segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Reunião Geral de Trabalhadores da CME para defender um melhor serviço público à cidade


A sala maior do Teatro Garcia de Resende foi hoje pequena para acolher as várias centenas de participantes na primeira reunião geral de trabalhadores marcada pela nova Câmara saída das eleições de 29 de Setembro.
Estamos a começar a arrumar a casa” disse Calos Pinto de Sá no início da reunião. “Consideramos que a actual estrutura da CME não é a mais adequada às necessidades colocadas numa ótica de serviço público. Faremos uma reorganização interna durante o próximo ano, contando com a participação de todos. Mas é com o que existe que temos de começar a trabalhar”, disse o Presidente aos trabalhadores na reunião que decorreu entre as 10h e as 11.15h.
Sublinhando a disposição de contar com a participação e envolvimento alargados, foi anunciada a disposição de abrir vários espaços de atendimento aos munícipes em períodos semanais regulares garantidos pelos eleitos.
Assim, as reuniões públicas de Câmara serão sempre abertas, quinzenalmente às quartas feiras à tarde; nesses mesmos dias entre as 18.30h e as 19.00h os vereadores da maioria vão receber quem se lhes quiser dirigir. Para além disso, semanalmente, entre as 16h e as 19h de todas as quintas feiras os eleitos da CDU estarão de novo disponíveis para ouvir e responder a todos os munícipes.
O Presidente disse ter dirigido convites aos vereadores da oposição para agendarem igualmente horários de atendimento. O vereador eleito pelo PSD terá tido dificuldade em responder por questões de ordem profissional, mas os vereadores eleitos pelo PS marcaram o seu atendimento semanal para as quartas feiras entre as 13.00 e 15.00h.
 Este foi só primeiro de muitos momentos de encontro com os trabalhadores que o novo presidente da CME disse desejar que aconteçam com regularidade. Durante o seu mandato deverão ter lugar algumas reuniões gerais, mais disse-se principalmente apostado em reuniões sectoriais e em contactos estreitos com os diferentes serviços e colaboradores do município.
 Na segunda parte deste encontro, Carlos Pinto de Sá defendeu fidelidade ao programa eleitoral sufragado pelo voto nas últimas eleições. “O que lá está é para cumprir” assegurou. “Há um momento para ouvir, outro para decidir e outro para executar.”
A situação financeira da Câmara “extraordinariamente difícil”, o PAEL, a relação com a empresa das Águas Centro Alentejo e as medidas anunciadas no quadro do Orçamento de Estado para 2014 foram as preocupações maiores comunicadas pelo Presidente aos seus colaboradores.
A dívida da CME , oficialmente  ascende aos 75 milhões, mas o novo executivo acredita que poderá situar-se entre os 78 e os 80 milhões. No caso do PAEL é a obrigação de aumentar todos os impostos e taxas do Município que mais preocupa o Presidente. Em relação à empresa da Águas é preocupante a possibilidade desta empresa poder pedir a dedução automática da dívida a partir das transferências do Estado para a autarquia. Já em relação ao OE/2014 a previsão de corte de verbas à CME, na ordem dos 7 a 10 % constitui uma séria ameaça.
Pinto de Sá terminou dizendo que o ponto de partida é difícil mas não acredita em situações incontornáveis ou que não se possam enfrentar. E que para esse trabalho conta com todos.
Esta tarde, Carlos Pinto Sá e os mesmos eleitos vão reunir-se com os dirigentes da autarquia, e logo de seguida com os representantes dos sindicatos.

10 comentários:

  1. O vereador do PSD não tem disponibilidade de ouvir os municipes,se não tinha condições não se candidatava.

    ResponderEliminar
  2. É tempo de AGIR em relação á Higiene e Limpeza.

    ResponderEliminar
  3. Informação em cima da hora, sucinta, isenta e clara (e sem alguns dos tiques polémicos a que nos habituaram em alguns post's)

    Assim com critiquei noutras ocasiões, hoje dou os Parabéns ao Acincotons.

    ResponderEliminar
  4. * Assim como critiquei noutras ocasiões, hoje dou os Parabéns ao Acincotons.

    ResponderEliminar
  5. Senhor Vereador da Cultura:


    Faz parte da nossa Tradição colocar Crisântemos na Praça do giraldo e nas arcadas da praça.

    ResponderEliminar
  6. Senhor vereador da Cultura:


    È tradição no mês de Novembro colocar Flores na Praça(crissântemos),recuperar as nossas tradições e cultura.

    ResponderEliminar
  7. Évora Património da Humanidade tem que RECUPERAR a sua Cultura e Tradições,DESTRUIDAS pela gestão PS.

    ResponderEliminar
  8. Abaixo a gestão PS!
    Viva a Coltura
    Viva a tradição
    Viva as Flores
    Viva a Praça
    Viva os Crisântemos
    Viva a recuperação
    Viva o Património
    Viva a Humanidade.
    Viva a CDU!

    ResponderEliminar
  9. Já passou um mês.
    Mas os AZIADOS do costume ainda não perceberam o que lhes aconteceu...

    ResponderEliminar
  10. Ó novo secretário essa da azia já enjoa.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.