quinta-feira, 24 de outubro de 2013

O início da viagem

Esta tem sido, para o cronista, uma semana prenhe de novidades, de emoções várias, de surpresas agradáveis e de desagradáveis surpresas.
Quase instalado para o exercício das novas funções, com as responsabilidades definidas e assumidas desde ontem, o cronista é agora desafiado a dar os passos necessários para que se concretizem as mudanças que os eleitores exigiram no passado dia 29 de Setembro.
O colectivo de que faz parte tem por estes dias a obrigação de demonstrar que o envolvimento de todos nos processos de decisão não é um slogan eleitoral, mas um método de trabalho que não pode ser sacrificado no altar da voragem dos dias e da eficácia necessária.
Sabendo que na viagem agora iniciada irão abundar os adamastores, os velhos do Restelo, os marujos desconfiados da rota e aqueles que, apesar de quase terem feito naufragar o barco, quererão aparecer como vítimas da incompreensão dos seus concidadãos, exige-se a capacidade de a todos envolver e de todos aproveitar competências e entusiasmos.
Na viagem agora iniciada seremos todos companheiros no enfrentamento das tormentas e no esforço de fazer andar o barco nos dias de perigosa acalmia.
Tem o cronista a consciência de que, não lhe bastando a paixão, não pode deixar-se enredar pela segurança da razão e do cálculo.
Este é um trabalho onde o medo de errar não pode estar presente, porque é consabido que o erro fará parte do percurso e, diria mais, é essencial para se atingirem os objectivos.
Alguns têm-me mostrado a sua estranheza pelas responsabilidades que me foram atribuídas. Parece-lhes um terreno demasiado vasto e de paisagens demasiado diversificadas.
Só pode pensar assim quem tem o entendimento do exercício do poder como um acto solitário onde o decisor político se comporta como uma espécie de tutor de tudo e onde a palavra “eu” se sobrepõe ao esforço de todos.
O cronista, agora empossado em novas funções, envolverá quem sabe e quem conhece os diversos domínios nos processos de decisão, sabendo que essa é a única forma de preservar o interesse público e de o colocar acima da mesquinhez das vaidades miudinhas e das tentações de individualismos sem sentido.
O cronista, já aqui o disse por mais de uma vez, não acredita em homens e mulheres providenciais, iluminados e abençoados à nascença por um qualquer dom que lhes permita decidir sem ouvir, acertando sempre nas suas decisões.
O cronista é dos que entende que é da relação dialética da luta entre contrários que nasce uma realidade qualitativamente nova e sabe que olhando apenas o espelho tal coisa é inatingível.
Tanta conversa do cronista, para afirmar que sem a participação de todos nos processos de decisão que influenciam o rumo do barco só resta a crença de que a sorte o leve a bom porto e deixar essas coisas ao acaso não costuma dar bons resultados.
No fundo é isto que temos andado a dizer nos serviços municipais que já visitámos, não porque dê jeito e é simpático, mas porque é a forma como concebemos o exercício das responsabilidades que os nossos concidadãos nos quiseram atribuir.
Por estes dias não me sai da cabeça a canção do Fausto e não paro de cantarolar que o “barco vai de saída…”
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na rádio diana)

43 comentários:

  1. Atençâo aos serviços de Higiene e Limpeza,desorganização e DESLEIXO TOTAL.

    ResponderEliminar
  2. Aproveitamento de espaços abandonados ou mal utilizados:

    antiga rodoviaria,espaço amplo pode ser aproveitado para fins culturais.

    Palacio Dom Manuel praticamente abandonado.

    Coreto do jardim ,ao abandono.

    Espaço da associação de freguesias para que serve?

    ResponderEliminar
  3. Estado deploravel o espaço Rossio:chafariz abandonado,quiosque em ruinas,monte alentejano fechado.

    ResponderEliminar
  4. Mercado municipal a DEFINHAR,precisa de ser revitalizado,1ºpiso fechado.

    ResponderEliminar
  5. Praça do Giraldo SUJA,arcadas em ruinas,piso sujo,Igreja degradada,mobiliario urbano Horrivel(bancos e floreiras).

    ResponderEliminar
  6. Os secretários só agora, tarde e a más horas, descobriram o estado lastimável a que deixaram chegar a Cidade.
    Foi pena ter sido só agora, porque os eborenses já se pronunciaram esmagadoramente no passado dia 29...

    ResponderEliminar
  7. Mas quando é que esta vereação começa a fazer alguma coisa? Foram eleitos há quase um mês e até agora têm sido passeatas pela cidade e pelos serviços, muita reunião, muita conversa, muita parra, mas nenhuma uva. E a desviarem já as gotas de água de cima do capote. A culpa, afinal (depois de 12 anos de ataques ao PS) é do governo e da Europa, como terá dito Carlos Pinto Sá no discurso de tomada de posse "Reconheceu que “boa parte dos principais problemas que afetam o concelho devem-se às políticas neoliberais, classistas e socialmente injustas que governos nacionais e da União Europeia tem aplicado”...

    ResponderEliminar
  8. 11:13,não seja DEMAGOGO o novo executivo começou Segunda -Feira a exercer as suas funções.

    ResponderEliminar
  9. 11:13
    Cuidado que a AZIA está a derreter-te o cérebro!

    ResponderEliminar

  10. Bem explicado Vereador Eduardo Luciano. Faço votos para que frente aos adamastores, velhos do restelo e outros, incluindo os ainda não encontrados, não vacile e se anime por estes princípios de partida.
    Que a restante equipa que está à frente da Câmara esteja com a mesma disposição e determinação.
    Bom trabalho.

    ResponderEliminar
  11. @11:13
    Eh pá não seja injusto. Os homens estão fartos de trabalhar e agora 2ª feira vão com todos os empregados da Câmara ao Garcia de Resende para porem os trabalhadores a tomar parte nas decisões de gestão, qual URSS dos tempos de hoje. Lol
    Não sei se disseram para levarem as bandeiras ou não, mas isso depois logo se vê.

    ResponderEliminar
  12. 12:18,não seja parvo.....

    ResponderEliminar
  13. @12:23 Mas leste. eheheheh

    ResponderEliminar
  14. Há quem não entenda a importância e o valor da PARTICIPAÇÃO dos interessados nas tomadas de decisão da administração pública.
    Compreende-se. Afinal, foram, durante 12 anos, defensores e fautores do “quero, posso e mando”. O “quero, posso e mando” que destruiu a CME, transformando-a num monte cacos, que agora alguém terá de reunir e recolar com paciência e competência.
    Prometeu a CDU, e bem, alterar os métodos de trabalho e de tomada de decisão. Prometeu criar canais de participação, envolvendo TODOS e trabalhando com TODOS. Está a começar a cumprir com os trabalhadores da câmara.
    Percebe-se o desconforto dos ex-secretários, perante a primeira promessa a ser cumprida. Pela minha parte, estou satisfeito e sinto que o meu voto foi bem empregue.
    Parabéns CDU, continuem a cumprir o que prometeram que o eborenses saberão reconhecer isso mesmo no final do mandato.

    ResponderEliminar
  15. Mas porque é que perdem tempo a responder aos energúmenos que destruíram a nossa cidade? Faço uma proposta. Ninguém lhes responda e deixem-nos a falar sozinhos. Vão ver que depressa se cansam.

    ResponderEliminar
  16. Que o Novo Governo da Cidade saiba Ouvir e Aceitar as propostas construtivas dos municipes.

    O dinheiro é escasso,mas a Obra pode ser Grande,com Trabalho,Empenho e Criatividade.

    ResponderEliminar
  17. Espaços abandonados ou mal aproveitados,existem vários no Centro Histórico,com pouco dinheiro podem ser revitalizados.

    Antiga rodoviaria(para fins culturais)

    Mercado Municipal (1º piso vazio),pode ser aproveitado.

    Quiosque do Rossio fechado .


    Monte Alentejano Fechado.

    Palacio Dom Manuel pouco utilizado,e muito mais espaços que podem e devem estar ao serviço da Cidade e dops Cidadãos.

    ResponderEliminar
  18. Faço votos que o vereador Eduardo Luciano consiga uma Maior dinâmica na area da cultura,Évora Merece MAIS.

    Já agora peço-lhe que na quadra natalicia não coloque as pseudo arvores de Natal nas rotundas,a cidade não merece tal ENXOVALHO.

    ResponderEliminar
  19. Dezembro que seja um mês de CULTURA na cidade.

    As associações e instituições devem em parceria com o Novo executivo ANIMAR o Centro Histórico durante o mês de Dezembro.

    Que seja um Dezembro de cultura e Solidário.

    ResponderEliminar
  20. Feiras no Largo,uma iniciatica que tem vido a perder publico.
    Em vez da feira de velharias,do livro usado,do coleccionismo,mostra de artesanato,mostra de arte......não fundir todas estas feiras numa e a sua realização ser quizenal ou mensal(que sejam os feirantes a decidir) e o espaço seja na antiga rodoviaria ou no piso desocupado domercado.

    ResponderEliminar
  21. Mês de Dezembro que se Recupere as Tradições de Natal da Região de Èvora.

    O presépio
    cantar das janeiras e dos Reis.

    Iluminar as principais praças,o madeiro na praça a arder........

    ResponderEliminar
  22. Gosto de ver a AZIA que jorra por aqui. Sobretudo daquele(s) que só no dia 29 descobriu o estado calamitoso em que se encontra a cidade, e quer as obras que não foram feitas em 12 anos, JÁ AMANHÃ (como se a falência financeira e organizativa não fossem a realidade da CME).

    Não vai ser fácil nem rápido tirar a autarquia do pântano para onde foi atirada nos últimos 12 anos. Mas, com paciência, competência e o esforço de TODOS, creio que será possível.

    Daqui a 4 anos a nau já estará a navegar.

    ResponderEliminar
  23. A nau já começou a navegar.

    ResponderEliminar
  24. Haja capacidade de trabalho e criatividade,e Évora pode começar desde já a MUDAR.

    ResponderEliminar
  25. Que a CME já está a MUDAR não tenho dúvidas. Que saia rapidamente do pântano onde o PS a deixou, é que não tenho a certeza.

    P'ra mim se vir a câmara a funcionar como deve ser daqui a 4 anos, já me dou por satisfeito. E, se assim for, dou por bem empregue o meu voto na CDU.

    ResponderEliminar
  26. Que ar livre. Aqui pode-se dizer o que se quer. No mais évora quem critica o PC, é-lhe logo apagado o comentário. Aqui felizmente podem-se ler todas as opiniões

    ResponderEliminar
  27. A participação é fundamental para inverter o actual estado de coisas.

    Ouvir os trabalhadores é importante. E ouvir o resto da sociedade (população nos bairros, população nas colectividades, trabalhadores organizados em sindicatos e associações, agentes culturais e suas organizações, empresários e respectivas organizações representativas, etc.) é ainda mais importante.



    Para já começam bem. Cumprir o prometido é sempre um bom começo!

    ResponderEliminar
  28. Se aproveitar todos os que lá estão e gerir a Camara como se gere uma empresa ainda lhe sobram pessoas. O problema é que ninguem conhece o patrão.
    Dr Pinto de Sá, sem qualquer ironia, tome a Câmara como se fosse uma empresa sua e faça a sua gestão como tal.
    Felicidades para o mandato.

    ResponderEliminar
  29. O Programa Eleitoral da CDU é um excelente guião para a acção da Câmara nos próximos 4 anos.

    ResponderEliminar
  30. Alguns ainda não perceberam porque é que a esmagadora maioria dos eborenses lhes viraram as costas, no passado dia 29.
    Em vez de reflectirem e quiçá pedirem desculpa pelas malfeitorias realizadas nos últimos anos, preferem destilar fel e raiva nas caixas de comentários dos blogues. Afinal, não passam de uns tristes ressabiados

    ResponderEliminar
  31. parece que já está ao serviço o novo secretário vindo de montemor.

    ResponderEliminar
  32. o gajo agora vai trazer a escumalha toda.

    ResponderEliminar
  33. A tua mãezinha também vêm?

    ResponderEliminar
  34. @17:48
    Mas não é só de Montemor. Há 12 anos quando perderam as eleições tiveram que os espalhar pelas camaras comunistas da região, como Vendas Novas, Estremoz, etc etc etc .
    Agora têm que os trazer de volta. É normal, os do PS faziam o mesmo.

    ResponderEliminar
  35. Éh éh éh

    Está a dar-me um gozo ver a azia e a frustração desta cambada. Vão passar 4 anos nisto. E eu a rir.

    ResponderEliminar
  36. o presidente afastou a necessidade de recorrer a qualquer auditoria externa às contas.
    Grande ERRO colossal,a divida não são 80 milhões mas sim 100 milhões,existe contabilidade engenhosa que esconde 20 milhões no mínimo de divida.
    Foram 12 anos em que a divida galopou milhões sem obra feita,uma auditoria era obrigatória para se descobrir o valor real da divida e para onde foi tanto milhão e agir criminalmente.
    O pagamento a fornecedores chega os 556 dias,90 dias só se é para os amigos.
    Alguém que desperte Pinto de Sá para auditoria urgente!!!!!

    ResponderEliminar
  37. 19:40

    Eh, eh, eh. Vocês passaram 12 anos assim... Eh, eh, eh.

    ResponderEliminar
  38. PINTO DE SÁ - queremos uma casa de putas em Évora tão boa como a que estava na igreja do cabeço e, Montemor.

    ResponderEliminar
  39. @22:23
    Não me digas que precisas de "casa" para pôr a tua mulher e irmãs a trabalhar?

    ResponderEliminar
  40. @23:25
    Não meu ! essas já têm emprego garantido na CME que o Pinto trata.
    Estava mesmo era a lembrar-me da tua mãe.

    ResponderEliminar
  41. Deve ser proposta (22:23) de um secretário recentemente despedido a querer retomar a carreira de chulo em novas instalações.

    ResponderEliminar
  42. "Participação" de todos... mas quando se vota uma proposta de orçamento participativo (uma pequena proporção do total) cujo destino seria discutido e votado por todos, aí já não querem e votam contra, na assembleia municipal... Maioria absoluta, poder absoluto e o resto é conversa

    ResponderEliminar
  43. @09:44
    Não votei CDU porque não fui capaz de "engolir o sapo" mas a maioria absoluta não me assusta desde que não voltemos ao mesmo de sempre, porque o quero posso e mando não foi só do Zé Ernesto, no tempo do Dr Abilio tambem assim foi.
    Dei o beneficio da duvida à CDU com a minha abstensão.
    Provem-me que o mereceram gerindo a CME dignamente para que a população se possa vir a orgulhar de vós.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.