quinta-feira, 3 de outubro de 2013

João Oliveira é o novo lider parlamentar do PCP. No PS, Carlos Zorrinho pode abandonar liderança parlamentar


Tal como se esperava, João Oliveira, 34 anos, deputado do PCP por Évora, é o novo líder parlamentar da bancada dos comunistas na Assembleia da República, depois de Bernardino Soares ter sido eleito presidente da Câmara de Loures, foi hoje anunciado.
Também hoje soube-se que o actual líder parlamentar do PS, deputado por Évora, Carlos Zorrinho, poderá não se recandidatar ao cargo. Zorrinho estará em "reflexão".

41 comentários:

  1. Aqui está o motivo pelo qual não temos João oliveira como Presidente da Câmara de Évora. Pode ser que ainda um dia aconteça.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns ao João Oliveira. Uma boa escolha.

    ResponderEliminar

  3. Excelente escolha. Está o PCP de parabens!

    ResponderEliminar
  4. 14:57
    A vitória da CDU no distrito de Évora, nas recentes autárquicas, e sobretudo a excelente vitória no concelho de Évora, onde João Oliveira era o mandatário da lista encabeçada por Pinto de Sá, também deve ter contribuído para esta decisão.
    Seja como for, parabéns por uma escolha, que prestigia o distrito e o concelho de Évora.

    ResponderEliminar
  5. A liderança da bancada do PCP na Assembleia fica melhor servida do que o executivo da Câmara de Évora que, a meu ver, não tem estaleca para os desafios que aí estão e se adivinham. Os antigos vereadores do PC travaram-se de razões e ainda foi bom não terem ganho a Câmara senão tinha sido um desastre. Agora, não sei. Pinto Sá poderá ser a diferença. Mas é uma lista tão fraquinha...

    ResponderEliminar
  6. E chamam a isto democracia. Nas outras bancadas são os deputados que elegem a direcção da sua bancada. No PC, à maneira das dinastias (tipo Coreia do Norte) a nova direcção parlamentar é anunciada pelo princípe cessante em conferência de imprensa.

    ResponderEliminar
  7. É pá, ainda não vos passou a azia? Porra...

    ResponderEliminar
  8. Senhora pró-reitora o Colégio do Espirito Santo é feudo da Super-Bock e da Associação de Estudantes?

    Mais parece uma Taberna........só Ignorantes autorizam que tão valioso património seja assim Conspurcado.

    ResponderEliminar
  9. João Oliveira, líder parlamentar do PCP e Carlos Zorrinho líder da bancada do PS nos próximos dois anos. Interessante contributo para a elevação de Évora ao lugar que merece no cenário nacional. Precisamos disso. Boa reflexão, camarada Zorrinho!

    ResponderEliminar
  10. Vomito por todo lado,copos de cerveja,sujidade...........a directora do colégio do espirito santo demonstra ser incompetente,não sabe salvaguardar tão valioso Património.

    ResponderEliminar


  11. É bem apessoado. Boa pinta.
    Fala muito rápido e parece que gagueja. o seu CV apresenta apenas funcionário do partido deste sempre.
    (isso das associações de estudantes é giro, dá notoriedade e até se comiam uma miúdas boas lá dentro)

    Mas é velho de ideias.
    Por ele e outros como o Bernardino, todas as multinacionais eram nacionalizadas.
    Não dá. Vive na Rússia em 1950

    ResponderEliminar
  12. O Alentejo está salvo.
    Um governo, uma maioria e um líder parlamentar.
    Voltou a era comunista.
    Vai ser lindo de ver.

    ResponderEliminar
  13. E não é que a azia não há meio de passar?

    ResponderEliminar
  14. Há quatro dias que ganharam as eleições e a cidade ainda está que nem se pode ver???

    ResponderEliminar
  15. 22:30
    «a cidade ainda está que nem se pode ver???»

    A azia tolda-lhes os poucos neurónios activos.
    Não sabem (ou fingem) que o Presidente em exercício ainda é o Melgão.
    Não sabem (ou fingem) que o Presidente em exercício deu ordens aos serviços de que não vai despachar nada até se ir embora daqui a 2 ou 3 semanas. Ou seja mandou paralizar a câmara.

    Não sabem, mas são finos a sacudir a água do capote. Actividade em que especializaram nos últimos 12 anos...

    ResponderEliminar
  16. 23:11

    Alto aí aparatchick da nova maioria: eu estava a ser irónico. Não comeces já a espingardar senão vais ter muito que espingardar. Contém-te que tens muito que suar nests quatro anos que aí vêm!

    ResponderEliminar
  17. distribuiram-lhe uma folha com uma única palavra : "azia". O controleiro o que há-de fazer? Azar, é só "azia"...

    ResponderEliminar
  18. Uma das primeiras medidas do Pinto de Sá deveria ser a distribuição gratuita de Kompensan.

    ResponderEliminar
  19. Será que o Pinto de Sé vai ter primeiras medidas agora que as ruas estão limpas?

    ResponderEliminar
  20. 11:37
    Há muitas "limpezas" para fazer. É preciso limpar évora das bestas que a conspurcaram nos últimos anos: os secretários, os reizinhos, os capachos e outros bestas (que gostam de escrever alarvidades nos blogues)...

    ResponderEliminar
  21. Eu sou um secretário.
    Podes cá vir limpar o meu rabinho?
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  22. 12:37
    Com certeza!
    Limpar o rabinho a secretários é a minha especialidade. E, se quiseres, também to posso untar com vaselina...

    ResponderEliminar
  23. 12:43
    Acho bem a vaselina.
    No último domingo, esqueceram-se da vaselina e ainda agora se ouvem os guinchos.

    ResponderEliminar
  24. Estão bem uns para os outros

    ResponderEliminar
  25. @12:50
    E tu, estás bem para "uns" ou para "outros"?
    Ou és daqueles que ignoram, consentem e calam enquanto os bárbaros vão destruindo tudo onde mexem, mas se armam em virgens púdicas ofendidas, logo alguém se levanta e grita contra os bárbaros e a barbárie?
    Quer-me parecer que deves pertencer ao grupo das virgens que, consciente ou inconscientemente, vão colaborando ou consentindo a barbárie.

    ResponderEliminar
  26. então e a azia? O controleiro foi fazer uma sesta? Acorda, Porra!, ou abusaste do kompensan que receitas? Vai mais uma "azia"?

    ResponderEliminar
  27. 14.12
    Quando morres não te apercebes que estás morto, só é doloroso para os outros.
    Com a estupidez é a mesma coisa.

    ResponderEliminar
  28. não era 15:24 era mais 14.12

    ResponderEliminar
  29. parece-me que o estalinismo está de volta...soa-me ademais a limopeza...

    ResponderEliminar
  30. 21:03
    Limpar o rabinho a secretários, era especialidade do Estaline.

    ResponderEliminar
  31. Vaselina não gosto.
    Pode ser lubrificante comuna?
    Daquele com areia?
    Até vão guinchar durante 4 anos de maioria absolutíssima.

    Força comunas.

    ResponderEliminar
  32. @21:21
    Já cá andas a guinchar há meses, mas ainda vais ter muito que guinchar...

    ResponderEliminar
  33. A cinco tons não toma providências? É que mesmo sendo contra a censura, acho que os comentários deste post estão a um nível abaixo de cão e como tal deveriam ser pura e simplesmente eliminados. Quem quiser insultar e utilizar palavreado de quinta categoria é melhore utilizar o mais Évora, esse sim, um blog ao jeito desta gente.
    MdM

    ResponderEliminar
  34. Um dos grandes defeitos,nas autarquias é a forte politização das mesmas. Por mim, tirando os autarcas eleitos, os restantes funcionários, desde as chefias até ao mais baixa categoria (varredor??), não tem nada que ter ideologia dentro da organização, devendo todos, digo todos, seguir as orientações emanadas pelos pela presidência eleita, cabendo a esta e só a esta qual a orientação politica que a autarquia deverá seguir.
    Caso os funcionários não seguirem essas orientações ou boicotarem as mesmas, o que acontece na maioria das vezes, existe o código do procedimento administrativo que deverá ser aplicado.Mais no final do ano, as chefias, com a sua competência deverão premiar aqueles que cumpriram com as orientações, e punir, até mesmo com o despedimento aqueles que ou não cumpriram ou até boicotaram esses objectivos só porque as orientações emanadas pelos autarcas não se enquadram na sua ideologia.
    Infelizmente sabemos que na generalidade das autarquias sucede precisamente o contrario, quando um autarca do partido B ganha uma autarquia que estava na posse do partido A, e este tinha como politica colocar os seus boys nas diversas áreas de actuação, o novo partido nada consegue fazer, pois é constantemente boicotado. Isto é o que se passa na grande maioria das autarquias. Que solução? é fácil, quando o autarca do partido B ganhar deverá despedir todos os funcionários e substitui-los por boys do seu partido? Claro que não, de maneira alguma, isso seria anti-democrático, deverá sim é traçar objectivos simples, claros e mensuráveis, e ao fim de seis meses fazer uma avaliação e actuar em conformidade, tal como já referi.
    Se assim não for, o autarca pode ser muito bom, ter boas ideias, mas não irá singrar, pois será sistematicamente boicotado.
    MdM

    ResponderEliminar
  35. 22:30
    São os guinchos que incomodam ou foram os resultados de domingo que não te agradaram?

    ResponderEliminar
  36. @ 22:30 Os comentários são de baixo nível não vale a pena ofender os cães dizendo que são abaixo de cão. São nojentos e pronto. Alguma moderação neste blogue não afectaria a liberdade de expressão que, como todos sabemos, tem limites mesmo em democracia.

    ResponderEliminar
  37. @ MdM,
    Concordo com o que escreveu: a noção de "confiança política" tem sido utilizada de maneira tão extensiva que se tornou uma ferramenta de "boyização" total das administrações e do Estado em geral. Muitos dos cargos ditos de "confiança política" são simplesmente cargos técnicos de execução e como tais deveriam ser preenchidos de acordo com critérios extra-partidários. Desde as autarquias até ao governo, o rol de nomeações que invocam a "confiança política" é assustador. Temos visto o governo a nomear "especialistas" com 24 anos e sem currículo, só porque são membros da JSD... e os governos anteriores procederam de igual modo. É um vício de base se o compararmos com a "cultura política" europeia. É verdade que a solução inversa (muda o partido muda toda a administração), que impera nos EUA só funciona se for radical e aberta: é mesmo toda a administração de topo e a pertença partidária é pública e declarada. Aqui, as "heranças" de pessoal das autarquias, por exemplo, depois da mudança do partido no poder esbarra com o problema que MdM assinala: resistência passiva e até sabotagem por parte dos que foram recrutados em função de pertenças partidárias ("confiança política"). Uma senhora dizia-me há tempos: "mas eu fui recrutada para a Câmara (em 1997) pela CDU!". Respondi-lhe que ela tinha sido recrutada pela CME, e não por um partido, mas ela admitia que a sua lealdade era para o partido que a tinha "recrutado". Não duvido que algo análogo acontece com as pessoas recrutadas por outros partidos tendo em mente a tal "confiança". Não vejo solução prática exequível, embora no plano dos princípios a questão seja perfeitamente clara.
    JRdS

    ResponderEliminar
  38. Comentário no maisevora, em 07/06/2007:

    ... constatemos que a maioria dos cidadãos não fazem a mínima ideia do estado em que se encontra a câmara.

    Não fazem ideia da metódica destruição encetada contra o serviço público que o Dr. Abílio nos deixou:
    - o afastamento dos técnicos mais capazes, a caça às "bruxas";
    - a contratação de assessores políticos, totalmente incapazes do ponto de vista técnico;
    - a nomeação de chefias e secretários da "cor", ignorantes e irresponsáveis;
    - a absurda remodelação dos serviços;
    - a ausência de coordenação dos serviços;
    - a indefinição das competências, dos procedimentos, dos objectivos, das prioridades;
    - a transformação dos actos administrativos em encenações desprovidas de sentido ou conteúdo;
    - a arbitrariedade, a prepotência, o quero posso e mando;
    - o castigo para quem disser que "o rei vai nu",
    - o desmembramento e alienação das instalações municipais;
    - a crescente desmotivação dos funcionários perante uma administração incompetente, autista e injusta.

    Apesar de tudo, nestes seis anos a máquina foi andando com o balanço que ainda tinha.
    Ainda havia bons projectos e credibilidade da câmara do Dr Abílio, havia dinheiro, crédito, benefício da dúvida para a nova câmara PS...

    Daqui para a frente vai ser cada vez pior.
    Até os eborenses se dignarem a dizer BASTA!


    Porra!
    E, por aqui, só agora que os eborenses se pronunciaram esmagadoramente CONTRA esta e outras situações, é que descobriram a pólvora?
    Piaram tarde caros amigos. Agora é dar oportunidade a quem foi eleito, de voltar a pôr a Câmara a funcionar. Quem calou perante a situação calamitosa que se verificava há vários anos, não merece crédito.

    ResponderEliminar
  39. Gostava que a CME se interessasse e resolvesse os problemas postos pelas transformações radicais nas habitações. São criados, entre outros exemplos, terraços onde não existiam; canaliza-se águas da chuva das novas varandas através dos telhados, em volumosos caudais antes inexistentes, e que estragam as casas dos pobres, infiltrando-se nas paredes, nas portas e janelas nas proximidades dos ditos condomínios no centro histórico.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.