segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Quase sem darmos por isso


"Estamos em transformação, sem quase darmos por isso, de uma democracia para ditaduras. Por exemplo, hoje em dia, não é preciso na Europa, ou em Portugal, instaurar a censura tal como ela existia na ditadura. Basta controlar os «mass media», pôr os jornalistas a ganharem pouco, a estarem disponíveis para tudo, etc, e, de repente, temos um pensamento único, sob a capa da pluralidade", avisou a historiadora Irene Pimentel aqui.

Quando neutralizar a discordância e a  oposição se torna uma das principais estratégias políticas, caminhamos perigosamente para formas de ditadura menos conhecidas. E o mais perigoso é a aparente mansidão do processo. A guerra, os métodos de tortura física, a prisão ilegal, entre outros, são componentes conhecidas de um sistema político que rejeitamos frontal e inequivocamente. Já as mais atuais fórmulas de construção do pensamento único, são menos visíveis, mais discretas, capazes de passar sem repugnar muitos. Aí reside a sua maior força.
Alertar e não deixar passar a perda de direitos, de liberdades e garantias, parece ser ainda, e cada vez mais, o grande desafio enquanto membros de uma comunidade local, global e civilizacional.

9 comentários:

  1. O edificio da antiga junta da horta das figueiras(inaugurada em plena campanha) consta que já tem problemas.

    O homem do PS construiu mal o edificio?

    ResponderEliminar

  2. O Carlos Júlio ainda está entre nós?
    Agora publica sem o nome, escondido atrás do "Publicado por A Cinco Tons".
    Porque será?

    ResponderEliminar
  3. Ao Novo governo da Cidade:


    O dinheiro é pouco,por isso á que poupar:

    Os carros de serviço devem ser exclusivamente usados em trabalho(não para ir ás cpmpras ou levar os meninos ao colégio).

    As máquinas e Equipamentos devem ser utilizados Rigorosamente só para serviços do municipio.

    Os materiais devem ser Rigorosamente controlados.

    É preciso Banir o DESLEIXO dos ulrimos anos.

    ResponderEliminar
  4. Cãmara de Portel organiza :


    Tributo a Zeca e ARY dos Santos.

    ResponderEliminar
  5. O PS quando ganhou a cãmara varias obras decorriam na cidade,entre elas um troço da circular,em DOZE anos de mandatos não conseguiram concluir o troço,está por acabar os passeios e arranjar as rotundas,o movimento pedonal tem vindo a aumentar entra as portas de Aviz e o Bacelo.

    ResponderEliminar
  6. E o entulho que está depositado entre as portas de Aviz e o Forte de Santo António,DESLEIXO TOTAL da gestão que acaba de terminar o seu mandato.

    ResponderEliminar
  7. Senhor Vereador da Cultura:


    Por favor não coloque as PSEUDO arvores ditas de Natal nas rotundas,Èvora não merece tal "agrssão".

    ResponderEliminar

  8. 12:49:
    em vez de andar aqui a chatear o pessoal, há 3 semanas, com a porra das árvores de Natal, porque não lhe diz isso a ele, ao vereador responsável?
    É que eu não tenho culpa nenhuma e sempre que aqui venho encontro a sua lenga-lenga. Você é um chato!

    ResponderEliminar
  9. Eu gosto das árvores de Natal nas rotundas.
    Sr. Vereador da Cultura
    Este ano, por favor coloque as árvores de Natal nas rotunda. Sei que há quem não goste. Mas eu e muitos outros, gostamos. Não vá na conversa dos ditadores do "gosto"

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.