domingo, 27 de outubro de 2013

Rua da Saudade, 7005-371 ÉVORA


Ajudem por favor os residentes do prolongamento da Rua da Saudade a passar a linha da CP quando caem umas chuvadas. É preciso pedir boleia para passar a pé porque nem a junta de freguesia arranja, ou até nem dá conhecimento á CP (Caminhos de Ferro de Portugal). Qualquer dia arrancamos a porcaria da linha que não está lá a fazer nada.

15 comentários:

  1. Jerónimo de Sousa: Adesão à União Europeia e ao euro foi um "erro profundo"

    "As suas previsões demonstram, tendo em conta a realidade do nosso país hoje, o erro profundo que foi a adesão à União Europeia e ao euro, com a destruição do nosso aparelho produtivo, com perda de parcelas da soberania nacional", afirmou.

    O secretário-geral do PCP falava aos jornalistas à margem do Congresso "Álvaro Cunhal - o projecto comunista, Portugal e o mundo de hoje", que termina hoje, na faculdade de Letras, em Lisboa.

    A opção pela adesão à então CEE, em 1986, e à moeda única, em 1999, constituíram "uma opção que acabou por determinar hoje a situação do país", considerou Jerónimo de Sousa, defendendo a "profundidade e a actualidade" do pensamento do líder histórico comunista, que morreu em 2005.

    Jerónimo de Sousa disse que o Congresso "não procurou qualquer endeusamento" da figura de Álvaro Cunhal, mas apenas "recolher ensinamentos e projecções para o futuro". "Hoje, com o Orçamento do Estado em cima da mesa, devemos dizer que Cunhal tinha razão e continua a ter uma grande actualidade na necessidade de uma política alternativa", afirmou.

    Questionado sobre as palavras do cardeal José Policarpo, que afirmou hoje que Portugal só tem dinheiro para mês e meio em caso de incumprimento das metas estabelecidas no programa de ajustamento e acusou a oposição de não apresentar soluções, Jerónimo de Sousa respondeu que não se pode dizer que o PCP não apresenta propostas. "Nós temos esta proposta, naturalmente pode questionar-se esta proposta, mas não digam que não há, porque há uma alternativa", afirmou o secretário-geral comunista.

    "O Governo não tem condições porque aceita de bom gosto a aplicação deste pacto de agressão e quer levá-lo até ao fim, sabendo que a austeridade não resolveu nenhum dos problemas centrais da nossa economia", criticou.

    A renegociação do empréstimo, uma moratória para o pagamento da dívida, a devolução "daquilo que foi roubado aos trabalhadores", o desenvolvimento da produção nacional, a defesa dos serviços públicos "como bens preciosos" são algumas das propostas do PCP, frisou Jerónimo de Sousa, insistindo que o actual governo PSD/CDS-PP devia ser demitido. "Mas insisto, há alternativa, o que não é alternativa e o que não é caminho é este percurso do qual não se vê saída com este Governo", considerou.

    ResponderEliminar
  2. Estar fora do euro e da União Europeia hoje, na Europa, seria um suicídio e uma morte lenta. Cunhal nunca teve razão em momento algum da sua vida política e todo o seu trajecto político foi um acumular de erros sobre erros. Pode-se saudar a sua coragem, a sua coerência etc., mas nunca a sua lucidez política.

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que te temos a ti...

    ResponderEliminar
  4. O quê? Então o Fernandinho e o Cordeirinho estiveram aí 12 anos a fazer o quê na Junta, que não resolveram esse problema? Andaram só a passear velhos?

    ResponderEliminar
  5. A ser verdade, mais um exemplo do estado calamitoso a que o PS consduziu esta cidade.

    ResponderEliminar
  6. O Fernando,o tal que faltou á tomada de posse como menbro da assembleia de freguesia.

    ResponderEliminar
  7. @21:45
    O Jerónimo coitado não dá para mais! Com essa conversa está a marcarar o que é a cusa da crise: Os movimentos especulativos do grande capital e os desiquilibrios criados internamente em favor do capita. Se não estivéssemos na UE isso também teria acontecido, só que estaríamos ainda mais na merda. Se estivéssemos isolados estaríamos num gueto. O que está mal são os mecanismos que criam desigualdades e são esses que ele não vê, só protesta sem indicar um caminho. QAuando não est+amos no euro, lá vinha a desvalorização cambial para ajudar os exportadores. Ora isso não era mais que uma monumental transferência de dinheiro dos trabalhadores e das classes médias para o grande capital. Quer o Jerónimo regressar a esse tempo, ou quer combater os movimentos especulativos no actual quadro do euro?
    Grandes palavras declamadas " Jerónimo" são boas para o teatro, não para a vida real!

    ResponderEliminar
  8. @10:09
    E, no meio dessa converseta da treta, onde encaixa a produção nacional (ou melhor a destruição dessa produção), na agricultura, nas pescas, na indústria, nas minas, etc.?

    Ou, por acaso, a União Europeia está disposta a continuar a pagar-nos 'ad eternum' a compra de 70% daquilo que comemos e consumimos e deixamos de produzir?

    Se eles pagam sem exigir nada, então está bem!...
    O pior será quando eles também não tiverem com que pagar...

    ResponderEliminar
  9. @10:22
    Não consigo responder obviamente. seu argumento: Conversa da treta - é de facto esmagador para qualquer um.
    Não consigo responder obviamente.

    ResponderEliminar
  10. @10:22
    Não consigo responder obviamente. seu argumento: "Converseta da treta" - é de facto esmagador para qualquer um e do seu alto nível de argumentação.
    Não consigo responder obviamente.

    ResponderEliminar
  11. Tributo a ZECA e ARY dos SANTOS.



    Org. cãmara de Portel.

    ResponderEliminar
  12. Espero que o mui talentoso vereador a quem está entregue o pelouro do Ambiente e Espaços Públicos comece desde já a mostrar serviço, ordenando a limpeza dos dois cemitérios da cidade que estão lamentavelmente descuidados, principalmente o do Espinheiro onde a relva cresceu a dimensões insuspeitas, de molde a que ambos apresentem, no próximo dia de finados, um aspecto decente, limpo e arrumado. E já agora- e porque diz possuir um profundíssimo conhecimento da cidade e das suas tradições- veja se descola, do forreta Pé Leve, uns eurozitos, para mandar colocar na Praça de Giraldo, os vasos com crisântemos que, segundo os costumes eborenses,sempre funcionaram como uma homenagem à memória de todos os nossos concidadãos falecidos.

    ResponderEliminar
  13. O forreta Pé Leve foi o que propôs que te fechassem a torneira? Como eu te percebo...

    ResponderEliminar
  14. Isso, põe-te a provocar o gajo e vamos ter que o aturar com os argumentos indignados e um chorrilho de lugares comuns

    ResponderEliminar
  15. Voltando à passagem de nível da rua da Saudade no Bairro Srª da Saúde, é bom que a nova câmara comece a mostrar que sabe da poda.

    OS moradores do lado nascente da passagem de nível, não podem sair do bairro por outro lado que não seja aquele e quando chove não o podem fazer porque forma-se ali uma lagoa.

    De carro,também existe um problema. É que as travessas e os pregos estão expostos prontinhos a rebentar com pneus e suspensões.

    Que haja alguém de direito que resolva.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.