia quando um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, ESCREVEU, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade.» [maiúsculas minhas porque não sei de momento realçar de outro modo nos comentários]

    Depois deste texto fica José Frota obrigado a exibir, ou pelo menos a indicar, o texto, ASSINADO por algum vereador de oposição, onde se atribui o triste acidente à incúria da manutenção do património da cidade.

    Repito, aliás como o próprio Frota, sem margem para qualquer equívoco: o texto ESCRITO por algum vereador da oposição. E não por jornalistas que, nas suas reportagens, provavelmente sem más intenções, selecionam, reproduzem e misturam (desvirtuando) declarações que certos leitores, especialmente predispostos, lêem enviesadamente sem a prudência que os seus anos de vida e os seus ofícios lhes deviam ter ensinado há muito.

    Caso não exista tal ou tais textos, ESCRITOS por algum vereador da oposição, ASSINADOS por algum vereador da oposição, a mais elementar decência obrigaria o Frota a pedir desculpa por mais esta miserável acusação e manipulação.

    Mas isso, claro, seria esperar decência onde ela não existe.

    Monte Redondo

    ResponderEliminar
  5. O José Frota sempre fez um jornalismo bufatório onde se mistura o disse que disse com a manipulação de informação.

    ResponderEliminar
  6. É assim e sempre foi assim, o Frota. Agora só está um bocadinho pior, porque ainda não lhe passou o efeito da azia...
    Mas há-de passar, com certeza.

    ResponderEliminar
  7. O caso Silveirinha NUNCA será investigado,pelo simples facto do PS e PSD estarem comprometidos nas decisões da CCRDA.

    ResponderEliminar
  8. Podem estar descansados,mesmo destruindo um clube e alguns terem ganho no negócio ,nunca serão penalizados.

    ResponderEliminar
  9. Esta cidade não tem FUTURO,os CORRUPTOS não deixam.

    ResponderEliminar
  10. O Bloco Central dos interesses domina tudo na cidade,Todos os Negócios,destruição de Património e outros podem fazer que nada acontece.

    ResponderEliminar
  11. Fechou a Unidade de cuidados continuados da Misericórdia de Évora,mais outra negociata.

    ResponderEliminar
  12. A SILVEIRINHA foi uma NEGOCIATA ESCURA - todos ENVOLVIDOS no escândalo!

    ResponderEliminar
  13. 12:09 e 12:15

    Ainda nem tomaram posse e já a arrogância lhes tolda a vista e lhes tira discernimento. Mesmo com maioria absoluta não lhes gabo o futuro. Há 12 anos o PC e agora o PS foram postos no olho da rua por arrogância e por não saberem ouvir os outros. Se este PC começa assim está tramado.

    ResponderEliminar
  14. E ainda não incharam tudo. Depois de tomarem posse é que é v-ao inchar totalmente

    ResponderEliminar
  15. Ao encapuçado Monte Redondo
    Eu não me sinto obrigado a coisa nenhuma perante gente anónima que não tem tomates para dar a cara e se esconde atrás de ridículos pseudónimos como esse. Também podia ter usado Casa de Pasto, Casal do Marco, Quinta da Atalaia, Chico Das Hóstias ou Cavaleiro Desentraitado que era a mesma coisa.
    O texto passou por aqui ou pelo "mais évora". Procurem-no pois eu mais tenho que fazer. Nada me garante que tendo passado pelo segundo,não tenha vindo a ser eliminado posteriormente.Assim como fizeram com a tentativa de assassinato de carácter do Florival Pinto (PSD), anunciando que este passara a integrar o grupo de assessores do PS para que Melgão pudesse chegar à vitória. Quando repararam na atoarda difundida,soprada por algum dos vossos bufos de eleição, retiraram-na apressada e discretamente. Desculpas pelo sucedido, tá quieto! O próprio sítio do PSD Évora chegou a transcrever essa "notícia" e enquanto a coisa não foi desmascarada o Florival Pinto foi ali submetido a alguns comentários vexatórios por parte de alguns dos seus companheiros.
    Pois bem,isto merecia um pedido de desculpas públicas
    porque o boato veiculado depressa se espalhou pela cidade.Mas não, a tentativa de enlamear o nome do Florival Pinto tinha sido conseguida. E vem você,blá,blá, patati,patatá, armado em moralista de pechisbeque e alapado no anonimato, falar-me de decência?!
    Por último, não teria qualquer problema em assumir qualquer "imprecisão factual", como diz o outro,se acaso a tivesse cometido,como aliás,já aqui sucedeu,em duas ou três ocasiões. Todavia, nesta situação-e parafraseando o nosso épico-eu «vi,claramente visto» o que afirmei.

    ResponderEliminar
  16. José Frota, evidentemente incapaz de indicar o inexistente texto, alegadamente ESCRITO (ou SUBSCRITO) por algum vereador da oposição, a que alude na sua mensagem reproduzida em post, afirma agora que tal texto passou por este blog ou pelo Mais Évora, acrescentando, convenientemente, que poderá ter sido eliminado no segundo e que, de qualquer modo, não o procura porque tem mais que fazer.

    Os textos de vereadores da oposição, transcritos neste blog ou no Mais Évora são muito raros, à excepção de artigos ou crónicas muito fáceis de localizar e, aliás, muito difíceis de eliminar da net porque permanecem noutros sites (DianaFM, Registo, etc.).

    O texto não existe e Frota sabe-o. Daí a sua impossibilidade em apresentá-lo ou identificá-lo. O resto são tergiversações, cortinas de fumo e novas acusações gratuitas e infundamentadas (contra quem agora? novamente vereadores da oposição?). Nada sei de Florival Pinto, que nem sequer é referido no post inicial.

    O que o leitor não deixará de reparar é que Frota fez acusações graves e não consegue avançar a mais leve prova do que afirma. Muito pelo contrário. Todos percebemos que o texto referido no post é uma invenção do autor.

    Frota afirma que não teria qualquer problema em assumir qualquer "imprecisão factual". Para começar, se Frota tivesse que assumir todas as suas "imprecisões factuais", necessitaria de um espaço tão grande como o dos seus artigos, mas isso é outra conversa.

    Não se trata, evidentemente, aqui de qualquer "imprecisão factual". Trata-se, mais uma vez, de uma acusação grave, sem qualquer fundamentação ou justificação válida. Na verdade, sem fundamentação ou justificação alguma.

    Frota é um escroque e acaba de demonstrá-lo mais uma vez.

    Monte Redondo

    (a propósito, meu verdadeiro nome, mas, lamento, não sou conhecido pelo nome próprio nem tenho o hábito de apresentar o meu BI a escroques)

    ResponderEliminar
  17. Para o Monte Redondo quem não concorda com ele é "escroque"!
    O Monte pode ser Redondo mas a cabeça é QUADRADA!

    ResponderEliminar
  18. É fácil a José Frota demonstrar que não é um escroque. Basta apresentar o texto escrito pelo vereador da oposição. Se não o fizer, a demonstração está feita.

    ResponderEliminar
  19. De facto eu tenho o defeito, por assumida imperícia informática,de não guardar ou conseguir localizar certos textos e comentários. Mas por caso tenho uma excelente memória...
    Veja bem, ó Monte Redondo, que também tenho andado à procura de um texto, enviado por Manuel Calhau Branco para o "Cinco Tons", após ter sido recusado pelo " Mais Évora", na noite da apresentação dos candidatos da CDU, onde eram produzidas algumas afirmações interessantes à cerca de um vereador da oposição que o partido ia recandidatar e não o consigo encontrar.
    Mas lá que ele foi escrito foi, que eu vi. Você, Monte Redondo, lembra-se quem era o visado?

    ResponderEliminar
  20. Por falar em jornalistas

    http://www.youtube.com/watch?v=ogRd9zy8xMI

    ResponderEliminar
  21. Mas onde é que está o texto escrito pelo vereador da oposição a acusar o executivo municipal de, por incúria e negligência, ter responsabilidades na morte do jovem? Existe ou não existe? Estou a assistir à conversa e só vejo José Frota a andar à volta. Primeiro era o Florival Pinto, agora é o Manuel Branco. Do dito texto é que nada. Que raio, um texto destes não desaparece. A acusação do Frota é de fato grave e deixou-me curioso. Fiz uma busca no A Cinco Tons, no Mais Évora, nas contas facebook de todos os vereadores da oposição a que tenho acesso, no google (incluindo na cache do google, de textos retirados) e não encontro nada. Algum dos dois, Monte Redondo e José Frota, se excedeu. Neste momento o ónus da prova cabe a José Frota.

    ResponderEliminar
  22. 17,38

    Paulo Portas jornalista? A encomenda sempre foi político e nunca disfarçou. Puuh, político, que merda.

    ResponderEliminar
  23. É a isto que te referes, José Frota?

    "Um jovem de 22 anos morreu, no passado sábado, esmagado por um busto que se soltou do pedestal no Jardim Público de Évora.

    A vítima terá, alegadamente, abraçado o monumento em bronze, que se desprendeu da base e tombou. Caiu sobre o tórax do estudante universitário, que não resistiu a sucessivas paragens cardiorrespiratórias resultantes da perfuração dos pulmões. A Câmara de Évora não comenta o sucedido, apenas expressa pesar pelo sucedido. Já a oposição critica o “abandono” do património edificado desta cidade Património da Humanidade.

    O acidente aconteceu perto das duas da madrugada, quando Fernando Figueiras, filho de um dos responsáveis pelo projecto Escola Segura no Comando da PSP de Évora, e mais dois amigos saltaram a vedação do jardim. Os amigos contaram que estavam na brincadeira, quando Fernando se agarrou ao busto do arquitecto e pintor José Cinatti (1808-1879). O jovem foi transportado para o Hospital do Espírito de Santo de Évora e transferido, posteriormente, para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde acabou por falecer.

    “Neste momento, em que importa, acima de tudo, respeitar o luto da família, quero apenas expressar o meu profundo pesar pelo sucedido”, disse o presidente da câmara, Manuel Melgão. Fonte da autarquia explicou ainda que o busto estava preso com uma estrutura metálica e que “não estava em situação de risco”, tendo sido já removido para as instalações camarárias.

    Embora não houvesse nenhuma intervenção agendada, a situação agora exige-o. Recorde-se que em Janeiro, aquando de uma intempérie que assolou todo o país, também a estátua de Vasco da Gama caiu no mesmo local, no Jardim Público.

    O vereador da CDU, Eduardo Luciano lembrou que a requalificação deste espaço de lazer “é um compromisso de três campanhas eleitorais”, considerando que o património da cidade e do concelho “está votado ao abandono” e exigindo mais manutenção."

    http://www.publico.pt/local/noticia/morte-de-jovem-esmagado-por-busto-alerta-para-a-preservacao-do-patrimonio-em-evora-1602926

    ResponderEliminar
  24. Quem não conheça o Frota, que o compre...
    É óbvio que fez mais uma acusação infundada (ou fundada apenas nos preconceitos com que olha para o mundo) e, em vez de se justificar e pedir desculpa ao(s) visado(s) tenta desviar as atenções com assuntos paralelos e que não têm nada a ver.

    ResponderEliminar
  25. O meu muito obrigado ao anónimo das 18:02. Afinal o homem sempre disse e os seus comentários foram transcritos "ipsis verbis". E logo num órgão de prestígio e repercussão nacional nacional como o "Púbico" .Mas eu é que sou o escroque!

    ResponderEliminar
  26. @18:23
    Diz Frota:
    «Disseram-se então as maiores barbaridades que vieram a atingir o cúmulo do ridículo e da demagogia quando um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, escreveu, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade.»

    Diz a notícia:
    «O vereador da CDU, Eduardo Luciano lembrou que a requalificação deste espaço de lazer “é um compromisso de três campanhas eleitorais”, considerando que o património da cidade e do concelho “está votado ao abandono” e exigindo mais manutenção."»

    Afinal o homem não escreveu nem disse o que Frota diz que "escreveu"...
    Uma coisa foi o que o homem disse (e não encontro nada que não seja verdade, naquilo que está referido na notícia), outra coisa é a interpretação de Frota sobre aquilo que ele teria querido dizer. Mas aí é a imaginação doentia de Frota a funcionar.

    Sr. Frota, trate-se, porque azias mal tratadas, podem resultar em úlceras gástricas.

    ResponderEliminar
  27. @18:23
    Diz Frota:
    «Disseram-se então as maiores barbaridades que vieram a atingir o cúmulo do ridículo e da demagogia quando um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, escreveu, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade.»

    Diz a notícia:
    «O vereador da CDU, Eduardo Luciano lembrou que a requalificação deste espaço de lazer “é um compromisso de três campanhas eleitorais”, considerando que o património da cidade e do concelho “está votado ao abandono” e exigindo mais manutenção."»

    Afinal o homem não escreveu nem disse o que Frota diz que "escreveu"...
    Uma coisa foi o que o homem disse (e não encontro nada que não seja verdade, naquilo que está referido na notícia), outra coisa é a interpretação de Frota sobre aquilo que ele teria querido dizer. Mas aí é a imaginação doentia de Frota a funcionar.

    Sr. Frota, trate-se, porque azias mal tratadas, podem resultar em úlceras gástricas.

    ResponderEliminar
  28. "quando um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, escreveu, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade"
    Onde é que isso está dito na noticia do público?
    Tens uma grande lata ó Frota.

    ResponderEliminar
  29. Assumam a responsabilidade dos vossos destemperados comentários.Não chamem nomes nem insultem, nem tentem denegrir a imagem dos tentam informar com independência. O Vereador caiu no ridículo, largou disparates, demonstrou o seu desconhecimento pela história.Não tem a meu ver,nem na opinião de Manuel Calhau Branco, capacidade nem idoneidade para integrar o futuro executivo municipal. Eu sabia que tinha visto isto escrito, mas já não era capaz de o localizar. Valeu-me a colaboração do anónimo das 18.02, um amigo da verdade, a quem renovo os meus agradecimentos.E nem reclamo que me peçam desculpas porque há impropérios, que vindos de quem vêm,só nos enobrecem.

    ResponderEliminar
  30. «o busto de bronze pesa 300 quilos e que ali foi solidamente implantado em 1884, tendo por isso resistido, até então, a todas as inclemências metereológicas e à violência das forças da natureza. Em cerca de 130 anos a fúria dos elementos nunca o conseguira desprender do pedestal ocupado, nem tempestades, nem tremores de terra ou ciclones, ao contrário da estátua de Vasco de Gama que, neste Inverno foi arrancada pela base, quando do último vendaval.»

    Segundo Frota um busto "solidamente implantado em 1884", parece não precisar de manutenção. Pois se já aguentou quase 130 anos. Faz lembrar a história do burro do cigano, que morreu à fome, quando já estava quase habituado a não comer...

    E a prova da solidez do dito busto é que resistiu ao último vendaval, ao contrário da "estátua de Vasco de Gama que, neste Inverno foi arrancada pela base". Frota só se esqueceu do pormenor da gigantesca árvore que caiu sobre a estátua de Vasco da Gama... e não sobre o busto de Cinatti.

    Depois destas e de outras, estou dividido entre o riso pelas baboseiras e o pranto pelas barbaridades escritas por alguém que, julgava, tinha cabeça para pensar.

    ResponderEliminar
  31. 18:48
    Frota, não caia no ridiculo de confundir a suas interpretações abusivas dos factos com aquilo que é a realidade em si mesma.
    E, de facto, nas declarações citadas na notícia estão apenas factos verídicos e indesmentíveis. O ridículo está na sua interpretação dessas declarações.

    ResponderEliminar
  32. Os comentários do vereador foram tecidos a propósito da queda do busto e não a propósito de qualquer outro assunto e intencionalmente produzidos para induzir os leitores a pensarem que ela se verificou em consequência do "abandono e falta de manutenção do património". É um facto que eu já reproduzi textualmente o conteúdo por não o ter à minha disposição. Mas referi o sentido geral da afirmação e a ideia que lhe estava subjacente. Agora o argumento é o da mãe que dizia às pessoas conhecidas: a minha filha não é corcunda, é saliente das costas. Ou outro ainda, mais prosaico: não é merda, cagou o cão.

    ResponderEliminar
  33. José Frota não tem razão nenhuma e deve de fato um pedido de desculpas, ao vereador da oposição (Eduardo Luciano?) e a Monte Redondo. Nada na notícia do Público autoriza a interpretação e a acusação que fez. Só vi José Frota fugir à apresentação de provas. Pelo vistos, declara-se incapaz de apresentar o texto escrito que "viu, claramente visto" no A Cinco Tons ou no Mais Évora, assinado pelo vereador da oposição, a acusar o executivo municipal de, por incúria e negligência, ter responsabilidades na morte do jovem. Muito mal, muito mal, José Frota.

    ResponderEliminar
  34. A notícia do público, reproduzida pelo anónimo das 18:02, não é um artigo escrito por nenhum vereador da oposição.

    Até sei que o vereador aí mencionado ficou desagradado com a associação que, alguém mal intencionado, poderia fazer entre a reprodução jornalística de uma observação genérica sua sobre a necessidade de maior manutenção do património concelhio, aliás incluído no alinhamento da notícia a seguir à referência dos efeitos da intempérie de Janeiro na queda de outra estátua, e o infeliz acidente tema da notícia.

    Mas, claro está, nada nesta reportagem fundamenta a gravíssima acusação de Frota de que «um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, ESCREVEU, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade. Tentou-se, então, fazer passar a ideia de que o busto se havia soltado e desprendido atingindo de forma cruel um de três jovens incautos que por ali circulavam pacifica e ordeiramente àquela hora da madrugada» (maiúsculas minhas).

    A acusação de Frota é claríssima e gravíssima. O vereador da oposição, que nunca nomeia, ESCREVEU um texto, que foi reproduzido neste blog ou no Mais Évora (segundo Frota esclareceu em comentário), que atribui responsabilidades ao executivo camarário pelo falecimento.

    Já por causa destas e doutras, no meu comentário das 12:02, tinha escrito:

    «Repito, aliás como o próprio Frota, sem margem para qualquer equívoco: o texto ESCRITO por algum vereador da oposição. E não por jornalistas que, nas suas reportagens, provavelmente sem más intenções, selecionam, reproduzem e misturam (desvirtuando) declarações que certos leitores, especialmente predispostos, lêem enviesadamente sem a prudência que os seus anos de vida e os seus ofícios lhes deviam ter ensinado há muito.»

    Frota insistiu, peremptório, às 13:45, que "viu, claramente visto" o artigo ou texto do dito vereador, mas, claro, apresentá-lo ou indicá-lo, está quieto.

    Apanhado mais uma vez inequívoca e miseravelmente em falta, vem falar-me em Florival Pinto (13:45), em Manuel Calhau Branco (17:23), como se estes senhores tivessem alguma coisa a ver comigo ou com o assunto em questão.

    Recorde-se o assunto e veja-se para onde já fugiu o escroque, que teve tempo para lançar a calúnia mas já não tem tempo para prová-la, a acusação miserável de que um vereador da oposição, por eleitoralismo, teria atribuído o triste falecimento à incúria da Câmara.

    Salto novamente por cima das considerações que teceu sobre mim, que evidentemente desconhece, como se viu logo pelos disparates à volta do meu nome.

    Chamei-lhe escroque e mantenho. A acusação não é leviana. Não é uma impressão, baseia-se numa certeza confirmada há muito tempo, de histórias antigas, que terei a generosidade de não trazer aqui à colação. Não sou eu que desvio o assunto.

    O Frota que apresente provas da acusação que faz ou tenha ao menos o decoro de calar-se, já que não se espera dele a decência de pedir desculpas, em vez de, para além da infâmia, cobrir-se do patético ridículo de falar de alhos quando toda a gente lhe pede os bugalhos.

    Monte Redondo

    ResponderEliminar
  35. Emendo : É um facto que já NÃO referi"

    ResponderEliminar
  36. José Frota é jornalista. Sabe que os jornalistas reproduzem uma ou duas frases de uma intervenção ou declaração. Nada na entrevista do Público relaciona a afirmação atribuída a Eduardo Luciano com o caso em concreto. Evidentemente que a jornalista o contactou acerca do infeliz acidente, mas a conversa evoluiu para temas mais gerais. É a própria jornalista que refere a queda da estátua do Vasco da Gama e acho que José Frota não insinua que também ela, a jornalista, acusa o executivo camarário de homicídio por negligência. Aliás, a jornalista, com maior ou menor cuidado, só reproduz a declaração de Eduardo Luciano sobre a manutenção do património da cidade depois da referência aos efeitos do temporal de Janeiro, não quando se fala do caso concreto da morte do jovem em Agosto. As desculpas de José Frota são muito esfarrapadas. Além do mais, José Frota foi muito claro, o dito vereador teria escrito um texto. Texto passado para algum dos blogues eborenses, o que, julgo eu, nem sucedeu com esta notícia do Público, não reproduzida em blog nenhum. De fato, José Frota revela-se um homem sem escrúpulos. E não só pelas acusações. Também pelas desculpas de mau pagador.

    ResponderEliminar
  37. Este Frota é mesmo um canalha.

    ResponderEliminar
  38. Deixemo-nos de tretas. Frota disse que leu um texto escrito por um vereador da oposição a sugerir que a Câmara PS tinha cometido um homicídio por negligência. Esse texto não foi capaz de apresentá-lo. Esse texto não existe. Nem existe, ou pelo menos não foi apresentado até à data, e já muitos terão procurado, uma única linha escrita por um vereador da oposição sobre isto.

    Agora Frota baseia a sua acusação na forma como interpretou uma afirmação geral de Eduardo Luciano reproduzida na peça que noticiou o acidente. Luciano, não tem obviamente qualquer responsabilidade no que saiu escrito, que aliás não se refere ao caso em concreto.

    Luciano é advogado e tem aqui matéria para processar Frota. Eu ainda me lembro bem quando este último foi condenado em tribunal por ofensas racistas a um docente da Universidade de Évora. Recorreu, viu a sentença confirmada e pagou multa ao visado.

    Não lhe serviu de lição. Mas contribuiu muito para desmascarar publicamente o homem de maus fígados. Luciano, agora vereador, não deve ter nem tempo, nem paciência, nem predisposição para levar novamente Frota a tribunal.

    É pena. As escroquerias, como alguém justamente lhes chamou, pagam-se nos sítios certos. Em tribunal, como no célebre caso que referi.

    ResponderEliminar
  39. O Luciano é aquele que já lá pôs a família toda na camara? Aquele que tentou "cozer" o Manuel Branco? É cá um exemplo, duss...

    ResponderEliminar
  40. Este sacana diz e desdiz-se. No post e nos primeiros comentários passa a tarde a acusar um vereador da oposição de escrever que a morte no Jardim Público se deveu a incúria do executivo camarário. Desmascarado, depois de falar de fulano e beltrano que não têm nada a ver com a história, como já não tem nada a que se agarrar, lança-se desesperadamente ao artigo do Público e tem o descaramento de afirmar, acima às 19:17 corrigido às 19:20, que é um facto que [não] reproduziu textualmente o conteúdo da afirmação por não a ter à disposição, mas que referiu o sentido geral.
    Não.
    Primeiro, Frota tinha dito e redito que a afirmação não era falada, era escrita.
    Segundo, Frota não referiu nada o sentido geral. O que aparece na notícia do Público, bem ou mal transcrita (o que nunca se sabe), é uma afirmação de Eduardo Luciano, depois da própria jornalista referir a necessidade de intervenção no Jardim Público, a dizer que a requalificação desse espaço é um compromisso de várias campanhas eleitorais e que o património concelhio está ao abandono.
    Frota transforma isto numa afirmação escrita - sublinhe-se escrita, não falada, não reproduzida (bem ou mal) por jornalista - por um vereador da oposição a acusar o executivo municipal de responsabilidades, por incúria, no acidente. Releia-se: "um vereador da oposição, na ânsia de crucificar o executivo municipal, escreveu, que o caso só se tinha verificado devido à incúria e à negligência a que estavam votadas a preservação e a segurança do património da cidade."
    É o vale tudo. É o vale tudo dos canalhas.
    Como diz um anónimo acima, eu se fosse ao Luciano, agora nomeado, processava-o por injúria e difamação públicas.

    ResponderEliminar
  41. Ó Frota, parece que falhaste o alvo.

    ResponderEliminar
  42. "Caso não exista tal ou tais textos, ESCRITOS por algum vereador da oposição, ASSINADOS por algum vereador da oposição, a mais elementar decência obrigaria o Frota a pedir desculpa por mais esta miserável acusação e manipulação.

    Mas isso, claro, seria esperar decência onde ela não existe.

    Monte Redondo

    13 Outubro, 2013 12:02"


    "É fácil a José Frota demonstrar que não é um escroque. Basta apresentar o texto escrito pelo vereador da oposição. Se não o fizer, a demonstração está feita.

    13 Outubro, 2013 16:39"


    É isso mesmo, @16:39. Está feita.

    ResponderEliminar
  43. Então e ninguém fala do escândalo da tertúlia dos toiros em Badajoz paga pelo dinheiro do Inalentejo? Quando mete toiros é tudo normal?

    ResponderEliminar
  44. Frota, para a próxima mais cuidado com aquilo que escreve e com as acusações que faz.
    Assim, desta maneira, cai num torpe e indecoroso ridículo...

    ResponderEliminar
  45. O problema não é o ridículo. O Frota não cai no ridículo, como muita gente por leviandade ou ligeireza do que escreve, o Frota é ridículo, pelo menos é-o vezes de mais para se estar sempre a desculpá-lo. Mas o problema não é o ridículo. O problema é a canalhice. E nesses casos, não há volta a dar. É mesmo reiteradamente canalha. Podia dizer que com mais esta acusação ao Luciano ultrapassou os limites, mas a verdade é que os limites já foram ultrapassados há muito. Esta história tem ao menos o mérito de abrir os olhos a ceguinhos que não querem ver do que o canalha é capaz.

    ResponderEliminar
  46. Frota foi condenado em tribunal por ofensas racistas?

    ResponderEliminar
  47. Continua a escrever BEM Frota.

    Que deus te mantenha a ti, ao CJ e a outros tantos com muita e boa lucidez durante muitos anos

    ResponderEliminar
  48. Continua a escrever BEM Frota.

    Que deus te mantenha a ti, ao CJ e a outros tantos com muita e boa lucidez durante muitos anos

    ResponderEliminar
  49. Já cá faltava o ga ga gago.

    ResponderEliminar
  50. Porra que, o Luciano, que poderia ser advogado em causa própria, tem tantos advogados a defendê-lo? Como dizia o outro "em cada esquina há um advogado" que emite o seu parecer.
    Porque não põem o Frota em tribunal?.O Ministério Público até aceita queixas de anónimos. Esse homem maldoso, o Frota, que acusa o Luciano de insensatez por ter dito ou escrito (já ninguém se entende se foi escrito ou dito)que o património estava ao abandono por incúria da Câmara, deveria, se houvesse Inquisição ou Pide, ser castigado, torturado, queimado, etc., para não andar com alarvidades que são uma mentira (assim o dizem os anónimos e anódinos comentadores, onde até aparece um caricato Monte Redondo) do tamanho da cidade de Évora.
    Porque não vem o homem defender-se?
    Acham que se o homem não tivesse sido eleito vereador, esta polémica estaria na ordem do dia?

    António Gomes

    ResponderEliminar
  51. Quem é o anónimo e anódino António Gomes?

    ResponderEliminar
  52. Estes PSs andam todos a berrar ..........

    ResponderEliminar
  53. @11:33 António Gomes
    Não vejo a relação. Com o Frota as canalhices estão sempre na ordem do dia.

    ResponderEliminar
  54. @01:56 Pois foi. Condenado a pena de prisão convertível em indemnização, que teve que pagar ao queixoso. É para veres o currículo do democrata.

    ResponderEliminar
  55. Frota,toma lá esta pérola, para te limpares. Assoa-te a este guardanapo.
    Manuel Joaquim Calhau Branco no " A Cinco Tons" de 11 de Junho de 2013 a propósito de Eduardo Luciano: «Perante tanta irresponsabilidade e desleixo não posso calar-me quando este advogado irresponsável e mentiroso contumaz se deixou candidatar a um cargo na minha cidade, manchando com a sua presença uma lista,que sem ele tinha todo o meu apoio, e, creio, condições para ganhar».

    ResponderEliminar
  56. A PROPÓSITO DE CANALHICES E SACANAGENS

    Retirado do Blogue "Mais Évora" no dia 31 de Agosto de 2013, quando do anúncio da apresentação dos Candidatos do PCP à União das Freguesias da Malagueira e Horas :
    1º. comentário « Bomba e Surpresa de Última Hora: Florival Pinto. militante do PSD, contratado pelo PS e pela CM de Évora, contratado para ajudar o assessor Trigo na comunicação social da campanha eleitoral».
    Apesar de falso, mentiroso e atentatório da dignidade pessoal do Florival Pinto, o comentário nunca foi retirado,tendo estado em exposição, pelo menos, das 15.18 às 22.15. Para certa gente, sem o mínimo de escrúpulos,em política vale tudo, até tirar olhos. Todos os meios são válidos para atingirem os seus fins.
    Leovigilda Beldroega

    ResponderEliminar
  57. Onde fica a União das Freguesias da Malagueira e Horas?

    ResponderEliminar
  58. O Frota ainda não percebeu que, por culpa própria, se atascou em areias movediças e canalhices várias. E quanto mais esperneia, mais se enterra.

    ResponderEliminar
  59. Prefiro os canalhas aos cretinos. Os canalhas, pelo menos, descansam de vez em quando.

    ResponderEliminar
  60. O problema é que o Frota faz o pleno. É um canalha e é um cretino. Conseguiu demonstrar as duas com este post (e as desculpas esfarrapadas que lhe seguiram).

    ResponderEliminar
  61. PORRA, PONHAM O FROTA EM TRIBUNAL...

    Anónimo e anódino António Gomes

    ResponderEliminar
  62. Agora que já lá está o busto do Cinatti, fico à espera de ler um post do Frota sobre o assunto.
    Sugiro que foque o tema dos "fundamentalistas do património" que dominam a DRCA e que, se não for rapidamente alterado, conduzirá à paralisia e à ruina do Centro Histórico. Ou a demorar uma eternidade só para recolocar uma simples estátua.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.